Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

MANIFESTAÇÕES PELO BRASIL

A mídia nos protestos

Por Alberto Dines em 25/06/2013 | Programa número 689 | comentários

Bem-vindos ao Observatório da Imprensa.

Como se chama o ministro dos Transportes? Pois é, ninguém sabe. No meio deste turbilhão que entrará para a história do Brasil por causa de um aumento das tarifas dos transportes públicos, não apareceu uma única vez no noticiário o nome do ex-governador da Bahia, César Borges, velho parceiro do cacique ACM, empossado na pasta em 3 de abril.

Simbólico e dramático: aquele que seria o protagonista do episódio evaporou e pelo visto não fez nenhuma falta. Seria mais um aturdido, mais um surpreendido pela dinâmica das ruas.

Nesta quinzena de perplexidades, a mídia foi uma das instituições mais atordoadas: quando o governador paulista e o prefeito paulistano em uníssono designaram os manifestantes como vândalos, a mídia não teve dúvidas, foi atrás, a PM também e quando acabou a batalha entre canibais e antropófagos – no dizer de Elio Gaspari – descobriu-se que as maiores vítimas das balas de borracha foram os repórteres.

Foi uma das mais portentosas coberturas dos últimos tempos: a mídia eletrônica esmerou-se, esteve presente no país inteiro, em tempo real – mas do alto, de helicóptero. Nos estúdios e bancadas, âncoras e professores convidados tentavam teorias e interpretações.

Até agora não se sabe exatamente o que aconteceu – as puxadoras das multidões foram apenas as redes sociais? Ou foi o exemplo da Turquia? Estamos novamente, como em 1968, diante de um mundo de pavio curto?

Este capítulo da nossa história ainda não foi batizado. A imprensa logo o entenderá e lhe dará um nome.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 815 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem