Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

MONITOR DA IMPRENSA > NO IRÃ

Jornal fechado por demonstrar apoio ao ‘Charlie Hebdo’

Por lgarcia em 22/01/2015 na edição 834

Tradução: Fernanda Lizardo, edição de Leticia Nunes. Com informações de Saeed Kamali Dehghan [“Iranian newspaper shut down for showing solidarity with Charlie Hebdo”, The Guardian, 19/1/15] e de Jordan Chariton [“Iranian Paper Shut Down for Publishing George Clooney ‘Je Suis Charlie’ Photo”, The Wrap, 19/1/15]

Autoridades iranianas suspenderam a licença e encerraram as atividades do jornal reformista Mardom-e-Emrooz depois que o veículo publicou uma foto do ator americano George Clooney juntamente à manchete “Eu também sou Charlie”. O jornal estava em seu primeiro mês de atividade.

O encerramento da publicação ocorreu após queixas de uma série de meios de comunicação conservadores do Irã, incluindo o jornal diário Kayhan. Membros do Parlamento chegaram a ameaçar impugnar o ministro da Cultura, Ali Jannati, caso nenhuma ação fosse tomada (em geral, os cães de guarda da imprensa no Irã operam sob a chancela do chamado Ministério da Cultura e Orientação Islâmica).

Batalha pela liberdade de imprensa

A agência de notícias estatal IRNA confirmou que o encerramento do jornal se deveu à publicação da manchete, bem como à foto de Clooney usando um broche com os dizeres “Je Suis Charlie” (“Eu sou Charlie”).

Este não foi o primeiro caso de repressão à imprensa local ligado ao atentado sofrido pela equipe do semanário francês Charlie Hebdo. Jornalistas iranianos que expuseram o desejo de demonstrar solidariedade para com as vítimas do ataque em Paris foram proibidos de realizar comícios em Teerã.

Muito embora o governo iraniano tenha estado dentre aqueles que condenaram veementemente o ataque que resultou na morte de jornalistas e cartunistas do Hebdo, as autoridades do país também criticaram as charges que ridicularizavam o profeta Maomé. A capa do Hebdo subsequente ao atentado – a qual mostrava Maomé chorando e segurando uma placa que dizia “Je Suis Charlie” – foi considerada provocativa e um insulto ao Islã.

O site de notícias IranWire disse que a interrupção das atividades do Mardom-e-Emrooz simplesmente realça a batalha interna do Irã pela liberdade de expressão. “O fechamento também aponta para um problema mais amplo: o fracasso [do presidente Hassan] Rouhani na expansão da liberdade de imprensa do Irã de forma mais geral. O movimento revela enormes divisões dentro da paisagem política do Irã”, afirmou o site. “O encerramento do Mardom-e-Emrooz é um lembrete de quão amarga será esta batalha e ilustra o poder dos extremistas radicais”.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem