Quarta-feira, 17 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

MONITOR DA IMPRENSA >

Carlos Eduardo Lins da Silva

10/03/2009 na edição 528

‘No dia 16 de setembro do ano passado, a Folha publicou uma reportagem intrigante e dramática sobre o caso de um garoto, filho de pai americano e mãe brasileira, trazido ilegalmente por ela ao país em 2004.

Os dois disputaram na Justiça de seus países a guarda da criança. A dos EUA decidiu que ela deveria voltar para lá; a do Brasil, que ficasse aqui.

O episódio ganhou contornos ainda mais comoventes porque a mãe morreu em agosto de 2008 e o padrasto pediu à Justiça do Rio que o nome do pai biológico fosse substituído pelo seu na certidão de nascimento do menino.

O texto tinha tons misteriosos por avisar que todos os nomes citados eram fictícios, mas não explicar explicitamente o porquê, embora indicasse que a razão era o caso correr em ‘segredo de Justiça’, alegada pelos advogados de mãe e padrasto para não falar ao jornal.

A história voltou a aparecer em 20 de setembro, quando o pai foi impedido pela Justiça do Rio de visitar o filho, de oito anos, a quem não via desde que partira dos EUA com a mãe.

Em 27 de setembro, outra nota pequena informava que a Advocacia Geral da União ajuizara ação na Justiça Federal do Rio para pedir que o garoto fosse devolvido ao pai. Depois, silêncio na Folha.

Em novembro, a revista ‘Piauí’ abriu tudo: nomes reais dos personagens, fotos de vários deles, detalhes. E revelou que o caso havia se tornado um sucesso na grande mídia americana e na internet e podia ganhar dimensões de Estado, já que o governador de Nova Jersey, senadores e o embaixador americano em Brasília se mobilizaram em favor do pai.

A Folha, no entanto, não voltou mais ao tema, exceto por uma curtíssima nota em 12 de fevereiro que informava que o Superior Tribunal de Justiça decidira que o caso passaria a ser julgado pela Justiça federal.

Nas últimas semanas, circularam informações por diversos meios de que o presidente Lula seria alvo de protestos devido ao caso em sua visita a Washington na semana que vem e de que o presidente Obama o interpelaria sobre ele.

Nesta quinta, após a secretária de Estado Hillary Clinton pronunciar-se publicamente a respeito, o jornal afinal retomou o assunto com destaque e com os nomes reais dos personagens da notícia.

Na sexta, depois de o pai do garoto ter aparecido no programa de Larry King, na CNN, o jornal publicou entrevista com seu advogado.

Perguntei à Secretaria de Redação por que, após ter dado um furo, o jornal o abandonara, apesar de saber do interesse que ele despertava. A resposta foi: ‘Há uma decisão da Justiça do Rio, do final de setembro, que proíbe a Folha de se referir aos fatos contidos no processo da Justiça estadual, que corre em sigilo. A Folha recorre’.

Ao jornal, como a todos, cabe cumprir decisões da Justiça, embora possa (e deva), em circunstâncias excepcionais (não me parece que este caso se encaixe no conceito) praticar desobediência civil.

Este relato é apenas um exemplo de como a Justiça tem sido com frequência no Brasil recente um instrumento de cerceamento da liberdade de expressão e de imprensa.

São diversos os episódios em que instâncias judiciárias impõem censura prévia, apreendem edições, retiram sites do ar, coagem jornalistas por razões muitas vezes casuísticas, de interesse pessoal dos magistrados ou totalmente absurdas.’

***

‘Sobra espaço para Ronaldo; falta para o resto em Esporte’, copyright Folha de S. Paulo, 8/3/09.

‘Ronaldo , ‘o fenômeno’, é um dos melhores jogadores de futebol da história, o maior artilheiro em Copas do Mundo. É justificável que os veículos de comunicação acompanhem seus passos, pelo interesse que desperta em milhões de pessoas.

Mas desde que foi contratado pelo Corinthians, a Folha tem demonstrado obsessão por ele que às vezes parece pueril, outras patológica.

Nos 84 dias entre o de sua contratação e anteontem, o jornal publicou 70 fotos de Ronaldo. Treinando, brincando, assistindo jogo, cortando cabelo, de frente, de costas, de lado.

Em muitas, a intenção de ressaltar seu sobrepeso era evidente. Referências à sua condição física são frequentes, nem sempre de bom gosto, com expressões como ‘reforço de peso’ e ‘volta redonda’.

Essa fixação já havia passado dos limites em 6 de julho, quando foram editadas lado a lado foto de um transexual ‘grávido’ e de Ronaldo com a barriga de fora.

O mais grave é que esse monte de espaço é gasto enquanto o caderno Esporte é cobrado por centenas de leitores que se queixam de mau atendimento de suas expectativas na cobertura de seus times de futebol (como a Portuguesa e os grandes de outros Estados) e de outras modalidades esportivas.

A resposta dos editores de que lhes faltam espaço, recursos e gente para cobrir tudo simplesmente não cola diante do desperdício com Ronaldo.’

***

‘Para ler’, copyright Folha de S. Paulo, 8/3/09.

‘Pai e Filho’, de Tony Parsons, tradução de Pedro Jorgensen Junior, Sextante, 2002 (a partir de R$ 24,43) – relato autobiográfico do autor, jornalista, que após se divorciar ganhou a guarda do filho, com quem passou a viver sozinho

PARA VER

‘Kramer vs. Kramer’, de Robert Benton, com Dustin Hoffman e Meryl Streep, 1979 (a partir de R$ 19,90) – história de casal que se divorcia, decide inicialmente que seu filho único ficaria com o pai e depois disputa sua guarda na Justiça

 

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS DA SEMANA

1. Editorial que menciona ditadura

2. Assuntos de futebol

3. Crise econômica

ONDE A FOLHA FOI BEM…

PAPEL DOS AVÓS

Coluna em Equilíbrio levanta discussão importante sobre os novos papéis que os avós passam a desempenhar na família e suas possíveis consequências

…E ONDE FOI MAL

PAINEL DO LEITOR

Para reproduzir com mais fidelidade a reação de leitores que comentaram o editorial de 17 de fevereiro com menção à ditadura brasileira, a seção deveria ter publicado mais cartas sobre ele do que publicou

TENDÊNCIAS/DEBATES

Para garantir indispensável equilíbrio, depois de ter publicado na quinta artigo que defende a tese de que a ditadura brasileira foi menos repressiva do que a de países vizinhos, o mesmo espaço deveria ter sido oferecido no dia seguinte a quem pense de maneira oposta

PACOTE CHINÊS

A mídia toda, a Folha inclusive, noticiou um pacote de estímulo à economia chinesa, que afinal não existia em novo caso de credulidade excessiva diante de uma só fonte

PRÓ-MEMÓRIA

Caso a ser retomado

Em março de 2008, a Folha reportou que 34 mil pessoas dependentes do SUS estavam em fila de espera para radioterapia por, entre outros motivos, falta de aparelhos. Qual é a situação agora?’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem