Sábado, 23 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº992
Menu

MONITOR DA IMPRENSA > IRAQUE

Repórter francês fala de seus captores

04/01/2005 na edição 310

O jornalista francês Christian Chesnot, que ficou por quatro meses em poder de seqüestradores no Iraque e foi libertado em 21/12, afirmou em entrevista ao jornal árabe Asharq al-Awsat que entre seus captores estavam militantes ligados à al-Qaeda e ex-integrantes do Baath, partido de Saddam Hussein.

Chesnot, que trabalha para a Radio France Internationale, foi seqüestrado com o também francês Georges Malbrunot, repórter de Le Figaro, quando viajava de Najaf para Bagdá. O grupo que os capturou se intitulava Exército Islâmico do Iraque e exigia que o governo francês voltasse atrás na proibição do uso do véu islâmico nas escolas públicas do país, condição que não foi cumprida. Este mesmo grupo seqüestrou outros ocidentais, entre eles o jornalista italiano Enzo Baldoni, assassinado em agosto.

‘Alguns deles eram jovens que nos contavam que haviam aprendido a fazer explosivos em treinamento no Afeganistão e se referiam a Osama bin Laden como xeque Osama’, afirmou Chesnot, complementando que nem ele ou seu colega foram maltratados no cativeiro.

Os dois jornalistas são fluentes na língua árabe e trabalharam por muito tempo no Oriente Médio. Em 2003, Chesnot e Malbrunot lançaram o livro L´Irak de Saddam Hussein: portrait total (O Iraque de Saddam Hussein: um retrato completo). Informações da Reuters [30/12/04].

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem