Sábado, 23 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

MOSAICO > RENTISMO MIDIÁTICO

O golpe suave planetário e a indústria cultural do imperialismo

Por Luís Eustáquio Soares em 27/05/2014 na edição 800

1

Trançar um texto com as seguintes cabeleiras. Uma de Nietzsche. O último cristão morreu na cruz. Outra de Marx. A dialética de Hegel constitui um puto método, mas está de cabeça para baixo. Outra de Wittgenstein. Não existe outro lugar para buscar o sentido seja lá do que for senão no estado civil das contradições e no seu estado no mundo civil. Qualquer outra dimensão, para entender qualquer fenômeno, tenderá a se tornar mera especulação ou simplesmente uma deletéria metafísica.

2

Através de Nietzsche e de Marx, considerar os seguintes conceitos: um de Deleuze e Guattari. A palavra de ordem, assim definida em Mil Platôs: a unidade mínima da linguagem não é o fonema, mas a palavra de ordem, que funciona como o parasita da língua, sendo tanto mais presente quanto mais supomos ausente. Está, pois, nas conversações tranquilas de trabalhadores usufruindo o sagrado direito às férias. Está no carinho de um pai burguês ao filho. Está no “eu te amo” de um casal apaixonado.

3

Em sua infinita variação, uma palavra de ordem carrega em si sempre uma sentença morte.

4

Através de Nietzsche e de Marx, considerar o que algures Félix Guattari designou como política existencial molar e política existencial molecular. A primeira se constitui por tudo aquilo que é ou se tornou institucional, fixado, normatizado ou simplesmente apanhado ou desejoso de ser capturável pelo Estado. A luta feminina pelo direito ao voto seria, sob esse ponto de vista, uma luta no plano da política existencial molar, assim como o direito ao aborto. Ambas são legítimas demandas apresentadas ao Estado. São, pois, molares. Uma política existencial molecular, por outro lado, emerge das bordas, não é previsível nem reconhecível pelo saber institucional. Não se fixa, por exemplo, no âmbito binário das divisões de gênero, homem e mulher; nem das divisões étnicas estabelecidas: branco, negro, índio, amarelo. Ser brasileiro, espanhol, venezuelano, americano, mulçumano, judeu, trabalhador, burguês e tudo o mais que se constitui como identidade, sob esse ponto de vista, seria molar. O molecular é sempre outra coisa de outra coisa em outra coisa.

5

Através de Nietzsche e de Marx, pensar o conceito de genérico de Alain Badiou, tendo em vista o conturbado mundo contemporâneo. Para Badiou, o genérico é a condição intrínseca do evento. Constitui um furo no saber. É aquilo que não é no lugar daquilo que é. O genérico dilui o que é até o limite absurdo a partir do qual somos todos absolutamente iguais, isto é, genéricos. Reside aí, pois, a condição universal do genérico. Um exemplo: se não somos negros, brancos, homens, mulheres, gays, brasileiros, venezuelanos, burgueses, revolucionários, somos simplesmente iguais em nossas paradoxais singularidades genéricas.

6

Uma vez apresentado o quadro teórico-metodológico deste ensaio, considerar a seguinte premissa: com Marx e Wittgenstein: o imperialismo ocidental-americano ou americano-ocidental atua produzindo uma humanidade de cabeça para baixo das seguintes formas: 1) podemos e devemos ser moleculares, genéricos, revolucionários, indefiníveis desde que a palavra de ordem que nos agita seja: não dar a importância devida ao imperialismo ocidental-americano porque é ou seria molar;2) lutar tendo em vista uma agenda molar contra a qual o mundo molecular genérico de uma humanidade de cabeça para baixo deva agir e, agindo, conceber-se, sempre de cabeça para baixo, como mais e mais molecular, pelo simples motivo de que acredita estar sendo molecular porque combate o plano existencial molar;3) o plano molar apresentado pelo imperialismo americano-ocidental, para os criativos moleculares genéricos revolucionários do mundo atual combaterem, constitui-se como fundamentadas ou fundamentalistas identidades nacionais, estatais, étnicas, de classe, de gênero, ideológicas, principalmente tendo em vista a divisão entre o religioso e o secular, entre esquerda e direita, entre democracia e ditadura, entre revolucionários e reformistas – desde que o plano molar ( profundamente molecular) do imperialismo americano-ocidental seja ou venha a ser colocado num plano secundário.

7

Esse é o estado civil de nossas contradições e seu estado no mundo civil, na atualidade: uma humanidade molecular, de cabeça para baixo, combatendo a si mesma através da sentença de morte do imperialismo ocidental-americano, que parasitariamente, dita: seja revolucionário, seja genérico, seja secular, seja religioso, seja esquerda, seja direita, cacem ditadores ou ímpios, mas jamais perguntem ou centrem suas atenções em mim porque, se assim o fizerem se tornarão maniqueístas, anacrônicos, molares e, portanto, não serão o que devem ser, eternamente, orgulhosamente – de cabeça para baixo.

8

Essa humanidade falsamente genérica, molecular, revolucionária, criativa, de cabeça para baixo, em relação ao imperialismo americano-ocidental, é produzida pela indústria cultural, tal como definida por Adorno e Horkheimer, em Dialética do esclarecimento: a indústria cultural é planetária e produz a cultura de um mundo que submete sem cessar o trabalho coletivo e a natureza.

9

A indústria cultural molecular, revolucionária e genérica de cabeça para baixo, em relação ao imperialismo ocidental-americano, está esclarecida para impor-se sobre o trabalho coletivo e sobre a natureza acreditando, paradoxalmente, que libera a ambos, o trabalho e a natureza, das malhas ditatoriais do plano molar agendado pelo imperialismo ocidental-americano como o lugar da luta libertária, razão pela qual ocorre a partir de um cenário, sempre planetário, em que o teatro de guerra está ancorado em identidades molares, por mais que estas se veem como moleculares, principalmente considerando o embate entre esquerda e direita, fundamentalistas religiosos e subjetividades laicas, ditadores e democratas.

10

Embora, pois, a indústria cultural se encarne em suportes midiático-tecnológicos do mundo da comunicação de massa, incluindo rádio, televisão, internet, cinema, suportes de papel, principalmente tendo em vista as corporações ou os conglomerados empresariais midiáticos, ela na verdade captura a humanidade molecular, genérica e revolucionária toda, colocando-a de cabeça para baixo ao apresentar-nos como reais sujeitos ficcionais de um mundo tramado pelo imperialismo americano-ocidental sem que coloquemos este como o foco principal – porque é assim que nos fazemos mais do que nunca “de cabeça para baixo”.

11

Não é à-toa que o rentismo seja o nome comum dessa humanidade esclarecida para ser a palavra de ordem da trama do imperialismo ocidental-americano de uma humanidade que vive e luta para libertar-se dos planos molares nos quais e através dos quais o imperialismo americano-ocidental nunca tem a relevância que deve ter, sendo, quando muito, um plano entre outros.

12

O domínio das finanças, no contemporâneo, é consequência direta de uma humanidade esclarecida para ficar de cabeça para baixo acreditando estar em pé, contra os molares planos estabelecidos pelo imperialismo ocidental-americano, pois é contra tudo que é produtivo, ou pode ser, que o imperialismo americano-ocidental atua, captura, toma, põe de cabeça para baixo.

13

Assim como o mundo das finanças é o parasitismo por excelência do mundo da produção real, o imperialismo americano-ocidental constitui o parasita-mor do mundo produtivo das pessoas de carne e osso.

14

Esse é o cenário, pois, do que temos designado como golpe suave, tendo em vista, por exemplo, o livro Da ditadura à democracia (1993) de Gene Sharp, que se tornou o cínico teórico medíocre das táticas e estratégias que o imperialismo americano-ocidental deve seguir para derrubar “suavemente” governos que não se submetem integralmente ao golpe da democracia dos bancos e dos oligarcas.

15

O manual de “golpes suaves” de Gene Sharp constitui, se o lermos como é proposto, um desvio de atenção. Querem, através dele, que desloquemos nossa atenção para países que estão sob a mira do imperialismo americano-ocidental – para criticá-los, antes de tudo. Com isso, tendemos a não perceber algo que precede a tudo, que é: o “golpe suave” já vem sendo aplicado há algum tempo contra a humanidade toda e se dá colocando-nos de cabeça para baixo de tal maneira a nos tornarmos “esclarecidos” para lutar contra planos molares agendados pelo imperialismo americano-ocidental.

16

O mundo atual é este em que a humanidade está tramada para aplicar “suaves golpes” contra si mesma, a partir do plano molecular falsamente genérico em que existimos – de cabeça para baixo.

17

Assim como o parasitismo financeiro constitui uma variável fascista de nossa condição tramada como suave golpe de cabeça para baixo contra nós mesmos, a indústria cultural, agora entendida literalmente, constitui a pedra de toque para a realização do golpe suave, do qual somos ao mesmo tempo agentes e pacientes, contra a humanidade em seu conjunto.

18

Uma radical democracia das corporações midiáticas internacionais nunca foi tão necessária. Só teremos condições de visualizá-la, de pé, a partir da constituição de uma cidadania planetária, pois o objetivo da ditadura midiática que captura a humanidade, sendo igualmente planetário, é este: colocar-nos em guerra contra nós mesmos deixando de lado o imperialismo americano-ocidental – sempre partindo da agenda estabelecida por este como um “suave golpe” em que nos metemos, odiando-nos, combatendo-nos, matando-nos.

19

Ir às ruas, no contemporâneo, nunca foi tão urgente. Mas não nos iludamos. Por mais que nossas demandas sejam justas, elas não podem de forma alguma se tornar reféns da ditadura midiática internacional.

20

Estamos na obrigação histórica de separar o joio do trigo, num mundo que nos confunde por todos os lados, tal que o trigo se torna o joio e este se torna o trigo. Para sair dessa confusão em que nos metemos, três premissas são fundamentais e devem estar nas ruas, sempre: 1) o imperialismo ocidental-americano é sim o principal inimigo da humanidade; 2) entender com clareza qual a sua agenda e como esta nos coloca de cabeça para baixo é a condição principal de nossas políticas existenciais molares e moleculares; 3) não são os governos, independente de seus perfis, que devem ser objetos táticos e estratégicos de nossas lutas, mas as corporações midiáticas nacionais e internacionais.

21

Para título de exemplo, uma greve de professores não conseguirá nada (ou quase nada, que pode ser pior que nada) se estabelece uma interlocução direta com o prefeito, o governador ou o presidente da ocasião. Sua interlocução deve ser com a corporação midiática mais poderosa de seu entorno social.

22

Ela é o verdadeiro prefeito, governador e presidente, porque fala em nome do imperialismo ocidental-americano e está na linha de frente para cobrar dos prefeitos, dos governadores e do presidente a seguinte subserviência: a humanidade rendida à financeirização da vida, via submissão integral ao imperialismo americano-ocidental.

23

Esse é, pois, o estado civil de nossas contradições, no contemporâneo. Se não produzimos sentidos revolucionários a partir dele, seremos, quando muito, os últimos cristãos.

24

Não sem muitas braçadas, morreremos nas cruzes das ondas marítimas dos altares do imperialismo ocidental-americano, como seus agentes laicos ou religiosos, se não sairmos desse mar de lama em que nos metemos e fomos metidos por nossos próprios desejos tr(amados).

25

Nada menos adequado, para entender o contemporâneo, que os pós-modernos entusiasmados defensores das teorias de Gilles Deleuze, Félix Guattari, Foucault, Alain Badiou. Como religiosos, estão sempre encontrando multiplicidades rizomáticas, subjetividades singulares, eventos e que tais nas tramas do imperialismo ocidental-americano – midiático rentista manto mortal sob o qual nos sufocamos nas ruas do mundo enquanto a oligarquia ocidental-americana comemora. Tim-Tim!

******

Luís Eustáquio Soares é poeta, escritor, ensaísta e professor de Teoria da Literatura na Ufes

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem