Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

MONITOR DA IMPRENSA > CASO FAREED ZAKARIA

Em volta a programa de TV, jornalista explica plágio

28/08/2012 na edição 709
Tradução e edição: Leticia Nunes

Na volta a seu programa na CNN, no domingo (26/8), Fareed Zakaria desculpou-se pelo caso de plágio que o levou a ser suspenso da emissora por uma semana.

“Como alguns de vocês sabem, duas semanas atrás eu escrevi uma coluna na revista Time e não citei um ensaio de Jill Lepore na New Yorker de onde eu me inspirei.

Eu não estava tentando passar o trabalho como meu. Eu citei o livro Gunfight, de Adam Winkler, que continha todos os dados históricos sobre os quais Lepore e eu escrevemos, mas eu deveria ter citado também o ensaio da New Yorker.

Foi um erro, mas um erro de verdade e eu peço desculpas. A Time e a CNN conduziram investigações exaustivas examinando mais de 50 páginas de pesquisa para aquela coluna, assim como anos de comentários meus, e não encontraram nada que justificasse a tomada de mais ações.

A Time afirmou que estava satisfeita e que se tratava de um erro intencional* e isolado. Da minha parte, só quero dizer novamente o quanto eu sinto pelo ocorrido.”

[*Pela transcriçãodo site da CNN, o jornalista diz que seu erro foi “intencional”. Seria mais um erro?]

Zakaria, que, além de trabalhar para CNN e Time, ainda tem uma coluna no Washington Post e escreve livros, é um respeitado analista de política internacional nos EUA. Em entrevista ao New York Times, o jornalista afirmou que confundiu as anotações sobre o ensaio da historiadora Jill Lepore com anotações sobre o livro Gunfight.

Muito ao mesmo tempo

O caso levou a uma discussão sobre a exaustão das chamadas estrelas do jornalismo, que são tão requisitadas a produzir conteúdo inteligente e relevante o tempo inteiro para diferentes veículos que podem chegar a um ponto de esgotamento. Antes do incidente com Zakaria, outro caso supreendeu o mundo jornalístico. Primeiro, descobriu-se que o jornalista Jonah Lehrer havia copiado trechos de artigos antigos (de sua autoria) em sua coluna no site da New Yorker. A revista perdoou o autoplágio, mas Lehrer acabou pedindo demissão quando veio à tona que ele havia inventado citações do cantor Bob Dylan em seu último livro, Imagine, sobre como funciona o processo criativo.

Junto a colunas, programas de TV e livros, as estrelas do jornalismo também têm suas agendas lotadas com palestras e discursos em universidades. Zakaria diz que desde o ano passado tem um assistente de pesquisa para ajudá-lo, mas que escreve seus próprios textos. O jornalista decidiu sair, na semana passada, do conselho de Yale. Em uma carta ao presidente da Universidade, disse que estava reexaminando sua vida profissional e havia reconhecido que, para focar no essencial de seu trabalho, deveria deixar algumas de suas outras responsabilidades. Ele lembrou que chegou a Yale em 1982 como um estudante vindo da Índia, e imediatamente se apaixonou pela Universidade, mas que, agora, era a atividade que lhe consumia mais tempo e energia fora do trabalho nos veículos de comunicação. Com informações de Andrew Beaujon [Poynter, 21/8/12].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem