Domingo, 18 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº974

MONITOR DA IMPRENSA > DIGITAL REPORT 2014

Estudo avalia consumo de notícias digitais em 10 países

17/06/2014 na edição 803
Tradução: Fernanda Lizardo, edição de Leticia Nunes. Com informações Richard Sambrook [“Objectivity and impartiality in digital news coverage”, The Guardian, 12/6/14]

O Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo acaba de divulgar seu Relatório Digital 2014, que revela novas percepções sobre o consumo de notícias digitais – incluindo os grandes centros urbanos brasileiros. Com base numa pesquisa representativa realizada entre consumidores de notícias online em dez países (Reino Unido, EUA, Alemanha, França, Dinamarca, Finlândia, Espanha, Itália, Japão e Brasil), o relatório é parte de um ambicioso projeto para acompanhar a mudança no consumo do comportamento de notícias digitais ao longo da próxima década.

Uma das grandes revelações deste ano diz respeito à maneira como o brasileiro consome a notícia. O brasileiro dos centros urbanos ainda é altamente influenciado por marcas e prefere receber as notícias de indivíduos e emissoras que compartilhem de ponto de vista similar ao seu.

O Brasil se revelou, basicamente, a região pesquisada mais oposta à ideia de que um repórter deve apresentar uma gama de pontos de vista neutros e permitir que o consumidor decida o que pensar sobre eles. Isto sugere que o brasileiro ainda vai de encontro à diversidade de opiniões (elemento-chave na antiga abordagem de notícias, aquela que deveria ser mais imparcial).

A tabela abaixo, por exemplo, representa um universo de entrevistados do sexo masculino com idades entre 25 e 34 anos. Os entrevistados foram perguntados se preferem que a notícia seja apresentada de forma mais neutra – para que eles tirem as próprias conclusões, ou se preferem que haja comentários por parte dos apresentadores.

País Preferem a
notícia apresentada
de forma neutra
Preferem que o
jornalista informe seu
ponto de vista
Universo de entrevistados
Reino Unido 85% 15% 2.082
Alemanha 87% 13% 2.063
Espanha 81% 19% 2.017
Itália 69% 31% 2.010
França 88% 12% 1.946
Dinamarca 74% 26% 2.036
Finlândia 73% 27% 1.520
Estados Unidos 79% 21% 2.197
Brasil 71% 29% 1.015
Japão 81% 19% 1.973
 

 

Obviamente, as diferenças culturais estão refletidas neste resultado, bem como influência de questões como instrução acadêmica e prosperidade econômica. Esta pesquisa, bem como suas edições anteriores, confirmaram que os países com maior quantidade de indivíduos escolarizados (principalmente com curso superior) e com rendimentos mais elevados tendem a preferir tomar as próprias decisões em vez de se deter aos pontos de vista oferecidos pelos jornalistas.

Curiosamente, o Brasil revelou uma questão importante no fator “confiança na notícia”: embora valorize questões como objetividade e imparcialidade, o brasileiro urbano ainda associa fortemente a confiança numa notícia à sua “marca”, ou seja, a credibilidade de uma reportagem depende também do veículo/indivíduo que a está transmitindo.

Difícil dizer, mas é possível que isso revele também a tendência a seguir aquele indivíduo que simplesmente espelhe suas convicções pessoais.

Veja a tabela abaixo (indivíduos do sexo masculino com idade superior a 55 anos):

País Preferem que a notícias
venham de fonte neutra
ou imparcial
Preferem que a notícia venha
de fontes que expressem ponto
de vista similar aos seus
Universo de entrevistados
Reino Unido 84% 16% 2.082
Alemanha 90% 10% 2.063
Espanha 87% 13% 2.017
Itália 83% 17% 2.010
França 87% 13% 1.946
Dinamarca 79% 21% 2.036
Finlândia 90% 10% 1.520
Estados Unidos 80% 20% 2.197
Brasil 51% 49% 1.015
Japão 89% 11% 1.973

 

Mas isso levanta uma pergunta importante: os espectadores que confiam em tais marcas que simplesmente seguem suas opiniões e preconceitos estarão necessariamente mais bem informados?

Questões que envolvem a confiança do espectador são um tanto complexas e carecem de análise mais detalhada, mas tais respostas podem ser um indicativo para compreender a dinâmica da confiança em um ambiente de notícias digitais, no qual fatores culturais, educacionais e econômicos sempre influenciarão nas escolhas dos consumidores. Isto muda a maneira como as notícias serão levadas ao espectador. Se você for britânico ou alemão, por exemplo, vai preferir abordagens de notícias mais tradicionais. Se for italiano ou brasileiro, vai preferir notícias mais subjetivas.

Um diploma universitário e uma boa renda pedem notícias mais neutras, de modo que você possa interpretá-las livremente. Uma escolaridade menor pede por jornalistas interpretando a notícia para o espectador.

Para evitar manipulações, alguns analistas de mídia sugerem que a transparência seja o novo caminho para a objetividade. Em outras palavras: se uma organização de notícias ou jornalista forem abertos quanto a seus preconceitos ou opiniões pessoais, então o consumidor poderá confiar neles como consequência.

Richard Sambrook, professor de jornalismo e diretor do Centro de Estudos de Jornalismo da Universidade de Cardiff, enxerga que, embora o meio digital esteja modificando rapidamente a paisagem da veiculação das notícias, o público ainda parece mais ligado às normas tradicionais de notícias – equilibradas e imparciais – do que alguns poderiam supor. Ele diz que a questão daqui para frente é o quanto a crescente gama de serviços digitais vai consegui se estabelecer nesse meio, mantendo o impacto.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem