Domingo, 26 de Março de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº937

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA

Classificação indicativa, o debate continua

Por Alberto Dines em 06/03/2007 | Programa número 407 | comentários


Bem-vindos ao Observatório da Imprensa.


Já sabemos que a nossa imprensa cansa depressa. No início de fevereiro estavam todos assanhados discutindo a classificação indicativa para a programação de TV. É um debate da maior importância porque a comunicação na sociedade moderna é uma área estratégica. Mas o debate foi subitamente interrompido bem à maneira brasileira: foi transferido para o Supremo Tribunal Federal.


A sociedade não chegou a discutir uma questão que a toca tão de perto, preferiu transferi-la aos juristas quando o certo seria que os juristas entrassem no fim para dar a palavra final.


Este Observatório acompanha a questão da programação televisiva desde o seu nascimento. Em 1999, o então secretário de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, José Gregori, veio duas vezes a este programa para discutir o assunto sob uma ótica inovadora: a baixaria na TV viola os direitos da sociedade, mas é a sociedade a detentora dos canais de rádio e TV.


O atual governo segue a mesma orientação e até foi mais firme ao estabelecer critérios rigorosos para a classificação da programação para atender, sobretudo, às necessidades das crianças e jovens. Prova de que a classificação da programação transcende as divergências políticas ou partidárias.


Este debate precisa continuar qualquer que seja a decisão do STF.


Assista ao compacto desse programa em:
www.tvebrasil.com.br/observatorio/videos.htm

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 815 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem