Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1059
Menu

DOSSIê MURDOCH - PARTE 2 >

Luz vermelha para a imprensa marrom

Por Vilson Antonio Romero em 25/07/2011 na edição 652

A imprensa mundial acompanha, um tanto quanto perplexa, os diversos capítulos do escândalo que afeta a gigante de mídia News Corporation, do magnata australiano Rupert Murdoch. A denúncia de supostos grampos telefônicos do tabloide britânico News of the World se avolumou ao atingir a polícia local e respingar no governo, além de render centenas de ações judiciais de cidadãos comuns e personalidades. Já repercute, inclusive, no braço norte-americano da rede, onde estão potências da mídia como The Wall Street Journal, a rede de TV Fox e o estúdio de cinema 20th Century Fox.

Além do fechamento do News, do “sentimos muito” (we are sorry), publicado com letras garrafais por Murdoch nos principais jornais da Grã-Bretanha e afora todas as intercorrências jurídicas, policiais e comerciais, o que deve servir de reflexão é o efetivo papel das chamadas penny press ou yellow press. A expressão americana yellow press (“jornalismo amarelo”) surgiu no final do século 19 num episódio da concorrência entre os jornais New York World e The New York Journal. Eles se digladiavam para ter em suas páginas as aventuras de Yellow Kid, a primeira tira em quadrinhos da história. A disputa nos bastidores foi tão pesada que o amarelo do cobiçado personagem acabou virando sinônimo de publicações sem escrúpulos.

Em terras tupiniquins, a yellow press virou “imprensa marrom” em 1959, quando a redação do jornal carioca Diário da Noite recebeu a informação de que uma revista chamada Escândalo extorquia dinheiro de pessoas fotografadas em situações comprometedoras. Conta a história que o jornalista Alberto Dines, hoje editor do programa de TV Observatório da Imprensa, preparava, para a manchete do dia seguinte, algo como “Imprensa amarela leva cineasta ao suicídio”. O chefe de reportagem, Calazans Fernandes, achou o amarelo uma cor amena demais para o caráter trágico da notícia e sugeriu trocá-la por marrom.

Busca pelo público

Os teóricos, como Rosa Pedroso, enquadram a “imprensa marrom” como aquela em que há “valorização da emoção em detrimento da informação; exploração do extraordinário e do vulgar, de forma espetacular e desproporcional”. Continua, conceituando como uma “produção discursiva sempre trágica, erótica, violenta, ridícula, insólita, grotesca ou fantástica”. Mas isto, como diz Pierre Bourdieu, só existe graças ao polo econômico da já citada penny press, da imprensa como mercadoria ou produto.

A busca por prender a atenção do público a qualquer custo, sintomática em todas as plataformas disponíveis – jornal, revista, rádio, televisão e internet – para difundir a informação, coloca em risco a credibilidade, a seriedade, a imparcialidade. E, ao ultrapassar os limites, incorre nos crimes de invasão da privacidade, de difamação, calúnia e todas as outras hipóteses de atentados à intimidade de cidadãos. Este foi o abismo onde afundou o semanário News of the World, com seus quase 3 milhões de exemplares vendidos a cada domingo.

Muito exagero lemos todos os dias nas bancas de jornais e revistas, vemos nas telas digitais de nossas TVs e ouvimos nas diversas emissoras de rádio. Que o fim do News, o pedido de desculpas de Murdoch e o abalo em seu império de comunicação sejam um semáforo de luz vermelha para a “imprensa marrom”.

***

[Vilson Antonio Romero é jornalista, auditor fiscal da RFB, diretor de Direitos Sociais e Imprensa Livre da Associação Riograndense de Imprensa, da Fundação Anfip de Estudos da Seguridade Social e presidente do Sindifisco Nacional em Porto Alegre]

 

Leia também

Especial Dossiê Murdoch – parte 1

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem