Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CHILE

As lições do filme ‘No’

Por Alberto Dines em 19/02/2013 | Programa número 672 | comentários

Bem-vindos ao Observatório da Imprensa.

Como acaba uma ditadura militar? Com uma rebelião popular, com um confronto entre os donos do poder ou simples cansaço dos ditadores? Ditaduras acabam de várias formas, mas ao que consta só existe um caso em que uma sangrenta e implacável ditadura tenha sido derrubada por uma série de comerciais de TV, como aqueles que vendem refrigerantes ou sabonetes.

Pois foi este o caso da ditadura de Augusto Pinochet, no Chile, quando os facínoras, forçados pelas pressões internacionais, foram obrigados a fazer um plebiscito para saber se o povo queria continuar oprimido ou preferia a liberdade.

Surpreendentemente, ganhou o “não” – em espanhol “no” – título do filme que conta esta incrível façanha midiática e agora candidato ao Oscar na categoria de melhor filme estrangeiro.

Hoje o marketing transformou-se em ingrediente obrigatório de qualquer campanha política, mas em 1988, quando a Guerra Fria chegava ao auge, era impensável enfrentar a extrema direita militar com uma série de spots publicitários alegres, animados, esperançosos para contrastar com o cheiro de chumbo que imperava no Chile.

No momento em que a mídia tradicional oferece inconfundíveis sinais de fadiga e falta de inspiração, para este Observatório da Imprensa é extremamente alentador registrar a vitalidade do cinema saído diretamente da realidade.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 815 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem