IGUALDADE RACIAL

Organizações querem afrodescendentes na mídia brasileira

Por Fabiana Reinholz em 11/09/2007 na edição 450

O Brasil tem a maior população de origem africana do mundo. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os declarados negros representam 6,3% e os pardos 43,2% da população brasileira. Contudo, a presença desse segmento nos meios de comunicação – em especial no jornalismo, é muito pequena. De acordo com o último censo, realizado em 2000 pelo (IBGE), a proporção de negros na imprensa é de apenas 15,7 %. Reconhecer sua contribuição histórica na construção da sociedade é um caminho para a democratização dos meios de comunicação.

Refletindo sobre esse paradoxo, jornalistas negros de Brasília criaram a Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial no DF (Cojira-DF). Uma das propostas do movimento, segundo Juliana Cezar Menezes, jornalista da Radiobrás e integrante do Cojira do DF, é promover cursos para profissionais e estudantes sobre a questão racial, a importância de pautar indicadores de desigualdade racial nas matérias, inteirar sobre as políticas públicas que vêm tentando combater o racismo institucional. De acordo com Juliana, não adianta condenar a imprensa por tudo, e sim levar até ela conhecimento e informação sobre a questão da desigualdade racial.

Para exemplificar, ela cita o caso das políticas de ações afirmativas, quase sempre destacadas na imprensa de forma polêmica, como algo que não funciona, ou abordando o debate superficialmente. "O que queremos é orientação, formação e informação, não é nenhuma caça às bruxas", afirma.

Em entrevista ao Observatório do Direito à Comunicação, Paulo Rogério Nunes, publicitário e diretor executivo do Instituto Mídia Étnica, disse que é preciso "descolonizar os meios de comunicação" para resgatar conceitos e valores presentes na cultura negra. Segundo Nunes, ainda, as reflexões sobre racismo devem pautar a concepção de TV pública no país: "É tolerável que uma TV comercial não represente o negro, mas é inaceitável que uma TV pública, que se propõe a dar voz aos diversos segmentos da sociedade, faça a mesma coisa", pondera.

Segundo Vera Daisy Barcellos coordenadora, juntamente com Janice Dias Ramos, do Núcleo de Jornalistas Afro-Brasileiros do Rio Grande do Sul, há uma grande invisibilidade da população negra nos veículos de comunicação, na televisão, na imprensa e até mesmo no noticiário de rádio. "A imprensa brasileira não dá a devida atenção para as questões da população negra" diz. Para reverter essa situação, Vera Daisy acredita ser preciso democratizar os veículos de comunicação. "Acentuar o interesse dos veículos de comunicação na cobertura de pautas sobre essa questão social", analisa. Para a coordenadora, é preciso a inclusão de uma maior cota de jornalistas negros nas redações. "Mas tem um detalhe, um fator complicador, que é a dificuldade ao acesso a universidades", conclui.

Faces do racismo

"Vivemos num país racista, onde há um vácuo muito grande entre a população negra e branca, e esse vácuo se reflete na diferença de salários, ao acesso a universidade, ao mercado de trabalho" aponta Vera Daisy. Assim como Vera, Juliana acredita que as universidades precisam abordar a questão afro-brasileira na construção do país de uma forma mais ampla, "descortinando a participação da cultura negra na construção da sociedade, um estudo aprofundado sobre seu legado".

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE, houve um aumento no percentual de brasileiros que se declaram negros ou pardos no ensino superior, registrando um acréscimo de 18% para 30%.

***

Da Redação FNDC

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

 João Pequeno
 Enviado em: 11/09/2007 14:26:37
O índice que impressiona neste texto é o de expressões em novilíngua por linha. Da democratização (sic) a combater o racismo (sic) querendo obrigar veículos a contratarem empregados por causa de cor de suas peles, e não por sua competência e orientando (dá-lhe, eufemismo) as redações a se comportarem conforme a ação afirmativa - de afirmar mil vezes, para ver se vira verdade, o quanto o Brasil é racista (sic)
 Thiago Conceição
 Enviado em: 15/09/2007 00:08:21
Em primeiro lugar, "pardos" não são negros! Deixe eu repetir novamente, dessa vez com o CAPS ativado, "PARDOS" NÃO SÃO NEGROS! Por que juntam tudo num mesmo grupo como se fossem a mesma coisa? Segundo, que valores da "cultura negra" seriam esses? Samba? Que [ ] os negros fizeram até hoje na história da humanidade? Eles não fizeram nada digno de nota (exceto música ruim) e só conseguem alguma notoriedade quando roubam o mérito individual de algum mestiço. Numa população de 6.3% de negros a porcentagem que aparece na televisão e que existe nas universidades já é boa o suficiente! O Brasil não é um país racista, racistas são os militantes negros e seus acólitos brancos, que, por um acaso, usam o "racismo" como forma de "acreditar que os outros os invejam". Simplesmente doentio.
 Pedro Lapera
 Enviado em: 16/09/2007 00:54:19
O mais engraçado é alguém querer provar que o Brasil não é um país racista fazendo a seguinte declaração (referindo-se aos negros): "Eles não fizeram nada digno de nota (exceto música ruim) e só conseguem alguma notoriedade quando roubam o mérito individual de algum mestiço". Next post, please!
 Thiago Conceição
 Enviado em: 16/09/2007 18:51:51
Pois diga, Pedro Lapera, o que eles fizeram além da música ruim? O problema do Brasil não é racismo, mas sim o espírito pequeno. Por isso que a esquerda encontra tantos seguidores, a maioria das pessoas no Brasil é minúscula. Gente de espírito grande e forte olha para a frente, tem a visão para ver oportunidades onde não há nada, e através de sua indústria é capaz de construir um futuro que lhe agrade. Os pobres de espírito vivem do passado, pois não têm força para construir nada, e fazem disso a verdadeira razão de ser. Qualquer ser humano minimamente forte olharia para a triste história do Brasil e acharia tudo muito pouco e, ao invés de cultivar um falso orgulho e ressentimento por coisas que não nos dizem respeito nos dias de hoje, buscaria construir um futuro que, SIM, seria digno de orgulho de todos brasileiros. Todos as pessoas associadas a essas organizações racistas e gente que as apóia, mesmo que de longe, fazem parte do grupo dos fracos e pobres de espírito. Nada disso presta, pois é apenas a voz da fraqueza. Que os brasileiros de hoje tem a ver com a África? O próprio termo "afro-descendente" é um insulto.

Fabiana Reinholz

POLÍTICAS PÚBLICAS & INTERNET

Os desafios de gestão

Fabiana Reinholz | Edição nº 627 | 01/02/2011 | 0 comentários

PROPRIEDADE INTELECTUAL

Uma discussão na ordem do dia

Fabiana Reinholz | Edição nº 467 | 08/01/2008 | 1 comentários

FÓRUM DE SALVADOR

Sobre a necessidade de democratizar a mídia

Fabiana Reinholz | Edição nº 461 | 27/11/2007 | 0 comentários

DEMOCRACIA NO AR

A hora e a vez de discutir a rádio pública

Fabiana Reinholz | Edição nº 460 | 20/11/2007 | 0 comentários

ANATEL, 10 ANOS

Agência precisa resgatar sua origem

Fabiana Reinholz | Edição nº 459 | 13/11/2007 | 0 comentários

Ver todos os textos desse autor