Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

MÍDIA, SOCIEDADE E A BUSCA PELA PAZ

Desarmamento, a lei e a inércia

Por Alberto Dines em 19/04/2011 | Programa número 589 | comentários

Bem-vindos ao Observatório da Imprensa.

Não há volta: a sociedade brasileira quer discutir os fatos e, ao mesmo tempo, quer discutir como a mídia fez o registro. O massacre de Realengo é a prova disso.

Não se trata apenas de um psicopata que disparou mais de 60 tiros na escola onde estudou e matou 12 crianças desconhecidas. Trata-se de evitar que isso jamais se repita, nem vire mania, como aconteceu nos Estados Unidos. O sensacionalismo é nocivo quando se faz do criminoso uma vítima e o seu crime, façanha.

Realengo ficará muito tempo associado ao maior massacre escolar do Brasil, mas também poderá ser lembrado como exemplo de uma comunidade que está sabendo superar o luto engajada numa pauta humanitária. Realengo pode entrar para a nossa história se convencer nossos governantes a acreditar nas leis existentes e implementá-las com todo o rigor, ao invés de esperar milagres com novos códigos.

A paranóia de Wellington Oliveira converteu-se em tragédia porque o Estatuto do Desarmamento não está sendo devidamente obedecido, esta é a verdade. O medo só desaparecerá quando o cidadão sentir-se protegido pelo Estado, o revólver no bolso ou na gaveta não acaba, só aumenta a insegurança.

Realengo deve chamar a nossa atenção para a calamitosa situação da saúde pública na esfera das doenças mentais. Realengo deve converter-se em marco de uma cultura da paz.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 815 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem