Domingo, 15 de Dezembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1067
Menu

CADERNO DO LEITOR >

Assassinato leva a cancelamento de reality shows

25/08/2009 na edição 552

Uma jovem modelo encontrada morta dentro de uma mala em uma caçamba de lixo, seus dentes e dedos mutilados. Principal suspeito: o ciumento marido, desaparecido após o crime, e encontrado morto, uma semana mais tarde, em um quarto de hotel. A polícia acredita em suicídio.

A descrição acima poderia muito bem ser a trama de um filme de Hollywood, mas trata-se da vida real. O corpo de Jasmine Fiore, de 28 anos, foi encontrado em Orange County, na Califórnia, em 15/8. A polícia procurava Ryan Jenkins desde então. Os dois tinham um relacionamento conturbado, e haviam se separado e voltado a ficar juntos várias vezes ao longo deste ano. Amigos dela dizem que ele era extremamente ciumento, o que já havia causado diversas brigas. O corpo de Jenkins foi encontrado pelo funcionário de um hotel em British Columbia, no Canadá, no domingo [23/8].

Falha no perfil

O caso recebeu grande destaque na mídia americana porque Jenkins, um canadense de 31 anos, participava de dois reality shows do canal de TV VH1. Em Megan Wants a Millionaire, 17 homens com mais de 1 milhão de dólares no banco disputavam o ‘amor’ da modelo Megan Hauserman. Em I Love Money 3, os participantes entravam em uma competição com provas físicas e mentais para ganhar 250 mil dólares. A VH1 tirou os dois programas do ar.

O caso levantou questões sobre a falta de cuidado das emissoras ao analisar o passado dos participantes de reality shows. Elaine Carey, vice-presidente de uma empresa que verifica candidatos a programas de TV, diz que os advogados das emissoras costumam exigir este tipo de checagem quando as pessoas serão submetidas a algum tipo de pressão.

Jenkins foi condenado por agressão há dois anos e havia sido formalmente acusado em junho de mau comportamento. A 51 Minds Entertainment, produtora responsável pelos dois programas da VH1, admite que sua verificação foi falha ao não buscar os antecedentes criminais dos participantes. A companhia declarou que estava tomando providências para que este tipo de lapso nunca mais ocorra. Com informações de Brian Stelter [The New York Times, 24/8/09].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem