Domingo, 16 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

ENTRE ASPAS >

Inteligência critica mídia por cobertura de terrorismo

03/11/2009 na edição 562

Richard Fadden, novo presidente do Serviço de Inteligência de Segurança do Canadá (CSIS, sigla em inglês), estreou no cargo com críticas à mídia. Em seu primeiro discurso, ele acusou jornalistas e defensores de direitos humanos de frequentemente mostrar suspeitos de atos terroristas como ‘heróis folclóricos’ e de minimizar os riscos impostos à sociedade pelo terrorismo.

Fadden ressaltou ainda que o Canadá tem um ‘sério buraco negro’ no que se refere ao combate ao terror e citou em especial a cobertura ‘extremamente otimista’ sobre o Toronto 18, grupo de jovens acusado de planejar ataques inspirados na al-Qaeda. ‘Terrorismo é um crime sério. Por que então os acusados geralmente são mostrados na mídia como heróis folclóricos? Por que eles são sempre fotografados com seus filhos e descritos de modo terno? E por que não são questionados quando acusam o CSIS ou outras agências de abusar deles?’, disparou.

Outro lado

O CSIS e a Real Polícia Montada do Canadá (RCMP, sigla em inglês) estiveram envolvidos em uma série de casos antiterrorismo nos últimos anos – e, em alguns, receberam muitas críticas. No mais conhecido, uma investigação revelou que a RCMP forneceu uma informação à polícia americana – de que o engenheiro de software Maher Arar tinha ligações com extremistas – mais tarde revelada como falsa. Por conta disso, os EUA o deportaram para a Síria em 2002, onde ele alega ter sido torturado. Em 2007, o governo canadense pediu desculpas formais a Arar e o indenizou em US$ 9,8 milhões. A cobertura do caso pela mídia canadense foi dura, mostrando a RCMP como incompetente.

Kerry Pither, defensora de direitos humanos que fez campanha a favor de Arar, disse que as acusações de Fadden foram ‘inapropriadas e excessivas’. Ela afirmou ainda que duas investigações mostraram que a CSIS fez ‘alegações imprecisas e injustificadas de ligações com o terrorismo’. Em 2008, um inquérito concluiu que os serviços de segurança do Canadá contribuíram indiretamente com a tortura, na Síria, de três árabes canadenses suspeitos de envolvimento em atividades terroristas. Os três disseram que as perguntas que fizeram a eles na cadeia só poderiam ter sido elaboradas pela CSIS. Informações de David Ljunggren [Reuters, 29/10/09].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem