Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

MONITOR DA IMPRENSA > ‘THE WASHINGTON POST’

Publicidade nativa chega ao jornal impresso

03/09/2013 na edição 762
Tradução de Larriza Thurler, edição de Leticia Nunes. Informações de Michael Sebastian[“The Washington Post Starts Selling Native Ads for Print”,AdAge, 27/8/13]

O Washington Post, que foi comprado em agosto pelo CEO da Amazon, Jeff Bezos, está selecionando anunciantes para oferecer a chamada “publicidade nativa” no jornal. Trata-se daqueles anúncios menos intrusivos e que se disfarçam de artigos, utilizando as mesmas fontes, estilos e tons das matérias tradicionais. Uma das ofertas será uma página tomando parte da capa com anúncio e um “artigo” semelhante ao conteúdo editorial. Outro exemplo será um espaço entre conteúdo editorial verdadeiro, no lado da dobra do jornal. Todas as peças publicitárias disfarçadas terão a marca de “conteúdo gerado pelo patrocinador”.

A oferta dos “anúncios nativos” é uma extensão do programa BrandConnect, que permite que anunciantes postem “matérias” online desde março. “Acho que uma grande parte do nativo é criar experiências para marcas em lugares nas páginas impressas nas quais não havia anúncios”, afirma o diretor de receita do Post, Kevin Gentzel.

Receita digital

Dentre os anunciantes do BrandConnect estão IBM, Mercedes e Audi. Na semana passada, por exemplo, a Audi colocou um anúncio na home do Post com um link para seu blog (dentro da marca BrandConnect) no site do jornal. O BrandConnect usa o mesmo sistema de gestão de conteúdo e ferramentas que editores e repórteres.

Muitos consideram os anúncios nativos parecidos com os publieditoriais que são publicados há décadas, mas Gentzel afirma que eles precisam ter uma narrativa mais engajadora e são, portanto, mais atuais, relevantes e oportunos – e não apenas tematicamente relevantes. A publicidade nativa online vêm sendo criticada por se parecer muito com o conteúdo editorial dos sites, confundindo os leitores menos atentos.

Assim como muitos grandes jornais, o Post vem lutando para que sua receita digital compense as perdas no impresso. Durante o segundo trimestre de 2013, o Post viu a receita publicitária cair 4% no período ano a ano para US$ 54,5 milhões (o equivalente a R$ 127 milhões), enquanto a receita digital caiu 5% para US$ 29,5 milhões (cerca de R$ 68,91 milhões). Nesses valores está incluso o site Slate, que ficou de fora do acordo com Bezos.

***

Leia também

Redes sociais e anúncios disfarçados marcam novas estratégias

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem