Domingo, 26 de Abril de 2015
ISSN 1519-7670 - Ano 18 - nº 847

MONITOR DA IMPRENSA > TV NOS EUA

CNN acusada de falha em apuração

28/09/2004 na edição 296

O sítio da Internet Fairness & Accuracy In Reporting (FAIR-L), organização de análise e crítica de mídia, publicou uma matéria afirmando que o jornalista Lou Dobbs, da CNN, errou ao criticar em seu programa, Lou Dobbs Tonight, declarações feitas pelo secretário-geral da Onu, Kofi Annan, sem antes apurar devidamente o que foi dito. Em uma entrevista à BBC em 15/9, Annan afirmou que a invasão americana ao Iraque foi ilegal e não estava de acordo com o Conselho de Segurança da ONU nem com a Carta das Nações Unidas. A declaração desagradou Dobbs, que se declarou escandalizado e com raiva por conta do que chamou de ‘outra bomba inacreditável de Kofi Annan’.

A FAIR-L referiu-se aos programas de 16/9 e 19/9 onde Dobbs noticiou que ‘os aliados dos EUA – Inglaterra e Austrália – imediatamente rejeitaram a afirmação de Annan. O presidente dos EUA não se arrepende de ter ordenado a invasão’. A correspondente da CNN Kitty Pilgrim entrevistou para o programa o presidente do Middle East Institute (um instituto de informações sobre o Oriente Médio), Edward Walker, que disse: ‘eu não entendo muito bem o que ele quer dizer com ilegal’.

Para a FAIR-L, no entanto, Dobbs e seus repórteres da CNN deixaram de buscar a aspecto mais importante da história: estaria Annan correto? Segundo a crítica do sítio, Dobbs não se preocupou em ouvir especialistas em direito internacional que falassem sobre o assunto. Nesse caso, a maior questão da reportagem seria se o conteúdo dos comentários de Annan foi bem apurado pela CNN.

Colocando o dedo na ferida, a própria FAIR-L foi mais além e apresentou apurações que confirmavam a exatidão dos comentários de Annan. O sítio reproduziu notícias de jornais como o Washington Times, de 12/3/03, que afirmavam que especialistas em direito internacional encontravam-se divididos sobre a legalidade da guerra, com muitos dizendo que o Conselho de Segurança não autorizou o uso da força. E também citou o Los Angeles Times, que incluiu, em 18/3/03, comentários de vários especialistas que disseram pensar que a guerra violava a lei internacional. Além disso, o sítio apresentou dois artigos da Carta das Nações Unidas onde se determina os fatores que tornam legais uma guerra, ou invasão, trabalho que deveria ter sido feito e apresentado por Dobbs em seu programa. Informações da Fairness & Accuracy In Reporting [21/9/04].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem