Terça-feira, 16 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

MONITOR DA IMPRENSA >

WikiLeaks divulga documentos roubados da Sony

Por Leticia Nunes em 18/04/2015 na edição 846

O WikiLeaks divulgou todos os e-mails vazados da Sony Pictures, além de documentos internos com informações sensíveis sobre a companhia americana – são mais de 170 mil mensagens e 30 mil documentos vindos de mais de dois mil endereços de e-mail da empresa. O sistema da Sony foi invadido em novembro de 2014, supostamente pelo governo da Coreia do Norte em retaliação à produção do filme A Entrevista, que encenava a violenta morte do líder norte-coreano, Kim Jong Un.

Na ocasião, foram vazados e-mails de chefes do estúdio falando mal de atores, mensagens que continham dados financeiros da empresa e informações sobre funcionários. Apesar das acusações por parte do governo americano, a Coreia do Norte negou que tenha sido responsável pelo ciberataque. Ao vazamento se seguiram ameaças, e o lançamento do filme quase foi cancelado.

Valor jornalístico

Um porta-voz da Sony criticou o WikiLeaks por disponibilizar os documentos ao público. “O ciberataque à Sony Pictures foi um ato criminal malicioso, e nós condenamos veementemente a inclusão de informações roubadas de funcionários no WikiLeaks”, afirmou. “Os criminosos usaram a disseminação de informações roubadas para tentar prejudicar a Sony Pictures e seus funcionários, e agora o WikiLeaks, lamentavelmente, está ajudando neste esforço”.

O fundador do WikiLeaks, o ciberativista Julian Assange, declarou que os documentos “têm valor jornalístico e estão no centro de um conflito geopolítico”. “Estes arquivos mostram o funcionamento de uma influente corporação multinacional. […] Eles pertencem ao domínio público e o WikiLeaks vai garantir que continuem lá”.

De acordo com o WikiLeaks, os arquivos revelam as relações da Sony com o governo americano – com mais de 100 endereços de e-mail governamentais entre as mensagens trocadas –, além da habilidade da empresa “de impactar leis e políticas, e suas ligações com o complexo militar-industrial dos EUA”. A organização não informou como obteve acesso aos documentos roubados.

Leia também

Sony Pictures sofre consequências do ataque de crackers

Estúdio exige que imprensa não divulgue dados roubados

Sony libera ‘A Entrevista’ e comemora faturamento alto

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem