Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

MONITOR DA IMPRENSA > O POVO

Paulo Rogério

05/09/2011 na edição 658
“Era das cavernas”, copyright O Povo, Fortaleza (CE), 3/9/11.

‘Todo homem tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.’ (Artigo 3 da Declaração Universal dos Direitos do Homem)

Parque Potira, Caucaia, segunda-feira à noite. Um adolescente de 17 anos rouba uma máquina fotográfica de um pedestre e é perseguido pela população. Gritaria, alvoroço. Pego, ele acaba cercado por um grupo. Acuado, devolve o produto do roubo. Mesmo assim é surrado a pontapés, socos e pauladas até a morte. Tudo por uma câmera fotográfica. A Polícia chega. Ninguém é preso.

Nada disso foi suficiente para sensibilizar os jornalistas da 5ª capital brasileira. Apesar de o fato ocorrer em plena Região Metropolitana, O POVO registrou o em uma simples Breves na editoria de Ceará, na quarta-feira. Meras 13 linhas. Depois, silêncio total. Nos outros jornais o espaço foi ainda menor. Como se fosse algo normal, corriqueiro. O que não é.

É fato que a população está revoltada com a impunidade e com o aumento da marginalidade. Mas, em pleno século XXI, atitudes típicas Era das Cavernas devem ser combatidas. Em um momento que se defende o jornalismo humanizado e a defesa dos direitos humanos, a imprensa mostrou desprezo ao caso. Não questionou nada. Silenciou quando cidadãos comuns agiram como justiceiros, à revelia da lei.

Papeis trocados

A discussão ficou fora do jornal, mas não entre os leitores. A notícia foi uma das mais comentadas do dia no O POVO Online com 39 intervenções. Grande parte defendendo a teoria de que ‘bandido bom é bandido morto’. Mas um bom número – ainda bem – condenando o linchamento. De qualquer forma a importância da discussão do tema, que ficou sem aprofundamento no jornal, foi comprovada.

Defender o estado de direito, onde nenhum indivíduo, presidente ou cidadão comum está acima da lei, é uma das premissas básicas do jornalismo. Caberia à imprensa dar exposição ao caso, ouvir especialistas sobre a reação daquelas pessoas, detalhar o drama familiar, cobrar ação policial e discutir valores morais. Nada foi feito. Em uma sociedade onde a justiça é feita com as próprias mãos todos são vítimas.

Que trauma?

A leitora Ana Cavalcante desaprovou o título (Fim do Trauma?) publicado em Esportes, segunda-feira, 29, em matéria sobre a vitória da dupla Juliana e Larissa na etapa holandesa do Mundial de Vôlei de Praia sobre as americanas Walsh e May. Para ela houve sensacionalismo. ‘Deveria destacar o feito heroico em lugar de questionar um suposto trauma, inexistente’. Em um longo e-mail ela mostrou que o texto usado é o mesmo do site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), com uma exceção.

Exatamente um trecho acrescentado no final do primeiro parágrafo: ‘ mostraram que, mesmo que as americanas participem, o Brasil é capaz de vencer, algo que não vinha acontecendo nas últimas competições’. Ora, logo no início do texto o trauma é colocado em xeque diante da informação de que aquela era a quinta vitória brasileira sobre as mesmas adversárias em 2011.

Contradição

O mesmo parágrafo destrói a tese seguinte. O próprio texto lembra que aquele era o sexto título de Larissa e Juliana no Mundial, portanto foram cinco antes. Todos com Walsh e May em quadra. Com relação ao uso do texto da CBV não é anormal, já que o site funciona como agência de notícias. O editor-adjunto de Cotidiano, Rafael Luis, não vê problema com o título. ‘Até 2010 a dupla americana tinha 11 vitórias, contra três das brasileiras. Neste ano a situação se inverteu (1×5), o que permite o questionamento’.

Esquecido pela mídia: Denúncias de sabotagem em ambulâncias do Samu.

FOMOS BEM

Segurança

‘Furo’ sobre transferência de Juíza ameaçada de morte em Tabuleiro do Norte

FOMOS MAL

Imagem

Cobertura fotográfica de confusão entre professores e policiais na Assembleia

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem