Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

INFORMAÇÕES PESSOAIS E A REDE

Reputação na internet

Por Alberto Dines em 26/08/2014 | Programa número 739 | comentários

Fontes bibliográficas citadas e consultadas

ALONSO, José Antônio Martínez. Dicionário de História do mundo contemporâneo. Espírito Santo: Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo (IHGES), 2000.

ALBUQUERQUE, Afonso de. Um outro 'Quarto Poder': imprensa e compromisso político no Brasil. In: Contracampo – revista do Mestrado em Comunicação, Imagem e Informação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Instituto de Arte e Comunicação Social: n.º 4, Janeiro de 2000.

BIRD, S. Elizabeth & Dardene, Robert W. 'Mito, registro e ‘estórias’: explorando as qualidades narrativas das notícias'. In Traquina, Nelson (org.). Jornalismo: questões, teorias e 'estórias'. Lisboa: Veja, 1993, p. 263-277.

CAMPBELL, Richard. 60 minutes and the news: a mythology for Middle America. Urbana & Chicago: Univ. of Illinois Press, 1991. 278p. Introd. p. xv-xxix; cap. I, p. 1-24. Trad. para o português de M.T.G.F. de Albuquerque. Rev. técn. de A. de Albuquerque.

CARVALHO, Samantha V. C. B. R. A internacionalização da mídia brasileira: a trajetória da Gazeta Mercantil. Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo (Umesp), 2001.

CHALABY, Jean K. Journalism as an Anglo-American invention: a comparison of the development of French and Anglo-American journalism, 1830s-1920s. European Journal of Communication, London [etc], v.11 n.3, p.303-326, 1996. Trad. para o port. por MTGF de Albuquerque. Rev. de A. de Albuquerque.

DARTON, Robert. 'Toda notícia que couber a gente publica'. In: O Beijo de Lamourette – Mídia, Cultura e Revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

DURING, Simon. The Cultural Studies Reader. London&New York, 1993.

FISH, Stanley. Is there a text in this class? The authority of interpretative communities. Cambridge: Harvad University Press, 1980.

GLASSER, Theodore L. & ETTEMA, James S. Investigative Journalism and the Moral Order. In AVERY, Robert K. & EASON, David. Critical perspectives on media and society. New York, London: The Guilford Press, 1991, p. 203-255.

GEERTZ, Clifford. 'O senso comum como um sistema cultural'. In: O saber local: novos ensaios em antrologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, 1998.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

LACHINI, Cláudio. Anábase – História da Gazeta Mercantil. São Paulo, Editora Lazuli, 2000.

LENE, Hérica. A Gazeta Mercantil na era digital: sobrevivência em um cenário de mutações comunicacionais?. Monografia apresentada como requisito da disciplina Estratégias Contemporâneas de Comunicação do Mestrado em Comunicação da UFF, Niterói-RJ, 2002.

MATTELART, Armand e Michèle. História das teorias da comunicação. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

MANUAL DE PRINCÍPIOS EDITORIAIS GAZETA MERCANTIL. Março de 2001 (publicação interna da empresa distribuída para os jornalistas da casa).

PARK, Robert E. A notícia como forma de conhecimento. In: The American Journal of Sociology. Universidade de Chicago, 1940.

QUINTÃO, Aylê-Salassiê Figueiras. O jornalismo econômico no Brasil depois de 1964. Rio de Janeiro: Agir, 1987.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo Dicionário de Economia. São Paulo: Editora Best Seller, 1999.

SCHUDSON, Michael. Discovering the News: a social history of american newspapers. New York: Basic Books, 1978, p. 3-11, p. 121-159.

SENNETT, Richard. Autoridade. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora Record, 2001.

ZELIZER, Barbie. Covering the body: the Kennedy assassination, the media, and the shaping of collective memory. Chicago & London: University of Chicago Press, 1992. 299p Cap. 1: Introduction: narrative, collective memory and journalistic authority. p. 1-13. Traduzido para o português por MTGF de Albuquerque. Rev. técn. de A. de Albuquerque.

O uso da rede de computadores do Palácio do Planalto para alterar o perfil dos jornalistasMíriam Leitão e Carlos Alberto Sardenbergdemonstrou mais uma vez a vulnerabilidade das novas tecnologias de comunicação e a necessidade de estabelecer protocolos de segurança mais aprimorados para assegurar a integridade do cidadão.

Para garantir que informações pessoais não circulem na rede contra a vontade do usuário, profissionais altamente qualificados são oferecidos por agências. O negócio é altamente lucrativo e empresas de gerenciamento de imagem empregam profissionais de SEO(Search Engine Optimization). Eles fazem o monitoramento em sites de buscas e deixam o cliente bem colocado nas primeiras páginas.

Hoje, as agências de comunicação unem jornalismo, relações públicas, manejo de redes sociais, publicidade e conteúdo e se esmeram em ferramentas para destacar o melhor do cliente e esconder o indesejável. Diversos mecanismos já foram criados. Alguns são usados para denegrir a reputação de internautas, o secret é um exemplo. Lançado no início do ano nos EUA, o aplicativo permite que mensagens anônimas sejam postadas. O recurso que virou febre entre os jovens possibilita a prática de bulling. O caso já virou alvo da Justiça, investigação da polícia e mobilizou debates nas escolas.

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 815 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem