Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

MONITOR DA IMPRENSA > REDES SOCIAIS

Twitter faz parceria para coibir ataques online

25/11/2014 na edição 826
Tradução: Fernanda Lizardo, edição de Leticia Nunes. Com informações de Kelefa Sanneh [“Censoring Twitter”, The New Yorker, 14/11/14]

Qual seria o parâmetro para definir o que é “censura” em uma plataforma como o Twitter? Revistas e jornais têm editores. Blogs possuem moderadores. Mas no caso de redes sociais, há milhões de usuários e conteúdo altamente diversificado. Como controlar um ambiente assim?

Em outubro, a revista Wired publicou uma reportagem sobre um obscuro grupo de trabalhadores: um exército de censores que tenta apagar mensagens e vídeos considerados inapropriados antes que estes possam aparecer nas timelines dos usuários. Um especialista estimou que havia mais de cem mil moderadores de conteúdo em todo o mundo, trabalhando para empresas como Facebook e YouTube.

Cada empresa tenta manter uma política de uso. O Facebook, por exemplo, pede aos usuários que utilizem seus nomes verdadeiros; o Tumblr não permite “promoção ou exaltação da automutilação”; já o Instagram proíbe alguns tipos de nudez.

Combate ao assédio

Dentre todas as redes sociais, o Twitter é a que parece oferecer menos regulamentações, mas isto parece prestes a mudar. A empresa confirmou que está trabalhando em conjunto com o WAM – Women, Action, and the Media (Mulheres, Ação e Mídia), um grupo de defesa que promove a “justiça de gênero”. O WAM desenvolveu uma ferramenta online para ajudar os usuários do Twitter a denunciarem assédio, em especial o assédio ao gênero, mas também ataques racistas e a transexuais.

A reação do Twitter parece ser uma resposta à crescente conscientização sobre o assédio online, principalmente o assédio tenaz que muitas mulheres enfrentam, como o caso da filha do ator Robin Williams, que anunciou que se afastaria das redes sociais depois de receber mensagens perturbadoras sobre o suicídio do pai. Ou o de uma escritora feminista, que recebeu ameaças de estupro e violência que acabaram levando à prisão de dois usuários do Twitter.

No entanto, a parceria pode ser menos promissora do que parece. O WAM não pode fazer mais do que encaminhar as reclamações ao Twitter – o microblog declara, por sua vez, que o WAM “é apenas uma dentre muitas organizações com as quais trabalhamos”.

Público, mas direto

Amanda Marcotte, do blog XX Fator, expressou sua esperança de que esta colaboração pudesse melhorar o sistema de denúncia de assédio no Twitter, muito embora tenha admitido que “praticamente qualquer coisa é melhor do que o sistema atual”. Já o blogueiro independente Andrew Sullivan afirmou que o Twitter poderia não estar fazendo nada além de conferir poderes de censura a feministas de esquerda (e exemplificou com casos de denúncias de falso assédio, nos quais homens tiveram suas contas suspensas devido a alegações exageradas).

O grande problema do Twitter, em relação a outras redes sociais, é que sua arquitetura transforma postagens públicas em mensagens pessoais. Você não apenas tuíta sobre alguém, na maior parte do tempo; você tuíta para alguém, mesmo que pareça estar falando apenas aos seus seguidores. E em uma tela de celular, um tuíte pode parecer tão íntimo ou inquietante quanto uma mensagem de texto particular. Mais do que controlar conteúdo, o Twitter ainda precisa aprender a lidar com os limites da tolerância humana, onde a palavra “assédio” pode ter significados bem extensos.

Leia também

Assédio e ameaças contra mulheres são negligenciados em redes sociais

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem