Sábado, 16 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

MONITOR DA IMPRENSA > FUSÕES E AQUISIÇÕES

Ex-espião russo comprará Evening Standard

22/01/2009 na edição 521

Aleksandr Y. Lebedev, proprietário de um dos maiores bancos da Rússia e ex-agente da KGB em Londres antes do colapso da União Soviética, volta agora à cidade para se tornar dono de jornal. Esta semana, Lebedev anunciou que comprará 75% das ações do Evening Standard, jornal vespertino lido pela elite política londrina. A porcentagem restante permanecerá com o Daily Mail&General Trust. A venda do diário deu-se após forte concorrência com os gratuitos distribuídos pela cidade. O Standard tem tiragem de 280 mil cópias diárias e prejuízos anuais estimados em mais de US$ 22 milhões. Especula-se que ele tenha sido vendido por um ‘valor simbólico’.


Elite russa


O russo não será o primeiro estrangeiro a adquirir um veículo de comunicação britânico – dentre alguns exemplos estão o australiano Rupert Murdoch e o canadense Conrad Black. A questão, no entanto, está no fato de Lebedev ser mais um membro da elite bilionária russa a adquirir bens no país. A lista é longa, composta por alguns dos homens mais ricos da Rússia, como Roman Abramovich, dono do time de futebol Chelsea, ou ainda dissidentes anti-Kremlin, como Boris Berezovsky – cujo ex-aliado, Alexander Litvinenko, ex-agente da KGB, morreu envenenado em Londres, em 2006. Segundo a embaixada da Rússia, mais de 300 mil russos moraram na cidade em 2008, incluindo milionários e bilionários atraídos por leis de tributação favoráveis. No ano passado, Lebedev foi listado pela Forbes como o 358º homem mais rico do mundo.


Na opinião de Roy Greenslade, que escreve uma coluna sobre mídia no Evening Standard e no blog do Guardian, há ainda mais por trás desta compra: o fato de Lebedev ser o primeiro ex-espião soviético a ser dono de um grande jornal britânico ‘dá uma dimensão diferente ao caso’. ‘O que temos que nos perguntar é ‘por que esta pessoa está comprando este jornal?’’, indaga. ‘Há cinco razões para se ter um jornal: lucro, propaganda, influência política, prestígio e serviço público. Não há lucro no Standard, então é preciso considerar os outros motivos’.


Pró-democracia


Na Rússia, Lebedev também investe no ramo jornalístico. Junto com o ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev, ele é o maior acionista do Novaya Gazeta, jornal conhecido por ser pró-democracia e independente e no qual trabalhou a repórter investigativa Anna Politkovskaya, assassinada em Moscou em 2006. O ex-espião tem reputação de ser contrário à corrupção e de ter intenções de fortalecer instituições democráticas – mesmo tendo feito parte da KGB no passado.


Em declaração, ele prometeu garantir a independência editorial do Standard. ‘Somos fortes defensores de uma mídia livre e independente e admiramos imensamente que o Standard tenha se tornado uma publicação icônica conhecida por seu bom jornalismo’, afirmou. As negociações devem se efetivar em fevereiro. Informações de Alan Cowell e Eric Pfanner [New York Times, 22/1/09] e de Jill Lawless [AP, 22/1/09].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem