Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

MONITOR DA IMPRENSA > GRAMPOS TELEFÔNICOS

Andy Coulson é preso pela polícia escocesa

05/06/2012 na edição 697
Tradução e edição: Leticia Nunes

O jornalista britânico Andy Coulson, ex-editor do tabloide News of the World e ex-diretor de comunicação do primeiro-ministro David Cameron, foi preso pela polícia escocesa na semana passada, sob acusação de mentir sob juramento sobre seu conhecimento da prática de grampos no jornal que comandou entre 2003 e 2007.

Coulson, de 44 anos, é o segundo funcionário do alto escalão do grupo de mídia de Rupert Murdoch a ser indiciado criminalmente no escândalo dos grampos telefônicos. A primeira foi Rebekah Brooks, ex-editora do News of the World (2000 a 2003) e do Sun (de 2003 a 2009) e ex-executiva-chefe da News International, braço britânico da News Corp, acusada no mês passado de obstrução da justiça.

Coulson foi detido em sua casa no sul de Londres na manhã de quarta-feira [30/5] e acompanhado por sete policiais escoceses até uma delegacia em Glasgow. Ele passou o dia sendo interrogado e foi liberado à noite.

Caso de perjúrio

A acusação contra ele tem origem em um caso ouvido pela Suprema Corte escocesa em 2010 que envolvia um político acusado de perjúrio ao testemunhar em um julgamento anterior. Ao se defender da acusação, o político escocês alegou que o News of the World havia interceptado ilegalmente mensagens de seu telefone celular. Coulson foi testemunha no caso e, diante de anotações com o nome do político, além de seu número de telefone e código de segurança, em um caderno que pertencia a um detetive particular que fazia trabalhos para o tabloide, mostrou-se surpreso e alegou que não sabia de nada.

“Não aceito [a alegação] de que havia uma cultura de grampos telefônicos no News of the World”, afirmou na ocasião, sob juramento. Coulson negou também que tivesse instruído jornalistas a fazer uso da prática ilegal. O detetive em questão, Glenn Mulcaire, declarou-se culpado em 2007 por grampear telefones em nome do jornal, junto com o repórter especializado na cobertura da família real, Clive Goodman. Na época, Coulson pediu demissão, assumindo a responsabilidade pelo que havia acontecido – ele insistia, no entanto, que não sabia de nada e que os grampos telefônicos eram obra apenas de Goodman, e repetiu esta versão no julgamento do político escocês, que acabou condenado a três anos de prisão por perjúrio.

Sistemas diferentes

Depois de deixar o News of the World, Coulson foi contratado pelo Partido Conservador para chefiar o setor de comunicação de Cameron – que dizia acreditar na versão de seu funcionário sobre os grampos, mesmo quando se tornou claro que a prática não se limitava a apenas um repórter.

O Partido Conservador venceu as eleições de 2010, e Coulson continuou no cargo até janeiro de 2011, quando pediu demissão alegando que o crescimento do escândalo estava atrapalhando seu trabalho. Em julho passado, ele foi detido e interrogado na Inglaterra sob suspeita de participar dos grampos e de pagar a policiais em troca de informações, mas ainda não ficou decidido se irá responder por estas acusações. A Inglaterra e a Escócia têm sistemas de justiça criminal distintos. Informações de Sarah Lyall [The New York Times, 31/5/12].

***

Leia também

O tabloide sensacionalista e o telefone da menina morta

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem