Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

ENTRE ASPAS > FIM DE SEMANA, 5 E 6/12

Tiago Dória

08/12/2009 na edição 567

CONTEÚDO PAGO
Tiago Dória

Até onde vai o ‘Google News pago’

‘A Google anunciou nova política que restringirá o acesso gratuito a notícias. Os jornais que adotam a estratégia de conteúdo pago terão a possibilidade de permitir a leitura de apenas 5 artigos por dia de usuários que cheguem aos seus sites via Google News.

A iniciativa partiu da própria Google após sofrer pressão de editores de jornais. Há 3 semanas, Rupert Murdoch anunciou que impediria o Google de indexar o conteúdo de seus jornais. Rumores indicavam que ele fecharia um acordo de exclusividade com o Bing, buscador da Microsoft.

Nos comentários aqui, do blog, o Bruno levantou questão parecida, de que Murdoch, na verdade, estaria fazendo cena, pressão para forçar algum tipo de acordo com a Google.

Na realidade, o que aconteceu foi uma modificação na política do Google News. Desde 2008, a empresa de busca oferece para jornais que trabalham com conteúdo pago a opção do ‘First Click Free’, que abre a possibilidade para que o usuário veja uma parte de seu conteúdo restrito.

Mesmo que estejam debaixo da ‘parede de conteúdo pago’, artigos acessados via Google News podem ser vistos na íntegra, mas, no caso do usuário clicar em outra matéria, ele é redirecionado para uma página onde tem que fazer um login. Ou seja, apenas o primeiro clique é grátis.

O que acontece é que parte dos usuários estava abusando dessa regra. Devido ao Google News gerar automaticamente um ‘link gratuito’ para o site com conteúdo pago, usuários pegavam uma manchete do jornal, colavam na busca de notícias do Google e assim acessavam outra matéria do jornal, além da que tinham lido antes. Uma forma de burlar o ‘First Click Free’.

O que a Google fez agora é oferecer aos jornais que trabalham com acesso pago a possibilidade de restringir a 5 artigos/dia por usuário que chega via mecanismo de busca; como consequência, não funcionará mais essa tática de recortar e colocar manchete no Google News para acessar no mesmo dia várias matérias de um jornal que adota o ‘First Click Free’.

Ou seja, a alteração afetará os jornais que já restrigem o acesso, que adotam o modelo de conteúdo pago, sendo que essa restrição vai acontecer dentro dos sites de jornais e não durante a navegação no Google News.

Para os jornais que não adotam o ‘First Click Free’, oferecem acesso gratuito, não importa a quantidade de cliques ou acessos, tudo continua na mesma. Acesso irrestrito ao seu conteúdo.

O que pode acontecer é que essa alteração do Google News incentive mais sites, principalmente os de nicho e que têm acesso restrito, a disponibilizarem o seu conteúdo, pois agora há a possibilidade mais clara de ficar visível para as buscas, fornecer uma prévia aos usuários, mas sem perder a possibilidade de cobrar pelo seu acesso, importante fonte de receita para este tipo de site.

Porém, para mim, essa modificação mostra algo maior, que os jornais têm poder de barganha para negociar com a Google. Para a empresa de busca interessa ter o conteúdo dos jornais em seu index. E, nesta semana, eles conseguiram forçar alterações na política do Google News.’

 

ROUPA NOVA
Tiago Dória

Novas interfaces para velhas empresas de mídia

‘A Reuters colocou no ar o seu novo site.

Uma das novidades é a barra de ferramentas que aparece no rodapé. Caso você esteja logado no site da agência de notícias, é possível acompanhar e destacar tópicos específicos (somente notícias de ‘tecnologia’, ‘ações de empresas’, por exemplo).

A barra também sugere notícias de acordo com sua navegação, além de permitir que você salve certas matérias para ler depois.

Comparado com o anterior, o novo site tem um apelo bem maior para o usuário final (que não é jornalista ou assinante da agência). A parte de opinião ganhou mais destaque, o que demonstra uma intenção clara de balancear melhor ‘notícias em tempo real’ com análise.

A seção Issues in Depth reúne a parte de articulistas.

Por enquanto, a intenção é manter todo o conteúdo aberto e subsidiado por publicidade.

O projeto foi feito pela HUGE, agência que vem se destacando na reformulação de sites de grandes grupos de mídia. A agência foi responsável pela recente repaginada da CNN.com.

Outra novidade nesta semana foi o NYTimes que lançou oficialmente o Times Skimmer, possível interface do jornal voltada para tablet e telas multitouch.

No caso, o projeto foi desenvolvido internamente, no laboratório de P&D do jornal.’

 

******************

Clique nos links abaixo para acessar os textos do final de semana selecionados para a seção Entre Aspas.

Folha de S. Paulo

Folha de S. Paulo

O Estado de S. Paulo

O Estado de S. Paulo

Comunique-se

Carta Capital

Agência Carta Maior

Veja

Tiago Dória Weblog

Jornal do Brasil

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem