Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

MONITOR DA IMPRENSA > UOL

Justiça pela via jornalística

Por Ricardo de Barros Bonchristiani Ferreira em 22/03/2011 na edição 634

Um distúrbio de opinião. É assim que pode ser classificado um texto publicado pelo jornalista Maurício Stycer, crítico do UOL, abordando o que ele chamou de ‘jornalismo justiceiro’. Na maior parte das vezes, Stycer segue as pegadas do profeta Isaías: ‘Voz do que clama do deserto’, no que se refere à TV brasileira. Ele representa um olhar diferenciado sobre a produção cultural eletrônica e destoa um pouco da ‘babaovice’ de celebridades e besteiróis apelativos que essa mídia, em nosso país, produz.

Mas, apesar de sua costumeira lucidez, acabou manifestando um sentimento rabugento, retrógrado e, talvez, com uma ponta de inveja ao falar da reestreia do CQC, da Band, dia 14/3. A profundidade de suas críticas foi tão nula que ficou explícita a intenção de falar mal por falar mal. O cidadão escreveu, neste mesmo site: ‘Acho espantoso ver repórteres como Danilo Gentili, do CQC, da Band, considerarem que os entrevistados têm obrigação de falar com a mídia no exato momento em que eles desejam.’ Argumento insignificante. Como se os vereadores, deputados, senadores ou quem quer que seja não falassem com eles porque, de fato, estão atrasados ou cheios de compromissos importantes. Coitadinhos, não é mesmo? Tanta coisa para resolver e ter que gastar 60 segundos com uma entrevista para a TV… Ora bolas, eles não falam porque ficam constrangidos, não sabem e não gostam de explicar desvios e corrupções na cara lavada; preferem um ambiente isolado da mídia e por meio de advogados.

Stycer estava inspirado e seguiu reclamando, dessa vez do repórter Elcio Coronato, do Legendários, da Record: ‘No primeiro programa de 2011, ele quis mostrar, em um shopping de São Paulo, que motoristas desrespeitam a reserva de vagas para idosos. Para isso, impediu, com seu próprio carro, que veículos burlando a lei deixassem o local. Dessa forma, obrigou os motoristas a ouvirem seu sermão sobre aquilo que haviam feito.’ Impressão minha ou isso é exatamente o que todo mundo tem vontade de fazer numa situação dessas? O repórter estava lavando a alma de todo mundo ao deixar bem claro ao autor do erro, e diante de todo mundo, que é sacanagem parar na vaga se você não é idoso. O fato de um programa de TV estar fazendo isso, não sendo sua função primária, só mostra que absolutamente nenhuma autoridade o faz. Quem sabe, mostrando em rede nacional, o folgado da vaga aprenda alguma coisa. Mas não na opinião do Stycer, que acha isso erradinho.

Vida longa ao ‘jornalismo justiceiro’

Não satisfeito, nosso paladino da democracia, moral e dos bons costumes reclamou de outro quadro do Legendários em relação aos cones em lugares proibidos nas calçadas, e justificou assim: ‘O `jornalismo justiceiro´ é primo de outras formas de `fazer justiça com as próprias mãos´. Mais que autoritário, revela o desconhecimento das regras sociais numa sociedade democrática. O desrespeito à lei não pode justificar outros desrespeitos. Jornalista não é polícia ou juiz.’

Para ele, se é pra mostrar a ignorância alheia, reclamar do cone fora do lugar, ou do folgado na vaga de idosos, o certo é ir à ouvidoria, marcar uma audiência com quem quer que seja, aguardar 30 dias, ligar para o SAC, mandar um e-mailzinho etc. Uma coisa bem pacífica, democrática e, no mais das vezes, totalmente inútil. Para ele, os corruptos de Brasília podem e devem ficar ausentes e ignorar o contato com a mídia, devem mesmo fugir de perguntas que expõem seus desvios de caráter, exercendo a ‘democracia’ para eles mesmos.

Stycer acha que esses programas devem fingir que estamos na Noruega, no Canadá, onde tudo funciona conforme deve funcionar, e precisamos respeitar as autoridades que não nos respeita, agir como se estivéssemos na ilha de Utopia. Fazer justiça com as próprias mãos não é uma atitude condenável em 100% das vezes, mas sim, é algo que deve ser analisado em seu contexto. Se o povo não tivesse feito essa justiça, não teria havido Revolução Francesa, por exemplo. O papel de programas como CQC e Legendários é alertar a população que ela tem direitos e deve, sim, espernear para que sejam cumpridos, em todos os âmbitos, já que as corregedorias que existem por aí não corrigem absolutamente nada. Vida longa ao ‘jornalismo justiceiro’ e um pouco de colírio nos olhos do Stycer.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem