Publicações de moda apostam em mulheres maduras | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Terça-feira, 14 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº999
Menu

ENTRE ASPAS > MERCADO EDITORIAL

Publicações de moda apostam em mulheres maduras

17/08/2010 na edição 603

Será o fim da ditadura da juventude? Três das maiores revistas de moda americanas trazem na capa de sua edição de setembro atrizes na faixa dos 40 anos. Na Vogue, Halle Berry, que acabou de completar 44; na Harper’s Bazaar, Jennifer Aniston, de 41, promovendo o filme The Switch; e, na Elle, Julia Roberts, de 42, divulgando o longa Comer, Rezar e Amar.

A edição de setembro é considerada a mais importante do ano em termos de publicidade para as revistas de moda e, ao colocar atrizes desta idade na capa, elas acabam passando a mensagem de que, embora vivamos em uma cultura obcecada pela juventude, ainda há algo a ser dito sobre a beleza e o charme de mulheres que, muitas vezes, estão sob o olhar público há mais de 20 anos. A idade média das capas da Vogue no ano passado foi de 34,5; na Harper’s Bazaar, 32,5; na Elle, 31.6; na InStyle, 34.2; e na W, 34.9. A Harper foi a que teve a maior amplitude de idade: colocou a modelo Miley Cyrus, de 17 anos, na sua capa de fevereiro, e a atriz Demi Moore, de 47, na de abril. Demi também foi capa da edição de dezembro da W.

Laura Brown, diretora de projetos da Harper’s Bazaar, diz que o leitor médio da revista está na faixa dos 30 – público que vê nas mulheres como Jennifer Aniston uma inspiração. ‘Elas são legais, estão na moda, são interessantes, atraentes – ou seja, têm algo a dizer’, analisa. ‘Uma das características de se envelhecer é que você se conhece melhor. Você não se olha mais como vítima’. Lesley Jane Seymour, editora da revista More, que tem como público-alvo as mulheres de 40 anos, concorda. ‘Há aquelas com estilo, poder e beleza. E, além do mais, quem tem estilo ou longevidade aos 20 ou 30 anos? Britney Spears? Kim Kardashian?’.

Aos 46 anos, a atriz Sandra Bullock é agora a mulher com o salário mais alto em Hollywood, segundo a Forbes. No ano passado, por exemplo, ela recebeu US$ 56 milhões pelos filmes A Proposta e Um Sonho Possível. Na lista das atrizes com maiores salários, duas estão na faixa dos 30 – Reese Witherspoon e Cameron Diaz – e duas na dos 40 – Jennifer Aniston e Sarah Jessica Parker. Além destas, outras atrizes mais experientes fizeram filmes de grandes bilheterias, como Julianne Moore (49 anos), Annette Bening (54), Angelina Jolie (35) e Tina Fey (40).

Para atrair leitores

Dados divulgados esta semana pelo Audit Bureau of Circulations mostraram que, no último semestre pesquisado, as vendas avulsas de revista caíram 5,6%. Por isso, é ainda mais importante que editores selecionem modelos de capa que chamem a atenção de leitores nos pontos de venda. Nesta lógica, mulheres mais velhas representam uma aposta mais segura. A capa da InStyle com a cantora Gwen Stefani, de 40 anos, vendeu 648 mil cópias, e a de Jennifer Lopez, de 40, 853 mil, comparadas a de Scarlett Johansson, de 25 anos (579 mil), e a de Leona Lewis, também de 25 (610 mil). É claro que há quarentonas que não atraem um público tão grande, como a cantora Whitney Houston, de 46, que vendeu 408 mil cópias da edição de janeiro.

No entanto, não é a idade que pesa na escolha da capa da Harper’s Bazaar, diz a editora Laura. ‘Eu coloco qualquer idade na capa. Nunca penso neste fator quando estou pensando na capa’, afirma. O mesmo acontece na Elle. Segundo a editora-chefe Robbie Myers, o que conta é a pessoa que vai combinar com o projeto e como o leitor se sentirá atraído em ler sobre alguém naquele determinado momento. Assim, não foi surpreendente que Robbie tenha escolhido Julia Roberts para falar com um público na era pós-recessão, de autoconhecimento e autenticidade. A atriz tenta se manter longe dos tabloides, colocando seus filhos acima de tudo e escolhendo seus projetos com cuidado. ‘Na era pós-recessão, os valores dos consumidores mudaram nas bancas. Em vez de buscar escapismo nas vidas de celebridades, eles querem algo autêntico e mais próximo. Estamos em um período de reflexão’, resume Jon Penn, consultor de revistas e presidente da divisão de mídia e entretenimento da Penn, Schoen & Berland. Informações de Doree Shafir [Hollywood Reporter, 10/8/10].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem