QUARTA-FEIRA, 26/3

Renato Pompeu analisa jornalismo atual

Por Leticia Nunes (seleção de textos) em 26/03/2008 na edição 478

Leia abaixo a primeira parte da seleção de quarta-feira para a seção Entre Aspas.

************

Portal Imprensa

Quarta-feira, 26 de março de 2008

ENTREVISTA
Ana Luiza Moulatlet

Renato Pompeu questiona as razões mercadológicas da grande imprensa, 24/3

"Renato Pompeu sabe do que está falando: com 47 anos de profissão, e passagem pelos meios de comunicação mais influentes do Brasil, ele viveu boas histórias. Suas críticas à mídia são fundamentadas na sua experiência pessoal. Além de ter trabalhado a vida toda em redações, é filho e irmão de jornalistas; seu pai era o renomado Paulo Pompeu.

Uma dessas histórias, exemplos de como funciona a grande mídia, ocorreu há 30 anos. Pompeu era editor-assistente de medicina da revista Veja, e viu uma reportagem que escreveu sobre acupuntura – prática [então] ainda desconhecida no país – ser reduzida ao espaço de uma coluna. Ele escolheu falar sobre um ambulatório do INSS em Recife, que oferecia acupuntura aos pacientes, fato incomum apurado durante a produção da reportagem.

O então diretor-adjunto da Veja reclamou com Pompeu da foto escolhida para ilustrar a matéria: um enfermeiro branco atendendo um paciente negro. Ao questionar a reclamação, ouviu do diretor: ‘Você acha que isso pode sair na Veja? Um enfermeiro preto atendendo um paciente branco?’. Pompeu perguntou se ele era racista: ‘Eu, não, mas nossos leitores são’.

Em entrevista ao Portal Imprensa, Renato Pompeu questiona as razões mercadológicas que levam grande parte do público a se interessar muito mais pelo que já conhece do que pelo que não conhece. ‘O jornalista deve dar a informação de que, com sua experiência profissional, ele sabe que o público necessita, ou a informação que o público quer?’

Também faz uma análise da mídia atual. Diz que, quando começou, ‘a opinião do jornal só se expressava nos editoriais, hoje se expressa praticamente em cada matéria, mesmo nas noticiosas. Também antes o artigo assinado expressava a opinião da pessoa que assinava, hoje a maioria dos colunistas defende a opinião dos donos do órgão em que trabalha e não a sua própria’.

Em sua carreira você já passou por muitos veículos de comunicação, das mais variadas linhas editoriais, além de ter acompanhado a história da mídia brasileira, pois sua família é toda de jornalistas. Como você avalia o rumo tomado pela imprensa brasileira, principalmente a grande imprensa?

Renato Pompeu – Desde o início de minha carreira, há 48 anos, a principal mudança foi no tipo e na extensão do partidarismo na imprensa. Em 1960 ainda vigorava o modelo europeu, com os jornais defendendo, cada um, um partido político específico. Assim o Estadão era udenista, a Última Hora era petebista, O Dia era ademarista, A Hora era janista, o Notícias de Hoje era comunista. Só a Folha era apartidária e neutra. Com exceção da Última Hora, a grande imprensa foi maciçamente pró-golpe e defendeu o regime militar, no decorrer do qual só alguns órgãos – Estadão, JT, Veja, O São Paulo, Opinião, Movimento e não lembro mais nenhum – sofreram censura. Hoje os jornais seguem o modelo americano, aparentemente apartidário, mas na verdade cada jornal constitui um partido político específico, com interesses próprios. Assim, a Folha defende os interesses políticos da empresa Folha, a Veja as da Abril, e assim por diante. Além disso, quando comecei a opinião do jornal só se expressava nos editoriais, hoje se expressa praticamente em cada matéria, mesmo nas noticiosas. Também antes o artigo assinado expressava a opinião da pessoa que assinava, hoje a maioria dos colunistas defende a opinião dos donos do órgão em que trabalha e não a sua própria.

Você conta que antigamente os editores diziam aos repórteres: ‘temos que dar essa matéria porque ninguém mais deu’. E hoje, nas redações se diz: ‘não vamos dar isso porque ninguém mais deu’. O que mudou?

Pompeu - Não é bem assim. O cientista político francês Régis Debray, que foi companheiro da guerrilha do Che na Bolívia e passou anos lá preso e depois foi conselheiro do presidente François Mitterrand, é que constatou que antigamente o diretor de redação dizia: ‘Opa, vamos dar já isso, ninguém está falando nisso’; e hoje, o diretor diz: ‘Ora, isso não vamos dar, ninguém está falando nisso’. Acontece que antes se dava valor à novidade, ao desconhecido, e hoje se repisa a mesma coisa, por razões mercadológicas, já que grande parte do público se interessa muito mais pelo que já conhece do que pelo que não conhece. Aqui devemos comparar com o médico: o médico deve dar o tratamento que o paciente precisa ou o tratamento que o paciente quer? O jornalista deve dar a informação de que, com sua experiência profissional, ele sabe que o público necessita, ou a informação que o público quer?

Como você acha que a internet mudou o jornalismo? O jornalismo como conhecemos ainda tem espaço e vai durar? Com as facilidades que a tecnologia traz, como o acesso às informações pela internet, ou o fato de não ser necessário se deslocar até uma fonte para entrevistá-la, hoje os textos jornalísticos têm mais qualidade de apuração?

Pompeu - As principais contribuições da internet são a multiplicidade de fontes e a interatividade entre fontes e o público. Não sou capaz de prever o futuro, mas acho que o jornalismo tal como se praticava antes da internet vai continuar, mas com menor espaço. As técnicas de apuração e de redação estão se desenvolvendo cada vez mais, mas cada caso é um caso e às vezes a facilidade da tecnologia implica um comodismo prejudicial à qualidade da informação. Continua sendo importante o repórter cobrir pessoalmente os acontecimentos.

Que conselhos você daria para alguém que está começando no jornalismo?

Pompeu - 1) Abandonar imediatamente a profissão e escolher outra. 2) Se não for possível isso, procurar se estabelecer por conta própria na internet, com patrocínio próprio que não interfira na sua independência. 3) Se isso também não foi possível, procurar manter a dignidade profissional e preparar-se para uma vida de sacrifícios."

 

 

************

ATENÇÃO: Será necessário validar a publicação do seu comentário clicando no link enviado em seguida ao endereço de e-mail que você informou. Só as mensagens autorizadas serão publicadas. Este procedimento será feito apenas uma vez para cada endereço de e-mail utilizado.

Nome   Sobrenome
 
     
E-mail   Profissão
 
     
Cidade   Estado
 
     
Comentário    

1400
   
Preencha o campo abaixo com os caracteres da imagem para confirmar seu comentário, depois clique em enviar.
Recarregar imagem
   
   



Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime. Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.

 

Nenhum comentário.

Leticia Nunes (seleção de textos)

FIM DE SEMANA, 5 E 6/2

Jornal para iPad abre debate sobre valor do conteúdo

Leticia Nunes (seleção de textos) | Edição nº 628 | 08/02/2011 | 0 comentários

FIM DE SEMANA, 29 E 30/1

Internet bloqueada no Egito para dificultar protestos

Leticia Nunes (seleção de textos) | Edição nº 627 | 01/02/2011 | 0 comentários

FIM DE SEMANA, 22 E 23/1

Google, Apple e as mudanças no mercado digital

Leticia Nunes (seleção de textos) | Edição nº 626 | 25/01/2011 | 0 comentários

FIM DE SEMANA, 15 E 16/1

Wikipedia, 10 anos de idealismo

Leticia Nunes (seleção de textos) | Edição nº 625 | 18/01/2011 | 0 comentários

FIM DE SEMANA, 8 E 9/1

Ministro enterra plano de regulação de mídia

Leticia Nunes (seleção de textos) | Edição nº 624 | 11/01/2011 | 0 comentários

Ver todos os textos desse autor