Terça-feira, 19 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

MARCHA DO TEMPO > OI na TV

A morte lenta de um jornal agonizante

Por Lilia Diniz em 22/07/2010 na edição 599





Na semana passada, o Jornal do Brasil anunciou mais
um capítulo da sua lenta agonia. Após 119 anos de história, deixará de sair em
papel. A partir de primeiro de setembro, manterá apenas a versão online. A
notícia não chegou a ser uma surpresa. Há décadas, o jornal enfrenta uma grave
crise financeira. Aquele que foi o jornal mais influente e copiado do Brasil
entre as décadas de 1950 e 1970 atualmente tem uma tiragem de apenas 20 mil
exemplares. O passivo acumulado é estimado em R$ 800 milhões, a maior parte em
dívidas trabalhistas e fiscais.



O Observatório da Imprensa exibido na terça-feira (20/7) pela TVBrasil
rememorou a trajetória do jornal e discutiu os fatores que contribuíram para a
sua decadência.


Alberto Dines recebeu três jornalistas no estúdio do Rio de Janeiro: Ana
Arruda Callado, Ricardo Noblat e Wálter de Mattos Jr. Escritora e professora
universitária, Ana Arruda é doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ. Presidiu
o Conselho Estadual de Cultura, foi vice-presidente da ABI e presidente do
Conselho Administrativo. Noblat é jornalista há 43 anos, sendo 28 destes
dedicados à cobertura política. Atualmente tem uma coluna semanal no jornal O
Globo
e mantém um blog na Internet que é um dos mais visitados no Brasil, o
Blog do Noblat. Wálter de Mattos Jr. é diretor-presidente e criador do diário
esportivo Lance!, o primeiro jornal nacional de esportes do país e,
atualmente, o maior veículo do segmento esportivo na América Latina.


Antes do debate no estúdio, na coluna ‘A Mídia na Semana’, Dines comentou a
trágica
morte
do menino Wesley Gilbert Rodrigues de Andrade, atingido no peito
por um tiro de fuzil dentro da escola durante uma operação da polícia militar no
Rio de Janeiro (16/7). A escola de Wesley figurou em uma série de matérias
publicada no mês passado pelo jornal O Globo sobre colégios em áreas de
risco. ‘A série de reportagens ‘O x da questão’ pretendia fugir das
estatísticas, dar nome e rosto às crianças que vivem na terra de ninguém. Como
jornalismo foi perfeita. Como presságio foi tragicamente correto’,
avaliou.


Profissão romântica


Ainda antes do debate ao vivo, em editorial, Dines disse que a frieza com a
qual a mídia tratou o caso do JB é o símbolo de uma transformação. ‘A
imprensa abdicou das emoções porque aceitou transformar-se numa indústria tão
transcendental quanto uma fábrica de biscoitos’, censurou. Para Dines, escolhas
políticas contribuíram para o declínio do jornal. ‘A amizade mais perniciosa foi
com Delfim Netto, que estimulou o jornal a endividar-se pesadamente para
financiar uma faraônica sede e os novos equipamentos. Este elefante branco
atropelou o resto dos escrúpulos e entregou o jornal a um empresário que não lê
jornais e detesta jornais, exceto jornais moribundos que arrenda a preço de
banana’, criticou.


A reportagem exibida pelo Observatório contou a história do jornal. É
em meio à agitação política no país que deixava a monarquia para se tornar uma
República, que Rodolfo Dantas funda o Jornal do Brasil. Defensor do
antigo regime Liberal, o novo periódico é lançado em 1891. Entre os diretores do
jornal nos primeiros anos constavam nomes como Joaquim Nabuco e Ruy Barbosa. Em
1905, adota uma linha editorial voltada para o noticiário do cotidiano da
cidade. As dificuldades financeiras levam o JB a ocupar a primeira página
só com anúncios classificados – e por esta razão ele ganha o apelido de ‘jornal
das cozinheiras’.


Em 1953, morre o Conde Pereira Carneiro e sua viúva, Maurina Dunshee de
Abranches, assume a direção. Manoel Francisco do Nascimento Brito, genro e
representante da condessa Pereira Carneiro, adquire novo equipamento gráfico e
lança a idéia de reformulação do jornal. A partir de 1956, a forma de apresentar
a notícia muda radicalmente. Saem os fios que separam as colunas de texto,
diminui o espaço dos classificados e a fotografia passa a ser publicada na
primeira página. O poeta Ferreira Gullar, que fez parte da equipe que reformou o
jornal, contou que o Suplemento Dominical – ponto de partida das mudanças – era
totalmente inovador. ‘Tinha uma paginação inteiramente revolucionária’,
relembrou.


Os anos de chumbo


Durante a ditadura militar, o Jornal do Brasil não vê no general Costa
e Silva condições de impedir o endurecimento do Regime, logo comprovado com a
decretação do AI-5, que mereceu total repúdio. A edição que anuncia o
recrudescimento do regime, em dezembro de 1968, entra para a história da
imprensa. Através de sutilezas imperceptíveis para os censores, consegue
informar aos leitores que está sob severa vigilância. No início da década de
1970, JB e O Globo protagonizam uma vibrante disputa. Roberto
Marinho passa a publicar O Globo também aos domingos e briga por espaço
com o concorrente. Em represália, Nascimento Brito começa a sair às ruas às
segundas-feiras. Logo depois, os classificados são o alvo da disputa. O
JB saiu na frente mas, em 1976, O Globo derruba sua liderança no
mercado de anúncios.


Os anos 1970 marcam o declínio do JB. Erros de gestão e falhas de
planejamento estratégico levam a dificuldades financeiras incontornáveis. No
final da década anterior, os proprietários do jornal decidem construir uma nova
sede. Com a obra, a empresa endivida-se em dólar. O novo prédio é projetado para
abrigar todas as marcas do grupo, incluindo o canal de televisão. ‘O jornal fez
um empréstimo grande para terminar o prédio. Este empréstimo coincidiu
exatamente com o pior momento da vida brasileira. Essa dívida passou a crescer
porque o jornal, com a mudança, teve que fazer uma porção de outras despesas. E
foi aí que a dívida ficou impagável porque a inflação não perdoa’, explicou
Wilson Figueiredo, que foi vice-presidente do JB.


Em 1973, o jornal muda-se para a nova sede. ‘A imponência e a dimensão
daquele prédio correspondiam a um certo sentimento de grandeza inexplicado do
dr. Nascimento Brito e, na verdade, aquilo não se tornou a sede do Jornal do
Brasil
, mas o mausoléu’, disse Maurício Azêdo, ex-redator do JB e
presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI). Wilson Figueiredo
considera que naquele endereço o diário teve o seu momento de grandeza, esgotou
suas possibilidades, não foi capaz de superar-se e ‘morreu’.


Começo do fim


Nos anos 1980, o JB ainda conserva parte do vigor editorial do
passado, mas as crescentes dívidas já afetam a publicação. No final da década de
1990, a empresa entra em colapso financeiro. Ex-colunista do jornal, Ancelmo
Gois relembrou que este foi um período muito conturbado da economia nacional com
inflação alta e diversos choques econômicos e cambiais. ‘Várias empresas
familiares de grande porte também naufragaram naquele período’, ponderou. Em
2001, o montante das dívidas gira em torno de R$ 700 milhões. Os acionistas do
JB arrendam a marca para a Companhia Brasileira de Multimídia, controlada
pela Docasnet, de Nelson Tanure, por cerca de R$70 milhões.


‘Nessa última fase do Jornal do Brasil exercitaram naquele jornal o
conceito de que informação é commodity e aí fizeram um jornal
amesquinhado. Era feito dentro de um conceito onde você ia buscar informação
dentro da internet. Essa informação era rala e os leitores estava acostumados a
informação com densidade’, avaliou Arnaldo César, ex-editor de Economia do
JB. Em 2006, o diário adota o formato berliner. ‘O formato atual não é
ruim, e até bom para um jornal novo. Mas não para um jornal que tem uma história
gráfica, editorial e ética como o Jornal do Brasil. Virou um jornaleco’,
disse Reynaldo Jardim, um dos precursores da reforma do JB. ‘E feio. Não
tinha nada a ver com aquele jornal que existia’, completou Ferreira Gullar.


Ao final da reportagem, os entrevistados avaliaram as consequências para o
mercado do Rio de Janeiro. ‘O leitor perde. É melhor uma cidade com muitos
jornais do que com poucos jornais. Isso é melhor em qualquer circunstância, em
qualquer lugar do mundo’, advertiu Ancelmo Gois. ‘O Jornal do Brasil, ao
sair do mercado de impressos e se concentrar no mercado eletrônico – e eu acho
que o jornal vai fazer isso única e exclusivamente para a manutenção da marca e
não para exercer um jornalismo, de fato, na internet… Esse é o buraco que o
Jornal do Brasil deixou. E eu acho que existe hoje no mercado do Rio de
Janeiro um espaço para uma publicação com informação qualificada’, disse Arnaldo
César.


Esvaziamento do Rio


O Observatório exibiu uma entrevista com Franklin Martins,
ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, que falou sobre o fim da
edição impressa do JB na qualidade de jornalista. ‘Ele tinha as suas
opiniões, muitas vezes eu não concordava com elas, mas era um jornal que não
agredia o leitor querendo impor as suas opiniões. Um jornal que tratava o leitor
com respeito e inteligência, e sempre dizendo a ele: ‘essa é informação que eu
estou te dando, mas você pode ir além dela’’, disse. Franklin Martins explicou
que o Rio de Janeiro já teve uma imprensa plural e que o caso do JB é
‘apenas o exemplo mais dramático’ do esvaziamento da mídia carioca.


‘A indústria da comunicação se tornou uma indústria muito pesada, com custos
muito altos’, sublinhou. Por outro lado, o jornalista acredita que a
digitalização e a internet abrem possibilidades para um ‘contra-fenômeno’, uma
vez que reduzem bruscamente os custos de produção de um jornal. ‘Dois terços dos
custos de um jornal são dedicados a papel, circulação e administração
correspondente a isso. Ou seja, o negócio central, o coração do negócio da
imprensa, que é a redação, é responsável mais ou menos por um terço do jornal.
Talvez os jornais atuais sobrevivam ainda com uma edição em papel ao lado de uma
edição eletrônica, mas a tendência em longo prazo é a de se caminhar para um
jornal eletrônico’, disse.


A digitalização, ao baratear os custos de produção, abre possibilidades em
médio prazo de surgimento de publicações eletrônicas ‘mais baratas que talvez
não tenham que pertencer a grandes grupos’. Este fenômeno está em curso em
diversos países, não só no Brasil. ‘Talvez a gente possa voltar um pouquinho à
época heróica do jornalismo, quando ele era mais plural, dava menos palpite, se
preocupava mais com o leitor, em dar informação’, avaliou.


Escola de jornalismo


No debate ao vivo, Ana Arruda Callado – a segunda repórter do Jornal do
Brasil
–lembrou que o jornal conhecido como ‘o jornal das cozinheiras’,
depois da reforma, transformou-se no ‘mais charmoso, importante e bem escrito do
país’. Ana chegou ao JB em 1958, quando ele passou a publicar fotografias
na primeira página. ‘Era o jornal modelo deste país. Dines falou na abertura do
programa em ‘profissão romântica’. Nós éramos românticos. Nós adorávamos o
jornal como se fosse nosso’, contou. Durante as viagens pelo JB, Ana era
interpelada por repórteres de todo o país, ávidos por saber detalhes sobre os
bastidores do jornal.


Ricardo Noblat, que trabalhou nas sucursais do JB no Recife e em
Brasília, disse que o Jornal do Brasil era uma meta que a maioria dos
jornalistas fora do eixo Rio-São Paulo aspirava. ‘Era a escola onde todos
gostariam de trabalhar’, disse. Noblat contou que nos tempos áureos o JB
funcionava como um jornal, de fato, nacional. A sucursal de Recife, por exemplo,
chegou a contar com seis repórteres. ‘O jornal procurava refletir tudo o que de
importante acontecia no país. Então, não só tinha uma rede extensa de sucursais,
como de correspondentes. E olha que eu estou falando em uma época em que a gente
mandava matéria por telegrama ou malote’, relembrou.


Para o empresário Wálter de Mattos Jr, o jornalismo em papel no Rio de
Janeiro caminha para um tom monocórdico. ‘Você tem alguns jornais populares que
cumprem um papel importante, mas nesse segmento do quality paper você
ficou com um jornal. E isso limita bastante’, analisou. Já em outras
plataformas, como a internet, o padrão de competitividade é ‘extraordinariamente
alto’. ‘O Rio está muito mais pobre, mas não é de hoje. A gente está falando de
um réquiem que começou a ser tocado há muito tempo’, lamentou.


***


Falência múltipla dos órgãos


Alberto Dines # editorial do Observatório da Imprensa na TV nº 555, no
ar em 20/7/2010


Bem-vindos ao Observatório da Imprensa.



A mídia nesta semana:


O que o menino Wesley mais temia eram os tiros, as balas perdidas. Isto ele
escreveu numa enquete recente do Globo realizada na zona norte do Rio. Na
quinta-feira passada, numa aula de matemática, ainda com o lápis na mão, Wesley
de Andrade morreu com um tiro no peito enquanto a polícia e os bandidos se
enfrentavam numa batalha campal a poucos metros da escola. A série de
reportagens ‘O x da questão’ pretendia fugir das estatísticas, dar nome e rosto
às crianças que vivem na terra de ninguém. Como jornalismo foi perfeita. Como
presságio foi tragicamente correto.


A imprensa não se comoveu, foi fria e álgida ao anunciar o fim da edição
impressa do Jornal do Brasil. Não percebeu que esta mesma frieza e esta
mesma algidez são os símbolos de uma transformação que está acabando com a
derradeira instituição iluminista e a última profissão romântica. A imprensa
abdicou das emoções porque aceitou transformar-se numa indústria tão
transcendental quanto uma fábrica de biscoitos.


O JB vai desaparecer vitimado pela conhecida ‘falência múltipla dos
órgãos’. Péssimas companhias e lamentáveis escolhas políticas liquidam criaturas
e instituições. Aqui não foi diferente.


Toda a imprensa apoiou o golpe militar em 1964, exceto a Última Hora.
Pior do que isso foi entregar-se ao czar da economia, Delfim Netto, apoiar
Leitão de Abreu contra o general Geisel, depois aliar-se a Maluf, depois aderir
a Collor de Mello e mais recentemente ao casal Garotinho. A amizade mais
perniciosa foi com Delfim Netto, que estimulou o jornal a endividar-se
pesadamente para financiar uma faraônica sede e os novos equipamentos.


Este elefante branco atropelou o resto dos escrúpulos e entregou o jornal a
um empresário que não lê jornais e detesta jornais, exceto jornais moribundos
que arrenda a preço de banana.


Nelson Tanure anunciou o fim do Jornal do Brasil com um anúncio e aos
assinantes entregou uma circular assinada por um preposto. Rodolfo Dantas,
Joaquim Nabuco e Rui Barbosa, antigos diretores, estão morrendo novamente.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem