Sexta-feira, 19 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

O DESAFIO AMBIENTAL >

O mar de lama na visão do poeta

Por André Vallias em 14/11/2015 na edição 876

MAR DE LAMA

André Vallias / Foto Itaú Cultural

André Vallias / Foto Itaú Cultural

não basta ser metáfora:
o nosso mar de lama
tem que virar catástrofe
para adensar a trama
do sórdido espetáculo
o que a mina embalsama
nessas barragens lôbregas
agora se esparrama
por léguas e quilômetros
e mórbido amalgama
em um cimento hórrido
o que já teve a fama
de ser muito bucólico
cenário tão terrífico
com destruição que inflama
o coração mais frígido,
no entanto, não conclama
o Estado a ser mais rígido
na atuação do Ibama,
como estaria implícito
que nada, o Estado chama
de excêntrico e esquisito
quem cumpre a lei e ama
a natureza; explícito,
nos diz que a dinheirama
que o dono tão solícito
nas eleições derrama
não o faz menos crítico

MATÉRIA INERTE

o diretor solerte
garante ao jornalista:
“é só matéria inerte,
não apresenta risco”
contudo se converte
de súbito na morte
e rápido liquida
toda espécie de vida
agora o povo exclama
com ódio, vendo a lama
mortífera: “acabou-se
pra sempre o rio Doce”
e como não bastasse
o feito, ela ameaça
ainda causar dano
maior lá no oceano
***
André Vallias é poeta, designer gráfico e pesquisa as possibilidades criativas para poetas nos novos meios digitais e interativos.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem