ALEMANHA 7 x 1 BRASIL

Chega de chororô

Por Luciano Martins Costa em 11/07/2014 na edição 806

Comentário para o programa radiofônico do Observatório, 11/7/2014

Passada quase uma semana do desastre de Belo Horizonte, quando a seleção brasileira foi humilhada pelos alemães com a goleada de 7 a 1, a imprensa dá meia-volta, abandona o espírito crítico com que vinha revendo suas análises sobre o fracassado projeto do hexacampeonato, e retoma o estilo piegas que marcou toda a cobertura da Copa do Mundo.

Nesta sexta-feira (11/7), o personagem central é o atacante Neymar Jr., que deixou o repouso em sua casa para se juntar aos companheiros na concentração da Granja Comary, em Teresópolis. Vai “dar uma força” aos colegas humilhados.

Na primeira página do Globo, Neymar aparece para dizer uma obviedade: que a seleção nacional fracassou. Pelo menos, demonstra mais intimidade com a razão, observa o jornal, ao contrário do técnico Luiz Felipe Scolari, para quem o planejamento para a Copa foi perfeito.

No Estado de S. Paulo e na Folha de S. Paulo, enormes fotografias do jogador enxugando uma lágrima, e a volta do texto “emocionado” como eixo da repercussão sobre a eliminação do Brasil nas semifinais. O Estado puxa o foco para a seriedade da lesão sofrida pelo atacante na partida contra a Colômbia, ao reproduzir a informação de que a fratura de uma vértebra na região lombar poderia tê-lo deixado paraplégico. Já a Folha destaca que Neymar viveu “as piores semanas” de sua vida após o jogo contra a Colômbia.

E o leitor ou leitora se haverá de perguntar: “E daí? Que importância tem o estado de espírito de Neymar, diante do vexame a que seus companheiros de equipe submeteram todo brasileiro que aprecia o futebol?”

Os jornalistas sabem que, daqui para a frente, qualquer equipe do Brasil que for jogar uma partida em outro país, seja na disputa da Libertadores, seja um simples amistoso, terá que suportar o gesto de milhares de torcedores adversários mostrando sete dedos das mãos. Em lugar do dedo médio estendido, ofensa tradicional nos estádios, os sete dedos, representando os sete gols da Alemanha, serão a marca do futebol nacional, ainda que venha a vencer todas as competições do futuro.

Uma derrota definitiva

Os jornais não deveriam se deixar sensibilizar pelas lágrimas de um ou outro jogador, pelo constrangimento dos dirigentes da CBF ou pela arrogância dos responsáveis técnicos Scolari e Carlos Alberto Parreira. Eles são os líderes de uma geração que fracassou completamente, quando a única coisa que se exigia da equipe era que funcionasse como equipe.

Ainda que alguns dos jogadores venham a participar de uma futura seleção vitoriosa, na Copa América, em outras Copas do Mundo, ou com a conquista inédita de uma Olimpíada, isso não irá apagar a marca do vexame de Belo Horizonte.

O que, sim, se pode mudar, é a estrutura do sistema de futebol profissional, mas essa é uma alternativa que não ganha muitos adeptos na imprensa, porque muitos jornalistas são beneficiados pelo compadrio e as benesses distribuídas pela Confederação Brasileira de Futebol, as federações e a Fifa.

Circula nas redes sociais um texto da jornalista Milly Lacombe no qual ela descreve como, durante a Copa do Mundo de 2006, foi advertida por um editor da SportTV, emissora onde trabalhava, para que amenizasse as críticas a certo jogador da seleção brasileira, porque o empresário do atleta poderia vetar futuras entrevistas dele para a emissora.

Essa relação de promiscuidade entre o jornalismo esportivo e empresários, atletas, dirigentes de clubes e de entidades é parte da estrutura ineficiente que conduziu ao desastre do dia 8, terça-feira. A revelação de que uma quadrilha de falsários e cambistas acompanha os eventos da Fifa é a face mais bisonha desse sistema que explora o esporte.

Ao manter o foco nas emoções individuais de jogadores mimados, com fotografias de rostos lacrimosos, a imprensa desvia a atenção daquilo que é mais importante. A cumplicidade de jornalistas com suas fontes de informação não produz apenas mau jornalismo: alimenta o círculo vicioso de favores que inibe a função principal da imprensa.

A crise é o ponto onde se distinguem os homens dos meninos. Já basta de chororô. É hora de os jornalistas defenderem firmemente a renovação do futebol brasileiro e o banimento dos escroques que enriquecem à custa dessa paixão nacional.

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

 Igor M. Rodrigues
 Enviado em: 11/07/2014 11:21:26
“Passada quase uma semana do desastre de Belo Horizonte, quando a seleção brasileira foi humilhada pelos alemães com a goleada de 7 a 1”. A derrota foi há três dias atrás! Número menor que os artigos que o articulista soltou desde terça-feira. “Quase uma semana”? É muita vontade de esquecer o “padrão Felipão” que a Dilma associou ao governo dela. Ah, e desastre para mim foi a queda do viaduto em BH, que gente trabalhadora morta e ferida, e que estava com entrega atrasada, e não a derrota da Seleção. Achar que isso é desastre só confirma o interesse eleitoral que o PT tinha em cima das vitórias da Seleção. É aquilo: o MAV-PT está produzindo um jornalismo estilo Veja de se ler...
 Dante Caleffi
 Enviado em: 11/07/2014 12:07:02
Se o fizerem,(defender a renovação),farão coro com Dilma. Esta , em entrevista a CNN,respondeu o que os todos gostariam de ouvir.Claro, que nesse crucial momento de campanha eleitoral,cada movimento é refletido estrategicamente, e o PIG,como pauteiro das oposições, pensa duas mil vezes antes de escrever,falar ou expor.
 Thomas Herren
 Enviado em: 11/07/2014 12:38:41
Após a entrevista de Neymar ontem, os jornalistas o aplaudiram. A atuação da imprensa nessa Copa também foi vergonhosa.
 Gerson Chagas
 Enviado em: 11/07/2014 13:58:53
erfeitas as suas considerações, Luciano. E o único veículo midiático que tratou o tema de forma apropriada foi o canal ESPN Brasil, uma ilha de excelência num oceano da mais profunda e abjeta promiscuidade, a qual aliás caracteriza a imprensa em geral neste país.

Luciano Martins Costa

luciano@revistaadiante.com.br

RADIOLUC

ECOS DA ELEIÇÃO

Uma bizarra simbiose

Luciano Martins Costa | Edição nº 822 | 31/10/2014 | 9 comentários

ECOS DA ELEIÇÃO

Sociedade e poder, uma ruptura

Luciano Martins Costa | Edição nº 822 | 30/10/2014 | 10 comentários

ECOS DA ELEIÇÃO

Nenhum compromisso com a História

Luciano Martins Costa | Edição nº 822 | 29/10/2014 | 7 comentários

ECOS DA ELEIÇÃO

O discurso da conciliação

Luciano Martins Costa | Edição nº 822 | 28/10/2014 | 19 comentários

ECOS DA ELEIÇÃO

Não esqueçam o que eles escreveram

Luciano Martins Costa | Edição nº 821 | 27/10/2014 | 26 comentários

Ver todos os textos desse autor