Domingo, 27 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

MONITOR DA IMPRENSA > TV CULTURA

Cultura de salão

Por Fernando de Barros e Silva em 31/08/2010 na edição 605

Estreia hoje [segunda, 30/8] à noite o novo Roda Viva, apresentado por Marília ‘Gabi’ Gabriela. Como você, também não vi. As objeções, aqui, não se referem à perfomance, mas a princípios. Importa menos saber se a multiapresentadora está sóbria ou descolada, cool ou afetada. A questão é anterior.

‘Eu sou Marília Gabriela, jornalista. Acredito no Brasil como a Vivo acredita’. Até outro dia, a campanha estava no ar. Gabriela empresta (ou vende) seu prestígio, e o associa à condição de jornalista, para promover a empresa de telefonia. A mesma Gabriela empresta seu talento para comandar aquele que foi (não é mais, já faz tempo) o principal programa de debate e política na principal emissora pública do país (talvez não seja mais).

Você não vê William Bonner e Fátima Bernardes vendendo lançamentos imobillários nos jornais ou margarina na TV. Já Faustão, que não é mais jornalista, mas animador das massas, faz de seu programa um camelódromo. A Globo, no entanto, é uma emissora privada.

Fidalgos decadentes

Qual o modelo de Marília Gabriela? E quais, sobretudo, são os parâmetros da ‘nova’ TV Cultura?

João Sayad é uma figura ilustre da sociedade civil progressista, um banqueiro – intelectual de extração tucano-petista, com bons serviços prestados para ambos os lados.

Estranha foi a maneira com que ele chegou à presidência da TV Cultura, desalojando Paulo Markun, de quem foi chefe, numa espécie de golpe palaciano. Mais estranhos, porém, são os rumos da emissora, que parece associar vícios estatais e tentações mercadistas, em prejuízo do que é propriamente público.

A pergunta ‘para que serve a Cultura’ deve se desdobrar, à maneira nietzscheana, em outra: a quem serve a TV Cultura? Acumulam-se evidências de que ela tenha se tornado uma confraria do tucanato, um tipo de sinecura ou abrigo para fidalgos decadentes. Não será contratando a Tina Turner do jornalismo local para afetar um ar modernoso que a Cultura vai recobrar prestígio ou relevância pública.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem