Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

MONITOR DA IMPRENSA > PESQUISA POLÊMICA

Grupo de defesa da privacidade abre queixa contra o Facebook

08/07/2014 na edição 806
Tradução: Fernanda Lizardo, edição de Leticia Nunes. Com informações de Richard Waters [“Privacy group files Facebook complaint”, Financial Times, 4/7/14]; e da AFP [“Facebook probed by Britain over mood experiment”, 2/7/14]

O Electronic Privacy Information Center (EPIC), grupo americano de proteção da privacidade do consumidor, apresentou na semana passada [3/7] uma queixa formal à Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC) contra o Facebook. A queixa é uma reação à recente revelação de uma controversa pesquisa realizada pelo site, que manipulou o feed de notícias de cerca de 700 mil usuários a fim de avaliar se o conteúdo exibido era capaz de afetar as emoções daqueles que o vissem.

Além da queixa do EPIC à FTC, agências reguladoras em Dublin – onde fica a sede europeia do Facebook – e no Reino Unido já começaram investigações para determinar se o site de fato violou a privacidade de seus usuários. Uma das alegações diz que o estudo foi uma violação da política de privacidade do Facebook vigente à época de sua realização. Embora atualmente o Facebook divulgue explicitamente que utiliza dados pessoais de seus usuários em pesquisas, tal cláusula só foi adicionada aos Termos de Uso da rede social quatro meses após a condução do estudo polêmico. O EPIC também acusa o Facebook de fornecer informações pessoais de seus usuários a terceiros sem consentimento.

“Experimento pequeno”

Adam Kramer, cientista de dados do Facebook e responsável por liderar a pesquisa em janeiro de 2012, chegou a pedir desculpas em seu perfil, no entanto o Facebook não admitiu oficialmente que o estudo tenha sido um erro ou que seus controles internos tenham sido inadequados.

Em uma entrevista à emissora indiana NDTV na semana passada, Sheryl Sandberg, chefe de operações do Facebook, minimizou a polêmica, classificando a pesquisa como “um pequeno experimento com duração de uma semana” (Sheryl começou visivelmente tensa e hesitante ao se explicar sobre o episódio em questão). Ela reiterou que o Facebook nunca tentaria manipular usuários para influenciar o resultado de uma eleição, por exemplo.

Em nota enviada à agência de notícias AFP, o Facebook informou estar disposto a colaborar com todas as investigações.

Leia também

Facebook recebe críticas por experiência com usuários

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem