Carlos Eduardo Lins da Silva | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

MONITOR DA IMPRENSA > FOLHA DE S. PAULO

Carlos Eduardo Lins da Silva

24/11/2009 na edição 565

‘O aquecimento global é uma das mais sérias questões da agenda mundial. um dos capítulos do livro recomendado ao final resume bem as razões; algumas das consequências já observáveis estão no filme indicado.

O jornalismo tem obrigação de cobrir com rigor, isenção, destaque e prioridade o debate em torno do assunto. A Folha a vem cumprindo com louvor, às vésperas da cúpula de Copenhague no início de dezembro.

Esta semana, no entanto, parece ter dado pequena derrapada ao tentar extrair conclusões definitivas rapidamente demais de comunicado conjunto dos países banhados pelo Pacífico (EUA e China entre eles), ao final do encontro da APEC no domingo, no qual declaravam sua intenção de não definir no mês que vem metas fixas e obrigatórias de corte de emissões de gases causadores do efeito estufa.

A obsessão em apontar ‘fiascos’ alheios se manifestou novamente na segunda-feira quando a palavra foi usada na primeira página para definir desde já o resultado de Copenhague. Pode ser que a reunião acabe mesmo em fiasco. Mas é cedo para decretar o resultado.

Tanto que, na quarta, sem o mesmo alarde e nenhum radicalismo (nem chamada de capa), o jornal noticiou que os presidentes Barack Obama e Hu Jintao anunciaram aceitar estipular metas em Copenhague.

A aparente contradição pode muito bem ser apenas resultado do exercício rotineiro de táticas de diplomacia, que podem incluir declarações públicas com conteúdo diverso (às vezes oposto) ao das posições de fato dos governos, a fim de sentir a reação das demais partes e da opinião pública.

Jornalismo e ciência têm tempos diferentes entre si e este sempre foi o principal problema para quem exerce essa especialização da atividade. O jornalismo anseia por conclusões finais rápidas; a ciência requer prazos longos para testar e validar hipóteses.

Esses tempos raramente sincrônicos têm que se ajustar agora também aos da diplomacia, da política e da economia, que tampouco costumam ser simultâneos entre si. Conectar os cinco relógios é tarefa dificílima.

Como se já não o fosse explicar no espaço reduzido do jornal a enorme complexidade e muitas controvérsias em torno do aquecimento global. Por exemplo, o fato de que o aumento gradativo das temperaturas no planeta não deve ser medido pela sua evolução anual, mas sim de pelo menos décadas, e talvez de meio século ou séculos.

A Folha vem usando pouco os recursos da internet, que podem levar leitores a recursos didáticos muito mais adequados à compreensão desses problemas do que a página impressa, onde deveriam constar remissões para sites confiáveis com elementos audiovisuais e de multimídia eficazes.

Se isso não for feito bem e depressa, corre-se o risco de a opinião pública se desinteressar do assunto e deixar de colocar pressão sobre os governantes, como já vem ocorrendo nos EUA. O resultado pode ser trágico.

PARA LER

‘O Mito do Progresso’, de Gilberto Dupas, Editora Unesp, 2006 (a partir de R$ 29,23)

PARA VER

‘Aventuras no Novo Ártico’, de Adam Ravetch, Sarah Robertson, 2007 (no canal de TV paga Telecine HD, dia 19/12, às 10h40; à venda por R$ 19,90)’

***

‘O que aconteceu com Honduras?’, copyright Folha de S. Paulo, 22/11/09

‘Em 31 de outubro, o jornal deu acertadamente como manchete notícia sobre acordo a que haviam chegado, sob os auspícios dos Estados Unidos, os grupos que disputam o poder em Honduras. Textos de análise destacaram a ainda enorme influência americana sobre o hemisfério, como outros atores haviam sido incapazes de resolver o conflito etc.

O problema é que o acordo não foi cumprido e o leitor continuava, ao menos até ontem, à espera de algum tipo de explicação sobre por que as coisas se desdobraram assim e por que os EUA, fiadores do entendimento, não se mostram animados a forçar o seu cumprimento.

Para Washington, o acordo era para valer ou só uma forma de ganhar tempo e salvar aparências? Dissidências no Congresso americano se tornaram tão fortes que o governo teve de recuar? Algum fato novo ocorreu e fez com que a estratégia dos EUA fosse alterada? Micheletti levou Obama na conversa? Obama se encheu de Zelaya e resolveu deixá-lo no sereno? Honduras é tão desimportante que se esqueceram dela em Washington?’

***

‘Onde a Folha foi bem’, copyright Folha de S. Paulo, 22/11/09

‘ONDE A FOLHA FOI BEM…

DINHEIRO

Caderno econômico de domingo passado traz em todas as páginas material útil e relevante

HORAS NO ESCURO

Criativa e inteligente iniciativa do jornal de pedir a jovens escritores para escreverem contos sobre a experiência do apagão

IPTU

Manchete de terça confirma informação exclusiva publicada em outubro

…E ONDE FOI MAL

FICHA SUJA

Jornal tem feito cobertura acanhada do projeto de iniciativa popular para proibir a candidatura a cargos públicos de pessoa com ‘ficha suja’

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS DA SEMANA

1. Artigo sobre hábito de comer cães

2. Artigo sobre regulamentação da medicina

3. Acidente no Rodoanel

PRÓ-MEMÓRIA

Faz quatro anos que o ‘sim’ venceu no referendo sobre o desarmamento. Quais foram os efeitos daquele resultado no panorama da violência no Brasil? (Sugestão do leitor Everaldo Vilela)’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem