Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1034
Menu

ENTRE ASPAS >

Governo quer criar lista negra para jornalistas

Por Leticia Nunes (edição), com Larriza Thurler em 17/02/2009 na edição 525

O governo chinês planeja lançar mais um método para controlar a mídia local: uma lista negra de jornalistas que violam as regras de publicação oficiais. A agência que controla a mídia estatal planeja ‘estabelecer um banco de dados de profissionais da imprensa com histórico ruim’. ‘Repórteres que quebrarem as normas terão seus nomes inseridos na lista e não poderão escrever nem editar’, afirmou Li Dongdong, vice-diretor da Administração Geral de Imprensa e Publicações.

A mídia estatal chinesa já é rigorosamente controlada e freqüentemente censurada. Durante os Jogos Olímpicos em agosto do ano passado, em Pequim, o governo abrandou algumas regras, mas, desde então, retrocedeu. Temas considerados sensíveis são, em geral, ignorados, e alguns jornalistas chineses já foram presos por publicar denúncias de corrupção no setor privado ou no governo. As medidas não se aplicam a jornalistas estrangeiros, que são regulamentados pelo Ministério das Relações Exteriores. Cidadãos chineses são proibidos de trabalhar como jornalistas para organizações de mídia estrangeiras.

Segundo Dongdong, as medidas são necessárias para evitar ‘reportagens falsas’. No passado, repórteres também já pediram dinheiro para não publicar notícias negativas, como acidentes em minas de carvão, e freqüentemente aceitam publicidade em troca de cobertura positiva.

Justificativas de fachada

Para Vincent Brossel, da organização Repórteres Sem Fronteiras, os subornos e as matérias falsas realmente existem, mas a questão maior na mídia chinesa é a censura. ‘Quando o governo diz que está tomando ações para evitar notícias falsas, jornalistas independentes e reportagens críticas também estão sendo censurados’, opinou.

Especula-se que o governo esteja sendo mais rigoroso este ano por conta de diversas datas comemorativas, como os 50 anos da revolta tibetana contra a ocupação chinesa e os 20 anos dos protestos na Praça da Paz Celestial. O Clube de Correspondentes Internacionais da China informou que, desde o começo de 2007, houve mais de 335 casos de violência, detenção e outras ameaças a repórteres no país. Informações de Tini Tran [AP, 13/2/09].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem