Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1009
Menu

MONITOR DA IMPRENSA >

Vigilância da NSA prejudica trabalho da imprensa

23/06/2014 na edição 804

Desde 2008, o Comitê para a Proteção dos Jornalistas publica seu Índice de Impunidade, um relatório que revela os lugares mais perigosos do mundo para jornalistas. Em 2014, o Afeganistão figurou em 6º lugar. Dentre os cinco assassinatos de jornalistas ocorridos no país na última década, nenhum apresentou punição aos criminosos.

Além dos riscos inerentes aos acontecimentos na região – que incluem sequestros, ataques insurgentes e represálias violentas de funcionários do governo afegão –, agora os jornalistas locais enfrentam mais um problema: a espionagem da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA).

Embora a questão da vigilância feita pela agência de inteligência americana seja conhecida desde sua divulgação por parte do ex-funcionário Edward Snowden, apenas no dia 23/5 houve a comprovação de que o Afeganistão está entre os países pesadamente vigiados pela NSA (juntamente às Bahamas, México, Quênia e Filipinas).

De acordo com o WikiLeaks, desde 2013 a NSA tem registrado e armazenado quase todos os telefonemas realizados no Afeganistão – e isso inclui aqueles feitos por jornalistas. A questão surge como uma ameaça ao trabalho dos profissionais da imprensa, que muitas vezes se veem em imbróglios diplomáticos enquanto apuram suas reportagens.

Driblando a vigilância

Para evitar que seus jornalistas sejam acusados injustamente de compactuar com insurgentes e grupos terroristas, muitas organizações têm treinado seus profissionais. As orientações incluem até mesmo um vocabulário a ser adotado durante a comunicação com o Talibã, indicando palavras que podem ser usadas ou devem ser evitadas. O telefone convencional também tem sido dispensado e muitas empresas têm optado por utilizar serviços de mensagens online, como o Viber, por exemplo. Ainda assim, muitos repórteres temem que suas conversas possam ser desviadas de contexto e que eles possam ser ligados injustamente a atividades insurgentes.

Tal preocupação não é injustificada, visto que muitos profissionais da imprensa continuam a ser detidos e interrogados – muitas vezes sem explicação. Desde 2002, as forças americanas já prenderam 220 afegãos em Guantánamo e milhares de cidadãos afegãos no Centro de Detenção de Parwan – a maioria sem acusação formal ou direito a julgamento.

Foi o caso de Jawed Ahmad, jornalista afegão que passou 11 meses preso em Parwan, após ser classificado como combatente inimigo ilegal – embora ele alegue nunca ter sido acusado formalmente como tal. Após sua libertação, Ahmad declarou ter sido mantido em condições sofríveis durante seu cárcere, tendo passado inclusive por espancamento e torturas, como privação de sono.

Recuperando a confiança

Embora o governo americano declare apoiar a liberdade de imprensa, as práticas da NSA claramente minam o trabalho dos meios de comunicação afegãos num momento crucial, pois na era pós-Talibã é esperado que a imprensa possa ascender no país, levando a informação de maneira mais transparente ao público e poupando seus jornalistas de tantos riscos.

Com o possível recuo das forças internacionais do Afeganistão até o final de 2014, espera-se que haja maior sensibilidade aos jornalistas do país. O jornalista Ahmad Shuja crê que, se frear tal fiscalização, o governo dos EUA terá a chance mostrar que é sensível às preocupações destes profissionais, ganhando assim a chance de se redimir por seu programa de vigilância em massa.

Leia também

Intercept: o site que tem se dedicado a divulgar a vigilância da NSA

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem