Terça-feira, 19 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº991
Menu

MOSAICO > COMUNICAÇÃO & INFORMAÇÃO

O imperialismo ‘deus ex machina’ americano e a biotanatopolítica das NTCI

Por Luis Eustáquio Soares em 26/05/2015 na edição 852

Imperialismo, modernidade, pós-modernidade e biotanatopolítica

Se o imperialismo constitui o momento em que a expansão colonizadora dos centros de poder adquire uma dimensão mundialmente sistêmica, seria previsível, portanto, que tal expansão viesse a ocorrer como espectro completo, ocupando, explorando e colonizando não apenas recursos primários, mas também artefatos culturais, conhecimentos, alteridades de gênero, étnicas, de classe, além de desejos, inclusive os de emancipação e de justiça.

O imperialismo expande-se colonizando novos estratos sociais, políticos, econômicos, simbólicos e, na atualidade do neocapitalismo, captura e redefine plasticamente o próprio inconsciente humano, razão suficiente para ao menos ter como hipótese o seguinte argumento: a colonização ocidental do planeta é a causa e ao mesmo tempo a consequência do imperialismo, não sendo circunstancial que Said, em Cultura e imperialismo,  assim tenha se posicionado a respeito:

Usarei o termo imperialismo para designar a prática, a teoria e as atitudes de um centro metropolitano dominante governando um território distante; o colonialismo, quase sempre uma consequência do imperialismo, é a implantação de colônias em territórios distantes (SAID, 2011, p. 42).

Herdeiro das colonizações expansionistas do Ocidente, o imperialismo torna o distante próximo a si mesmo, ao seu centro colonizador e, em sua versão americana, as colônias são antes de tudo as alteridades de gênero, étnicas, de classe, epistemológicas, entendendo por estas os traços predicadivos de uma subjetividade que não se inscreva no padrão branco, heterossexual, patriarcal, plutocêntico, ontologocêntrico, ocidental.

Tornar o distante perto, conhecido, sob esse ponto de vista, é transformar alteridades em norma, adaptando-as ao padrão do atual momento do falso da civilização burguesa por meio do dispositivo, em termos de Michel Fouocault (1979 ) da confissão, pois é confessando a si mesmas que elas tendem a se tornar “ovelhas de Deus” do imperialismo ocidental-americano.

O imperialismo americano transformou o planeta inteiro numa colônia; numa empresa mundial de produção de “ovelhas de Deus”, inscrevendo um leque biocomportamental conhecido como bioestilo americano, programado fundamentalmente para capturar alteridades tornando-as incluídas excludentes, aporia que ao mesmo tempo supõe a inclusão, “estou no bioestilo ocidental”, mas também está inevitavelmente implicada com a exclusão, seja porque a inclusão não passe de uma quimera, uma demagogia do sistema, por nunca ser coletiva; seja porque, coletivamente, só pode ocorrer de forma bicomportamental.

Jamais, portanto, como inclusão econômica, sob o ponto de vista coletivo.

Como uma espécie de suplemento da cena inicial de saga Odisseia no Espaço filme angloamericano de Stanley Kubrick (1928-1999), a partir da qual nos primórdios da humanidade, quando o primeiro hominídeo ergueu o primeiro pedaço de pau, transformou-o numa arma, o imperialismo americano pode ser analisado como a atual Odisseia no Espaço herdeira da primeira tecnologia de guerra, com o cuidado de dizer que o pau hoje é erguido sobre/contra a humanidade inteira tendo em vista suas forças armadas, divididas em duas dimensões absolutamente convergentes, a saber: a da tanatopolítica (o pau) e a da biopolítica da população mundial ( a cenoura).

Esse jogo antinômico entre uma tanatopolítica e uma biopolítica mundiais definem o imperialismo americano, à flor do socius, o que fica bem evidenciado, bastando ter olhos para ver, no modelo de realização planetário das NTIC (Novas Tecnologias de Informação e Comunicação), dominadas por multinacionais estadunidenses como Microsoft, Facebook, Google, Apple, YouTube, dentre outras, além  das “velhas mídias”: televisão, rádio, revistas e imprensa escrita.

É no âmbito do NTIC, também, que é possível observar o jogo antinômico entre tanatopolítica e biopolítica do imperialismo americano.

Antes de analisá-lo, o mencionado jogo, pergunta-se: o que é uma biopolítica da população? O que é uma tanatopolítica? Como o modelo de realização do imperialismo americano produz seu lance de dados bíos ou/e de dardos thanatos, no tabuleiro do jogo de xadrez planetário, sem que bíos se oponha a thanatos?

A biotanatopolica do imperialismo pós-moderno americano

Para dilatar essas questões explicitadas, o filósofo italiano Esposito (2013), constiui  um interlocutor instigante, muito especialmente tendo em vista a relação que o autor de Immunitas. Protezione e negazione della vita (2002) estabelece entre communitas e immunitas, assim a descrevendo no seguinte trecho de Pensamento vivo: origem e atualidade do pensamento italiano (2013):

Poderia ser dito que, assim como a communitas, em todas as comunidades, se apresenta sempre – pelo menos em certa medida – imunizada, por sua vez a immunitas revela, observada no fundo de seu mecanismo reprodutor, também um elemento comunitário. A passagem hermenêutica de uma perspectiva a outra é determinada pela desconstrução do caráter individualista que a modernidade atribuiu ao estatuto do sujeito moderno (ESPOSITO, 2013, p. 301).

Se a communitas diz respeito à dimensão da comunidade e a immunitas tem relação com aquilo que se aparta das maiorias com o objetivo de se imunizar “sanitariamente” do comum, o que Esposito propõe é um jogo antinômico entre uma dimensão e outra, argumentando que a communistas detém sua própria immunistas assim como esta, como um torrão de terra, possui traços communistas.

A ideia de comunidade, nesse sentido, não se constitui e tampouco está condenada, de antemão, ao horiozonte de uma identidade estanque coincidente consigo mesma. É antes de tudo potencialmente trabalho vivo criativo, compreendido como produção do que não existe com o objetivo de tornar a vida comum mais imune às adversidades imanentes à condição mortal humana.

Communitas e immunitas, sob o ponto de vista de Esposito, não se opõem, uma vez que são potencialmente intercambiáveis e assim sendo mais se inscreverão como criação comum da vida – assim como das singularidades individuais.

Por outro lado, se se considera a história efetiva do termo, o étimo immunitas emergiu no contexto da Roma antiga para se referir a cidades e/ou perfis sociais isentos de tributos, indicando um evidente privilégio em relação às pessoas comuns.

Tal palavra ressurge na virada do século 18 para o 19, no Ocidente, a partir de uma apropriação biomética voltada e devotada para estabelecer uma política sanitária da população, com o objetivo de evitar epidemias e pandemias, ao mesmo tempo em que objetivava também cuidar da força do trabalho, inclusive da força de trabalho bélico – bem mais que, claro, cuidar da A saúde do trabalhador.

Nesse contexto, ainda com Esposito, o pressuposto/privilégio jurírico da immunitas da Roma antiga passa a convergir, com o protocolo biomético. A modernidade immunitas e o mundo pré-moderno (sob o ponto de vista da immunitas moderna) communitas, principalmente a partir do século 18, formam doravante um cenário de círculo virtuoso (ou vicioso) a partir do qual a ordem soberana se torna imanente ao regime biopolítico.

Surge, então, o que especialmente em A história da sexualidade: vontade de saber (1976) e Em defesa da sociedade (1997) Michel Foucault designou como biopolítica, conceito que se confunde com a ideia de immunitas, se se considera a modernidade, razão suficiente para deduzir que esta seja depositária da própria herança histórica do termo – o que a torna passível de ser analisada como privilégio  geobiopolítico de um segmento de classe: a oligarquia eurocêntrica.

O imperialismo americano sobrepujou o europeu porque soube, sobretudo após a Segunda Guerra Mundial, produzir um bioestilo planetário, exportando a biopolítica e/ou immunitas da modernidade para as oligarquias do mundo inteiro e também para as alteridades, doravante identificadas como a communitas estadunidense, o que é o mesmo que dizer “como immunitas estadunidense”.

Nesse contexto, emerge a pós-modernidade. Esta se inscreve como cenário mundial de uma immunitas especialmente para as alteridades de gênero, étnica, classe, mas também para perfis oligárquicos (resulta daí o bioestilo atual dos delírios racistas das classes médias mundiais) como bioestilo americano a ser experimentado como o Ideal de ego em todos os rincões do planeta.

A pós-modernidade immunitas pode ser compreendida, portanto, como a biopolítica eurocêntrica  de um modelo de exportação planetário, embalado, como mercadoria que efetivamente é, pelos multicoloridos adornos do estilo americano de vida.

A tanatopolítica é imanente a essa biopolitica de exportação do bioestilo americano porque  este separa, o bioestilo americano, no campo dos direitos, os civis, dos sociais e econômicos, constituindo-se como biotanatopolítica antes de tudo porque se inscreve no campo reificado dos direitos civis em contextos em que os direitos econômicos e sociais são mortalmente ignorados, genocidados.

Aquilo que Focault chamou de racismo de Estado (1997), como contraparte da biopolítica de Estado, como, portanto, tanatopolitica, teve um capítulo agônico com as câmaras de gás dos campos de concentração de Hitler, mas evidentemente não terminou com a morte deste e a suposta derrota do nazismo e muito menos seja um atributo intrínseco do Terceiro Reich, uma vez que é a própria modernidade gestada como immunitas colonização ocidental-americana do mundo que supõe em si mesma uma imanente tanatopolítica contra a communitas econômica, social ecossistêmica planetária.

Em sua versão marcada pelo publicitário bioestilo americano, a relação entre communitas e immunitas tornou-se indiscernível porque a biopolítica, sobretudo após a Segunda Guerra Mundial, destituíu referências antinômicas, como centro e periferia, típicas da modernidade eurocêntrica, e assumiu uma configuração espetacularmente não maniqueísta, porque pressupõe uma humanidade em si mesma biotanatopolitica, contexto a partir do qual faz sentido usar a aporia incluído excludente, seja porque a inclusão, como estilo de vida, inscreveu-se, na atualidade, como horiozonte possível para qualquer pessoa, seja porque tal modelo virtual-individual de inclusão suponha em si mesmo a produção de um excluído coletivo compreendido como o corpo social-político planetário da tanatopolítica de base racista.

O aumento das guerras e mesmo a tendência atual de terceirizá-las tem relação direta com a oligarquização planetária da bipolitica americana e portanto com a “invenção” permanente de um excluído coletivo a ser elimidado, em nome da immunitas do estilo americano de vida.

Em nome, portanto, de sua immunitas pós-moderna, como sanitário e reificado direitos civis biocomportamentais, o imperialismo americano intervém com a tanatopolitica contra o excluído coletivo: a vida nua, essa communitas impedida de produzir sua immunitas de criação, de emancipação, de justiça sócio-econômica, sendo antecipadamente genocidada ( eis as guerras preventivas) para que sequer sonhe com a potência immunitas de sua communitas internacional.

Nesse contexto, não é exagero chamar o imperialismo americano de império do caos, porque está na sua dinâmica biopolítica (em nome da qual fala, se vende, exporta-se) massacrar o contágio da comnunitas mundial, evitando assim que possa fazer-se ao mesmo tempo immunitas, potência comunista de produção coletiva da vida nua no campo dos direitos civis mas também no econômico, no social, bioambiental.

O imperialismo americano e as Novas Tecnologais de Comunicação e Informação

Se o jogo do imperialismo americano supõe em nome da bipolitica de seu bioestilo oligárquico mundial produzir um racismo planetário sob a forma de uma tanatopolítica da vida nua, o espaço virtual do NTCI ( Novas Tecnologias de Comunicação e Informação), sob o seu domínio oligopólico, constitui-se como um roteiro cinemátográfico em tempo real indefinidamente reeditado para apartar a immunitas pós-moderna da communitas da vida nua ou do excluído coletivo; jogo que se realiza da seguinte maneira:

  1. a) O virtual como immunitas communitas. O que significa isso? Significa muito simplesmente que o virtual é, sob o domínio do imperialismo americano, literalmente o lugar por excelência da immunitas pós-moderna pela evidente razão de que é produção maquínica; uma extensão não biológica da criação humana.

O imperialismo americano transformou as Novas Tecnologias de Comunicação e Informação num espaço virtual planetário de realização da immunitas, no qual a humanidade inteira pode se experimentar biopoliticamente, via confissão civil de suas marcas subjetivas ou communitas, sem que efetivamente as viva no cotididiano, entendido como um aglomerado que inscreve em processo todas as dimensões da vida coletiva, a social, a econômica, a política, a ecológica, cultural, configurando essa commmunitas que é também immunitas.

Essa immunitas que se inscreve nos suportes das NTIC (como no Facebook, por exemplo), além de ser uma potência infinita de produção de suas marcas subjetivas, imita a communitas não apenas ocupando espetacularmente o seu lugar, mas realizando virtualmente aquilo que Esposito chamou de relação indiscernível entre communitas e immunitas, tal que uma é tanto mais outra quanto mais se faz interdependente, sem contradição e sem concorrência.

As NTCI, sob o domínio orquestrado do imperialismo americano, realizam virtual e parasitariamente aquilo que não existe comunisticamente: a potência indefinida do comum a partir do comum.

Essa virtualização espetacular da immunitas produz um niilismo, entendido como vontade do nada no lugar do nada da vontade, em relação à communitas, expressando-se da seguinte maneira: utopismo tecnológico da e na immunitas virtual versus niilismo no que se refere à vida comum e seus povos – biopolitica espetacular versus tanatopolítica social do excluído coletivo.

2) Se, ainda com Esposito, o estatuto do sujeito moderno é seu caráter individualista, como expressão possível da immunitas, na biopolítica pós-moderna essa expressão se desloca para as alteridades de gênero, étnicas e mesmo de classe, o que significa dizer que o único espaço possível de inclusão coletiva das alteridades é o virtual inscrito na dinâmica das NTCI, ainda assim com o preço de encarnar o niilismo em relação à vida social comum por meio de um biocomprtamento individual ou de grupos étnicos, de gênero e de classe evidentemente desconectados do cotidiano dos povos e dos ecossistemas terrestres.

Nesse cenário de inclusão virtual das alteridades, coletivamente consideradas, o mundo inteiro se torna a paródia de si mesmo, porque seu efeito é potencialmente niilista tanto mais as antinomias da modernidade são varridas do mapa, ainda que virtualmente: como a de opressor e oprimido, a de norte e sul, a de alfabetizado e analfabetizado.

Ainda que essas rupturas das antinomias modernas sejam basicamente virtuais, elas têm no entanto um efeito trágico no corpo da communitas mundial, pois, como partem da absolutização do ponto de vista e da vista do ponto da immunitas virtual, não apenas tendem a ignorar a vida social comum mas também a partir do pressuposto de que esta não existe e, não existindo, não sofre, não morre.

É nesse contexto do bioestilo americano que é possível afirmar que na atualidade todos somos burgueses, razão pela qual seja possível deduzir que o mundo virtual das NTCI se constitua como uma paródia immunitas da vida social comum; uma paródia immunitas da communitas, lançada na vala comum da anônima morte do excluído coletivo.

O momento do falso genérico da commmunitas e da immunitas

Um espaço virtual oportuno para flagrar essa paródia que o campo do utopismo tecnológico realiza da vida comum se dá no âmbito do registro escrito das falas de personagens  ou mesmo de pessoas reais, disponibilizado em diferentes vídeos linquados no YouTube.

Como poderá ser verificado por qualquer pessoa que acesse a tecla legenda desses vídeos que tenham neles o recurso de tradução simultânea de voz para escrita, independente do gênero, da faixa etária, de ideologias e mesmo da língua, o registro escrito das falas neles apresentadas pode ser definido como um falso genérico e ao mesmo tempo como uma paródia ou carnavalização da communitas mundial.

Falso genérico por dois motivos. O primeiro está relacionado ao filósofo francês Alain Badiou (1937), que tem no genérico, em diálogo com o matemático estadunidense Paul Cohen (1934-2007), um conceito angular de sua filosofia eventual, não sendo por acaso que assim o defina, o genérico, em O ser e o evento (1988): “Um procedimento fiel genérico imanentiza o indiscernível. Assim, a arte, a ciência, o amor e a política mudam o mundo, não pelo que nele discernem, mas pelo que nele indiscernem. E a onipotência de uma verdade não é mais o de mudar aquilo que é, a fim de que possa ser esse ser inominável, que é o ser mesmo d’o-que-é (BADIOU, 1988, p. 270).”

Constituir-se como indiscernível, o genérico, significa que não pode ser capturado pelo saber. Numa multiplicidade qualquer, o genérico é o seu inominável, o que, tendo em vista os argumentos apresentados neste ensaio, equivale, portanto, à relação indiscernível e imanente entre o communitas e o immunitas, em contextos nos quais aquela se dá como multiplicidade e esta como aquilo que emerge como criação sem dono, porque de todos e de ninguém, transformando em devir a communitas: processo sem fim só possível numa sociedade sem classes, logo comunista, em termos de Marx ou no forçamento, em termos de Badiou, no campo da arte, do amor, da ciência e da política, desse mundo sempre possível de uma communitas e immunitas igualmente indiscerníveis, imanentes.

O falso genérico é uma paródia do genérico de Badiou e se expressa não pelo indiscernível, mas pelo exagero obsceno (em termos etimológico de obstaculizar a cena) de marcas reconhecidas pelo saber – inclusive as marcas das subjetividades de gênero, étnicas e de classe.

Se o genérico de Badiou se inscreve num campo de subtração de marcas até chegar ao infinito de novas possibilidades de subtração, produzindo o universal, tal que não se é negro, gay, branco, índio, amarelo, mulher, homem, operário, mas o universal comum em potência e em ato, o falso genérico se expressa pela soma, inclusive pornográfica, indefinida de particularidades discerníveis, porque confessadas.

Se o processo sempre genérico de uma verdade, em termos de Badiou, ao subtrair-se torna immunitas e communitas reversíveis, a partir da imanência desta, produzindo o evento de uma comumunitas que existirá no advento de sua autocriação comum, tendo em vista a positividade de um futuro advindo, o falso genérico eterniza as marcas e faz a communistas se identificar consigo mesma, tornando-a um zumbítico presente sem futuro.

Como exemplo, a versão em vídeo de O sítio do Pica Pau Amarelo, obra da literatura infantil brasileira de autoria do escritor Monteiro Lobato (1882-1948). A versão de 2005, capítulo 2, parte 2 ( nela é possível ver o personagem Delegado Lupicínio esbaforido dizendo que não teria conseguido alcançar um trombadinha que entrou como penetra numa festa realizada no Arraial dos Tucanos. O Coronel Teodorico, o interpelado candidato a prefeito de Arraial dos Tucanos, responde alegando que, quando ele se tornar o prefeito, tudo isso acabará porque ele intensificará o policiamento.

Se se aciona a tecla “legenda” da versão disponível no YouTube (cf. com a versão online no seguinte endereço: https://www.youtube.com/watch?v=l1A9PqD77qw), apenas parcialmente o que aparece como a versão escrita da fala dos personagens corresponde ao que efetivamente é dito, dissimetria que adquire uma configuração estranhamente genérica, tal como é possível observar abaixo: “E pensar que essa cidade foi sempre um lugar pacato. Segurança absoluta formada por integrantes do Dem, que quatro horas por dia. A candidata petista apontava a queda da menina”. A receita federal tenha deixado cair o queixo. O escocês a respeito foi identificado”.

“Integrantes do DEM” (Partido de direita brasileiro), “a candidata petista”, “receita federal tenha deixado cair o queixo” e “o escocês a respeito foi identificado” evidentemente são registros escritos que não correspondem em nada à fala dos personagens do vídeo do Sítio do Picapau Amarelo em questão.

Como falsos genéricos os registros escritos parodiam a commintas social-política brasileira colocando tudo no mesmo “balaio de gato”. O excesso de marcas institucionais da realidade nacional, na contramão do genérico de Badiou, não apenas pode ser analisado como uma paródia do Estado brasileiro mas também uma sublinar generalidade em suspeição, tal que tudo se torna ao mesmo tempo ridículo e suspeito, inclusive e antes de tudo qualquer possibilidade de intervenção política senão apta ao menos propensa a desvincular-se da submissão integral às marcas do contemporâneo, essas que fazem a communitas se identificar consigo mesma, eternizando o presente histórico e a um tempo obstaculizando o devir criativo de uma immunitas coletiva.

Essa onipresença de marcas num presente achatado em si mesmo pode ser interpretada como parte da dinâmica da relação entre cultura e imperialismo. Sob esse ponto de vista, o fragmento das legendas do vídeo supracitado, inscreve-se no campo do uso do falso genérico, talvez não sendo circunstancial, a propósito, que Gene Sharp, embora em outro contexto, em seu livro Da ditadura à democracia: uma estrutura conceitual para a libertação (2002), logo no início, tenha apresentado a seguinte recomendação para o uso do (falso) genérico: “Da necessidade e da escolha deliberada, o foco deste ensaio está no problema genérico de como destruir uma ditadura e impedir o surgimento de uma nova (SHARP, 2002, p.6).

Esse problema (falsamente) genérico de que fala Gene Sharp no trecho citado seria o método a partir do qual o imperialismo ocidental-americano, via indústria cultural, inscreve a captura da fabulação, sempre coletiva, enfeixando-a com o propósito de, por exemplo, tornar “natural” o absurdo mundo em que vivemos? Que modelo de sociedade está na base dessa normatização de um genérico, assim definido porque põe no mesmo plano, de forma imanente, os acontecimentos diversos do mundo atual, a saber: guerras, genocídios, diferentes modalidades de esportes, personalidades políticas reais e fictícias, assim como de filmes, novelas e um sem fim de outras?

Essa captura da fabulação coletiva (da communitas) se dá na atualidade no campo da indústria cultural, essa empresa mundial de produção de virtualidades communistas/immunitas que funciona  ao mesmo tempo como paródia e dispositivo de captura da communitas e immunitas, sob o signo de sua potência coletiva, razão suficiente para insistir na pergunta já formulada: qual o modelo de sociedade está na base desse arranjo sócio-histórico do imperialismo americano a partir do qual o virtual funciona como um falso genérico da communitas e immunitas da vida coletiva?

A civilização do Palácio de Cristal e a fabulação atualizada da sociedade do controle soberano

Se as grandes civilizações se constituíram basicamente como um sequestro oligárquico da immunitas produzida pela communitas de suas respectivas épocas,  o desenrolar histórico delas nos herdou  três arranjos sociais que são também três formas de tecnologias de captura da fabulação coletiva.

São elas: a sociedade da soberania, a sociedade disciplinar e a sociedade do controle.

A sociedade da soberania, ancorada no poder de morte do soberano, açambarca todo o socius e estabelece uma relação dicotômica entre a ordem do visível, os súditos, e do invisível, o soberano, tal que este, impondo-se sobre o visível, sacrificando-o, produz sem cessar a transcendência de seu poder, concebido como divino.

Trata-se de um arranjo sócio-histórico que funciona como verdadeira megamáquina de produção sequestrada de transcendência (leia-se, de immunitas), a partir do sacrifício do súdito ou da vida nua, não sendo circunstancial que todas as grandes religiões da humanidade tenham sido criadas no interior da sociedade da soberania.

Esse modelo social não terminou com o advento da sociedade disciplinar. Esta se inscreve como multiplicidade de instituições confinantes e confinadas, como a cadeia, a escola, o quartel, o hospício, o saber (disciplinar), tendo emergido para valer no interior da modernidade industrial do imperialismo europeu, hoje planetária.

Seu advento não significou o fim da sociedade da soberania. Esta passa a ser administrada cuidadosamente a partir das tecnologias de poder da sociedade disciplinar, o que tornou possível um modelo híbrido, razão pela qual poderá ser chamado de sociedade disciplinar soberana.

Por sua vez, o atual modelo social, baseado no controle tecnológico do socius, engendrando uma internacional submissão maquínica, não elimina nem a sociedade da soberania, nem a disciplinar, mas as incorpora planetariamente, produzindo uma espécie de geopolítica mundial da sociedade do controle integrado: no Ocidente predominaria tal, a do controle disciplinar; no Oriente, a da soberania; nas periferias, modelos mistos, embora, a bem da verdade, o mundo todo, independente do sítio histórico, esteja se transformando cada vez mais numa só e mesma virtualidade falsamente genérica, tendo em vista uma biopolítica mundial, cuja existência por si só produz a tanatopolítica das populações planetárias.

A modernidade, entendida como immunitas em relação aos períodos históricos precedentes, é por isso mesmo a época por excelência da biopolítica; o ponto de bifurcação a partir do qual a immunitas jurídica da Roma antiga, com suas zonas de privilégios tributários, conecta-se com os protocolos biométicos para fazer da vida humana ao mesmo tempo o sujeito e o objeto da civilização burguesa.

Essa situação poderia pressupor duas ordens: uma soberana, pré-moderna; e outra inscrita na dinâmica do regime biopolítico, a moderna.

Na sociedade do controle integrado, sob o domínimo do imperialismo americano, por sua vez, a ordem soberana se constitui como o próprio regime biopolítico contemporâneo.

Se a sociedade soberania pode ser definida pela relação entre transcendência (immunitas aristocrática) e imanência (communitas vilipendiada), tal que a primeira açambarca a segunda, sacrificando-a, é porque o direito de morte do soberano sobre a vida nua coletiva não só vinha primeiro mas também porque configurava o horizonte de um modelo civilizacional que fazia da tanatopolítica a forma simbólica fundante dos meios de produção social, o que significa dizer que era preciso matar o excluído coletivo, a vida nua, sacrificá-la, para que a immunitas oligárquica se constituísse como privilégio de classe.

Com o protocolo biomético da modernidade a tanatopolítica e a biopolítica se tornaram imanentes porque a ordem soberana foi deslocada não para a figura de um soberano, enquanto tal, mas para o modelo de produção da civilização burguesa.

Tornou-se, pois, impessoal em contextos nos quais a pessoalidade é ao mesmo tempo a tanatopolítia e a bipolítica, resultando daí, sob o signo do imperialismo americano, o uso paródico, por meio dos suportes técnicos da indústria cultural, do falso genérico.

Quanto mais marcas de pessoalidade mais a bipolítica se afirma, assim como a tanatopolítica. Uma dimensão aciona outra no interior da civilização burguesa, essa ordem soberana sem rosto próprio porque constituída da multidão de rostos do mundo, os quais tanto mais se pessoalizam e se biopolitizam tanto mais sem contradição alguma se tanatopolitizam na fabulação do capital, pelo capital.

A fabulação, sendo sempre coletiva (communitas e immunitas) se constitui, pois,  como uma espécie de capital primário a ser indefinidamente editado (geralmente de forma paródica) pelas Novas Tecnologias de Comunicação e Informação, sob o domínio do imperialismo americano, argumento que justifica um diálogo com o livro Aqui América Latina (2013), de Josefina Ludmer e também com o ensaio O direito à literatura (1995), de Antonio Candido, neste texto, posto que seus respectivos temas, tendo a literatura como pretexto, é precisamente a questão da fabulação coletiva.

Josefina Ludmer, em Aqui América Latina defende que a literatura pós-autônoma, na fábrica de realidade do contemporâneo, destitui a autonomia do livro, tendo em vista a primazia do que ela chama de imaginação pública, tal como é possível depreender do seguinte trecho de seu livro:

As literaturas pós-autônomas do presente sairiam da “literatura”, atravessariam a fronteira e entrariam em um meio (uma matéria) real-virtual, sem exterior, que é a imaginação pública; em tudo o que se produz e circula e nos invade e é social e privado e público e real. Ou seja, entrariam em um tipo de matéria e um tipo de trabalho social, onde não há “índice de realidade” ou de “ficção”, construindo presente. Entrariam na fábrica de realidade, que é a imaginação pública, para narrar algumas histórias cotidianas em alguma ilha urbana latino-americana (LUDMER, 2013, p.133).

Por outro lado, o que Ludmer chama de fábrica de realidade, Antonio Candido, em O direito à literatura, designa como fabulação coletiva, assim se posicionando a respeito:

[…] a literatura aparece claramente como manifestação universal de todos os homens em todos os tempos. Não há povo e não há homem que possa viver sem ela, isso é, sem a possibilidade de entrar em contacto com alguma espécie de fabulação. Assim como todos sonham todas as noites, ninguém é capaz de passar as vinte e quatro horas do dia sem alguns momentos de entrega ao universo fabulado (CANDIDO, 1995, p. 242).

Uma importante hipótese deste ensaio parte do seguinte argumento: a imaginação pública, em termos de Josefina Ludmer; e a fabulação coletiva, em termos de Antonio Candido, na atualidade, são editadas e reeditadas mundialmente pela tecnologia de poder da biotanatopolítica da sociedade do controle soberano.

Esta, a sociedade do controle soberano, joga, para dividir o humano, com as pessoalidades ou subjetividades, parodiando ideologias, projetos, Estados, perspectivas de gênero, étnicas, de classe, religiões, de uma forma  tragicômica, a partir da  obscenidade editada e reeditada da communitas mundial, o que pode ser evidenciado no vídeo do YouTube, da série Peppa Pig, produzida por Astley Baker Davies, versão completa, em português, em cujas legendas, no episódio “Aviões de papel”, é possível ler o seguinte:

“Com isso eu esse problema uma barbie distanciar o mundo para ir ao trabalho é ótima esses são todos os papeis que o prefeito Tião não perca certo de quebra hyde park está claro e convincente o que vocês querem fazer anunciante no TSE mas para a gente ela foi amparada vamos fazer um avião no episódio tecnologia de aviões no mês passado homenagem ao quimsa só precisamos de um pouco de papel é essa Tyson tem pacote O´Brien gbr que é um freio no extremo oriente hein um estudo com o prato a mãe pediu para fazer um avião de papel no meio do caminho ela é a cara do agreste kandos em cada extremidade em nobres candies de novo para fazer uma boa luta e em seguida no mesmo dia da entrevista a tepco em campo taveira vamos ver se eles conseguem voar com o PCdoB para argumentar pois o avião da pam em consumo em um barzinho armário mas agora os inimigos grande amigo do Delúbio de hoje que está dando voltas e voltas de consumo em um ano com patrício era não é à toa em Anchieta uma vez precisa de um papel realmente grande neste link fiscal de supermercados está penalizando uma câmara acomplada teve apoio de onde fizeram um grande dia azulzinho […] 1 porque nós estamos do lado dos patrões ué já vi de tudo obrigado por brigar […] que o time deve transformar num avião de papel Hilary falou para nós não achei bem que o chão inteirinho também lançará escoriações […] isso é bom matar a respeito da lei desejar […] (Cf. https://www.youtube.com/watch?v=6q6mwTSQq64)”

Sem entrar no mérito e já o fazendo  o registro escrito se constitui como dissimetria das falas das personagens, nesses vídeos, talvez e o que é mais provável porque o recurso técnico que permite essa transposição  simplesmente não é perfeito e nem pode sê-lo, se se considera diferenças de ritmos entre a linguagem falada e a escrita, a dicção oral, nem sempre clara para ser interpretada corretamente e uma série de interferências possíveis.

Necessariamente, portanto, esses registros escritos não significam uma montagem conspiratória, embora nada impeça que sejam usados para comunicação de linguagens cifradas, tendo em vista interesses políticos ou até mesmo articulações, por exemplo, de revoluções coloridas contra governos não totalmente submetidos aos jogos geopolíticos do imperialismo americano, sempre buscando a submissão integral dos Estados.

Para a análise desses registros escritos de fala de personagens, a questão talvez mais importante não residirá na opção interpretativa por um polo da antinomia intrínseca a essas legendas, tendo em vista a seguinte pergunta que não quer calar, a saber: serão esses registros conscientemente programados ou farão parte de um automatismo de uma tecnologia de transposição de fala para escrita ainda não cem por cento eficiente?

Se se considera a teoria psicanalítica de Freud, por exemplo, a apresentada no livro A interpretação sonho (1900), tendo em vista a questão relativa ao conteúdo primário e manifesto da narrativa onírica, seria interessante analisar esses registros escritos de fala dos vídeos do YouTube como uma situação que torna indiscernível o conteúdo primário e o manifesto, tal  que um é outro no horizonte do controle oligárquico das Novas Tecnologias de Comunicação e Informação e portanto também da  Internet, pois sua dinámica biopolítica, sendo a do falso genérico, é a que tende a produzir e a reproduzir as marcas predominantes da realidade contemporânea, a partir daquilo que poderia ser chamado de estrutura de eco, assim compreendida se se leva em conta que o que emerge nesses registros escritos são simplesmente ecos de ditos e escritos que circulam na Rede Mundial de Computadores, um pouco e muito em conformidade com a premissa do sociólogo canadense Marshall Mcluhan (1911-1980)  de que o meio é a mensangem.

O meio como mensagem fabula e confabula a communitas do contemporâneo não sendo circunstancial a presença, no  trecho supracitado,  de um tal O´Brien e um Tyson, assim como, no contexto da política nacional e internacional, a de um nome como o do prefeito Tião, as  das siglas do TSE, Tribunal Superior Eleitoral, a do Partido Comunista do Brasil; a do ex-tesoreiro do Partido dos Trabalhadores, PT, Delúbio, assim como a da ex-secretária de Estado americana, Hilary, sem contar os rastros de lugares como o Hyde Park, de Londres, e talvez a cidade brasileira de Anchieta.

De comum esses registros nada tem a ver com as falas das personagens do vídeo em questão. O argumento proposto aqui para analisá-los parte das seguintes questões: a) As Novas Tecnologias de Comunicação e Informação, sob o controle da Indústria Cultural anglossaxônica, serão o meio da mensagem de uma máquina de realidade que captura a imaginação pública planetária para parodiá-la, naturalizá-la, transformando a immunitas, os processos sociais de fabulação, numa communitas sem porvir, porque, num círculo vicioso mais que virtuoso, eternamente identificada consigo mesma?; b) O imperialimo americano pode ser definido, na sua estratégia de dominação planetária, como o produtor mundial da sociedade do controle soberano, entendida como a que aproxima os extremos, a sociedade da soberania e a do controle, com o objetivo explicito de inscrever uma submissão maquínica internacional da vida na terra?; c) Se, com Carl Schimitt(1888-1985), “ o soberano é aquele que decide o estado de exceção (SCHIMITT, 2009, p. 15) ”, a civilização burguesa, a que se impõe a partir do domínio americano, não poderá ser descrita no contemporâeno como uma forma de sociedade do controle soberano que confabula permanentemente com a immunitas da fabulação coletiva, paradiando-a a partir do uso cínico do dispositivo biotanatopolítico da população mundial por meio do qual a espécie humana passa a ser editada e reeditada sem cessar num ritmo semelhante ao da aceleração dos avanços tecnocientíficos?

Para todas essas questões a resposta é um sonoro SIM. O “império do caos”, a estrutura de poder do imperialismo americano, é o produtor mundial da imaginação pública tendo-a transformada em sua mais dileta mercadoria por meio da espetacularização geral da vida na terra, argumento oportuno seja em função da presença do Hyde Park de Londres no trecho supracitado do vídeo de Peppa Pig aqui analisado, seja porque condiz, ao menos quanto ao campo semântico, com a seguinte citação de Agamben de Meios sem fim: notas sobre a política (2015):

Marx se encontrava em Londres quando, em 1951, foi inaugurada, com enorme celeuma, a primeira Exposição Universal do Hyde Park. Entre os vários projetos propostos, os organizadores haviam escolhido o de Paxton, o qual previa um imenso palácio construído inteiramente de cristal. No catálogo da exposição, Marrifield escreveu o Palácio de Cristal é talvez o único edifício no mundo no uqal a atmosfera é perceptível… a um espectador situado na galeria, na extremidade oriental ou ocidental… as partes mais distantes do edifício aparecem envolvidas em um halo azulado”. Isto é, o primeiro grande triunfo da mercadoria ocorre, ao mesmo tempo, sob o signo da transparência e da fantasmagoria (AGAMBEN, 2015, p. 72-73).

A bionatatopolítica do imperialismo americano é a máquina de realidade (ou de terror) da sociedade do controle soberano e esta tem como principal objetivo o seguinte: a transformação da civilização burguesa se já não o foi no Palácio de Cristal tanto mais transparente mais fantasmagórico, seja porque nela e por meio dela tudo ecoa tudo ou tudo se torna ventríloquo de tudo; seja porque nela e por meio dela a transparência e a fantasmogoria não apenas se tornaram intercambiáveis, uma é outra, mas também porque se transformaram em bíos e thanatos, ao mesmo tempo, de forma indiscernível.

Se no primeiro volume do O Capital, de Marx, no capítulo sobre a mercadoria, esta é apresentada como fantasmagórica porque se torna coisa personificada sem deixar de ser coisa, no Palácio de Cristal da sociedade do controle soberano o triunfo da mercadoria ocorre quando o humano biopoliticamente é transformado em mercadoria, estando, paradoxalmente, morto, tanatopoliticamente.

O movimento é contrário do que ocorre com a mercadoria em si, como coisa personificada tornada fantasmagórica, porque nesse caso o humano, como biopolítica, como immunitas, para se tornar mercadoria, é tranformado em coisa em si, morta – se a mercadoria enquanto tal é personificada, na sua dimensão biopolítica ela é despersonificada.

Nesse caso, sob o ponto de vista biopolítico, a mercadoria humana é a sua fantasmagórica transparência immunitas, sob a forma de um fantasma de si mesma, editado e reeditado sem cessar, como imagem de imagem, virtualidade de virtualidade. Sob o ponto de vista da tanatopolítica, por sua vez, a mercadoria humana é a sua fantasmagórica transparência communitas, sob os pés do direito de morte do soberano, tal como ocorre na sociedade da soberania, embora, nesse caso, o soberano seja ou tenha a forma de um artefato tecnológico ou das técnicas de reprodução das Novas Tecnologias de Comunicação e Informação.

Esse jogo especular do Palácio de Cristal da civilização burguesa sob o domínio do imperialismo americano colonializa o futuro eternizando, no presente, a sociedade da soberania.

A sociedade da soberania é a que submete a communitas ao direito de morte do soberano, para que este produza a sua transcendência ou a sua privilegiada immunitas, idenfiticando-se com Deus. Na sociedade do controle soberano, é a biopolítica, tendo sido transformada em transparente mercadoria, que se torna tanatopolítica nas mãos da soberana civilização burguesa como Palácio de Cristal.

Tudo funciona como as imagens que aparecem no retrovisor de um carro enquanto este avança para frente, para o futuro: é o passado tanatopolítico que é refletido no espelho do retrovisor e o é, eis o paradoxo, como se fosse a produção do próprio futuro. Portanto, como se fosse a produção da immunitas ou da biopolítica – da vida.

Se a tela de um celular, por exemplo, uma touch screen, é a que corresponde a um avanço tecnológico da figura do espelho, sua função, no contexto da sociedade do controle soberano, é a de refletir o passado soberano tanatopolítico, a partir de um tempo sem história.

O Palácio de Cristal da civilização burguesa ou esta compreendida como Palácio de Cristal fantasmagórico e transparente pode ser comparado a uma tela touch screen em que, em diálogo com Esposito, a natureza nela refletida ou editada toma o lugar da história, compreendida como processo, devir; assim como a communitas sutura a immunitas e a zoé substitui a bíos e/ou a tanotopolítica se faz como biopolítica.

Tudo isso ocorre por um motivo muito simples e até previsível, se considerarmos a sociedade da soberania, onde reina em todos os rincões o poder soberano e seu direito de morte sobre a communitas; poder, o soberano, que decide o estado de exceção, massacrando a vida nua, a communitas e ao mesmo tempo se apropriando da mais-valia immunitas.

Por sua vez, na sociedade do controle, o utopismo tecnológico acelerado intensifica a relação entre saber e poder  tal que aquele se torna acelerado poder tecnológico sobre a vida nua, submetendo-a, tecnicamente. A sociedade do controle, assim, não passa de mais um capítulo da longa história da tradição do oprimido.

É um estado de exceção tecnológico-oligárquico. Nada mais e nada menos.

Como, portanto, evolução histórica da sociedade da soberania, a do controle é a que detém o direito de morte bélico-tecnológica sobre a communitas, a vida nua; direito que deve ser exercido permanentemente porque é da natureza do soberano decidir o estado de exceção contra as maiorias.

O estado de exceção do controle é o que torna onipresente a tanatopolitica da vida nua, da communitas, substituindo-a fantasmagoricamente pelo espetáculo virtual propiciado pelas Novas Tecnologias de Comunicaçaõ e Informação.

O imperialismo americano como deus ex machina da co-fabulação soberana

O imperialismo americano é o deus ex machina do estado de exceção da sociedade do controle – um “Deus” surgido da megalomáquica tecnocientítica que submete a communitas mundial.

Se, como técnica de fabular, o recurso do deus ex machina é o que possibilita uma solução inesperada para um beco sem saída de um enredo narrativo ficcional, que pode, nesse caso, terminar de qualquer jeito, como um milagre divino que intervém na trama para dar a configuração que lhe convier, o imperialismo americano é esse deus ex machina da sociedade do controle soberano que intervém na civilização burguesa mundializada com o objetivo de nela inscrever o final que lhe igualmente convier.

Para tanto, o imperialismo americano atualiza sem cessar as narrativas da sociedade da soberania, eternizando-a no retrovisor touch screen do presente histórico em que nos cabe viver, tocar, sob a forma de confissão religiosa, de gênero, étnica, de classe, não sendo circunstancial, sob esse ponto de vista, sua aliança de sangue com o jihadismo, a Irmandade Mulçumana, o Emirado Islâmico, o takfirismo, o wahabismo, com o sionismo, as ditaduras do Golfo Pérsico, composta de países como Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Kuwait;verdadeiros museus contemporâneos da sociedade da soberania pré-moderna.

Aquilo que os registros escritos dissiméticos das falas dos personagens ou mesmo de figuras históricas dos vídeos do YouTube realiza é precisamente uma paródia da humanidade contemporânea reatualizando, por meio da técnica do deus ex machina, a tanatopolitica da sociedade da soberania pré-moderna e ao mesmo tempo tornando-a onipresente nas máquinas de realidade das tramas das Novas Tecnologias de Comunicação e Informação.

O imperialismo deux ex machina americano avassala a humanidade inteira ao produzir um modelo de fabulação coletiva, via Novas Tecnologias de Comunicação e Informação, a partir do pacto literalmente de morte entre o anacrônico, o divino direito de morte do soberano, com a tecnociência pós-moderna, engendrando assim um pós-humano que é tanto mais biopoliticamente máquínico, cyborg, quanto mais rebobina, nas puras técnicas dos meios, as mensagens/imagens/confabulações dos genocídios sem trégua das sociedades soberanas pré-modernas, debochando parodicamente da vida comum e especialmente daqueles que as protagonizam, como ocorre no conteúdo ao mesmo tempo manifesto e primário da transcrição da fala de Hugo Chávez na Assembleia Geral das Nações Unidas Nações Unidas em 2006, que assim começa: “La candidata de PP a la servimdubre de la Assemblea General […] Señora presidenta, excelencias, perfecto estado, fcc gobierno y altos representantes de los gobiernos del mundo […].”

É assim que de uma forma ou de outra o imperialismo americano, sempre confabulando a imaginação pública das sociedades da soberania, edita parodicamente, no seu automatismo tecnológico, inclusive os seus zelosos vassalos, como o PP espanhol, ao mesmo tempo em que infiltra, deus ex machina, uma solução não esperada, e por isso não menos paródica, no meio da fala de Hugo Chávez, sob a forma desse “fcc” sinistro, soberano.

Seria o FCC Serviços cidadãos, um holding internacional? Se o for, assim se apresenta em seu site: Nossa diversificação permitiu-nos oferecer um serviço global ao cidadão, desde o desenvolvimento de infraestruturas até a prestação de serviços ambientais e urbanos à comunidade. Fazemos cidades” (cf.http://www.fcc.es/fccweb/informacion-corporativa/que-es-fcc/index.html).

O imperialismo deus ex machina americano também é um holding. No seu lado communitas, destroi cidades e suas infraestruturas, com suas incessantes guerras tecnologicamente soberanas; no seu lado immunitas, as edita cinicamente transformando o Castelo de Cristal da civilização burguesa em um fantasmagórico e transparente (tendo em vista a pura técnica dos meios) serviço global aos cidadãos.

A singular personalidade despojada e bufônica de Hugo Chávez, como presidente da Venezuela, o tornou mundialmente conhecido porque mais do que ninguém soube lançar veneno contra veneno, ao parodiar a paródia que a fabulação do imperialismo americano faz da humanidade, mostrando de forma teatral e ironicamente como a estratégia imperialista dos Estados Unidos vive de atualizar as barbáries da sociedade da soberania, em nome de seu publicitário bioestilo civilizacional, não sendo por acaso que tenha falado, na tribuna da Assembleia Geral da ONU, essas inesquecíveis frases: “Ontem esteve aqui o diabo. Aqui cheira enxofre”, ao se referir ao então presidente americano, George Bush, que tinha estado nessa mesma tribuna no dia anterior.

A referência ao diabo e ao enxofre o é antes de tudo à figura do soberano, logo da sociedade da soberania, arranjo sócio-histórico que funcionou e funciona como máquina de realidade maniqueísta, do bem e do mal, de Deus e do Diabo.

Enquanto a acadêmica intelligentsia immunitas diz de boca cheia que o maniqueísmo é coisa do passado, o imperialismo americano o inscreve, deus ex maquina, na carne communitas do atual presente histórico, dilacerando-a de forma biotanatopolítica.

Hugo Chávez, com coragem, parodiou a fabulação coletiva da sociedade da soberania pré-moderna, levada a cabo pelo imperialismo americano, não sendo circunstancial que tenha escolhido a interlocução com Chomsky, especialmente com seu livro Hegemonia ou sobrevivência: a estratégia imperialista dos Estados Unidos, dizendo inclusive o que Chomsky não disse em seu livro: a estratégia americana do puro ato tecnológico biotanatopolíco é anacronicamente esta: produzir um confabulado mundo cuja imaginação pública se adapte servilmente ao fedor de enxofre pré-moderno, bárbaro, enquanto o deus ex machina dos artefatos da indústria cultural editam e reeditam a farsa de uma fábrica de realidade virtualmente especiecida.

Referências

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento. Tradução:Guido Antônio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

AGAMBEN, Giorgio. Meios sem fim, notas sobre a política. Trad. Davi Pessoa. Belo Horioznte:

BADIOU, Alain, A hipótese comunista. Trad. Mariana Achalar. São Paulo: Boitempo, 2012.

______.O ser e o evento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.: Ed. UFRJ, 1996.

CHOMSKY, Noam. Hegemonía o supervivencia. La estrategia imperialista de Estados Unidos, Barcelona: Ediciones B, 2004.

CANDIDO, Antonio. “O direito à literatura”. In.: Vários escritos. 3ª ed. São Paulo: Duas cidades, 1995.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Tradução: Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, Félix. Mil Platôs, capitalismo e esquizofrenia. Vol. 2. Trad. Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 2008.

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, Félix. Mil Platôs, capitalismo e esquizofrenia. Vol. 5. Trad. Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 2008.

ESPOSITO, Roberto. Immunitas.Protezione e negazione della vita. Torino: Einaudi, 2002.

_________. Pensamento vivo: origem e atualidade da filosofia italiana. Trad.Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: Vontade de Saber. Trad. Maria Theresa da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

_______. Em defesa da sociedade. Tradução: Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. Tradução: Renato Zwick. Porto Alegre: L&PM, 2012.

Karl Marx. O capital. Tradução: Regis Barbosa. Tomo I. São Paulo: Abril Cultural, 1996.

LOBATO, Monteiro. O Picapau Amarelo. – 10ª reimpressão da 34ª edição de 1994. São Paulo: Brasiliense.

LUDMER, Josefina. Aqui América Latina, uma especulação. Trad. Rômulo Monte Ato. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SCHMITT, Carl. Teología política. Tradução: Francisco Javier Conde e Jorge Navarro Pérez. Madrid: Editorial Trotta, 2009.

SHARP, Gene. Da ditadura à democracia: uma estrutura conceitual para a libertação. Trad. José A.S. Filardo. São Paulo: The Albert Einstein Institution, 2010.

SOARES, Luis Eustáquio. A sociedade do controle integrado: Franz Kafka e Guimarães Rosa. Vitória: Edufes, 2014.

***

Luis Eustáquio Soares é professor, Serra, ES

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem