Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

MONITOR DA IMPRENSA > JORNALISMO EM CRISE

Diários procuram parcerias para compensar cortes

09/01/2009 na edição 519

Há uma década, os jornais Dallas Morning News e Fort Worth Star-Telegram disputavam acirradamente os leitores na crescente cidade de Arlington, no Texas, gastando milhões de dólares para ampliar suas equipes e expandir a cobertura. Por isso, veio com surpresa a notícia, no fim do ano passado, de que os dois diários começariam a compartilhar fotos e críticas musicais.


O caso, entretanto, não é isolado. Outros jornais americanos, na tentativa de compensar o corte de funcionários e o fechamento de sucursais, passaram a unir forças com antigos rivais. ‘Com os leitores e os anunciantes migrando para a internet e a economia cambaleante, as organizações de notícias estão redefinindo o significado de ‘competição’’, afirma Anick Jesdanun, da Associated Press [4/1/09].


Nos últimos meses, os três maiores jornais do Sul da Flórida fecharam parceria. Cinco publicações no Maine e oito em Ohio passaram a compartilhar os processos de apuração e produção. As emissoras Fox e NBC planejam dividir vídeos, e o Washington Post e o Sun, de Baltimore, anunciaram o início de um plano de ‘colaboração’ sobre a cobertura da região de Maryland.


Esforço conjunto


‘Seria uma situação ideal, em um mundo perfeito, ter quatro ou cinco jornais diários cobrindo, cada um, as mesmas audiências públicas, e então comparando as matérias e provavelmente descobrindo coisas novas em cada uma delas’, diz Mark Woodward, editor-executivo do Bangor Daily News, um dos jornais que se uniram no Maine. Como a situação não é ideal e o mundo não é perfeito, a cooperação entre os veículos de comunicação, em um momento de crise, ‘é uma concessão necessária para conservar os recursos e continuar a servir ao público’, lembra Woodward.


Muitas das parcerias entre os jornais envolvem a cobertura de eventos de rotina, como coletivas de imprensa, e outros temas combinados a priori. As publicações dão os devidos créditos pelas informações usadas e não há troca de dinheiro. Em alguns casos, o acordo se restringe à cobertura online e os jornais concordam, informalmente, em não publicar determinados textos dos outros.


‘Há uma década, o mundo era diferente’, afirma Gary Wortel, publisher do Fort Worth. ‘Não nos vejo mais como concorrentes. Nossa competição, hoje, é com a fragmentação midiática no resto do país e internacionalmente’. Para Rex Rhoades, editor-executivo do Sun Journal, do Maine, o compartilhamento de informações e recursos é apenas mais um esforço para a sobrevivência dos jornais. ‘Os jornais enfrentam muitas ameaças de todos os lados. Isso não vai resolver todas elas. Mas tentamos fazer algo onde podemos ter alguma pequena diferença’.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem