Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

11 DE SETEMBRO – DEZ ANOS DEPOIS

Um dia para entrar na história

Por Alberto Dines em 24/01/2012 | Programa número 609 | comentários

 

Bem-vindos ao Observatório da Imprensa.

Um dia para entrar na história: o século 21 não começou em primeiro de janeiro de 2000 nem em janeiro de 2001. O novo século começou em 11 de setembro de 2001, há dez anos, quando quatro aviões sequestrados por terroristas islâmicos derrubaram as Torres Gêmeas em Nova York, destruíram parcialmente o Pentágono, em Washington e o quarto que deveria atingir a Casa Branca ou o Congresso foi desviado e igualmente destruído.

Foi o maior ataque terrorista de todos os tempos – 2996 mortos, também o mais diabólico, ou sofisticado, culminando uma escalada iniciada nos anos 60 no auge da Guerra Fria. Guerra total, absoluta, sem limites nem fronteiras, não entre estados, mas de uma facção contra uma sociedade desarmada e aberta, utilizando instrumentos civis contra alvos civis. O mundo mudou às oito horas e quarenta e seis minutos, hora de Nova York, de 11 de setembro de 2001: neste preciso momento inicia-se a era do terror, a era do medo, o tempo do vale tudo e da violência gratuita. Não há mais inocentes, todos são culpados e vulneráveis. O 11-S converteu o suicídio em arma de destruição em massa. Levou uma superpotência mundial a engajar-se em duas guerras regionais antecipadamente perdidas, degradou o sistema republicano da mais sólida democracia do mundo e nela instalou as sementes autoritárias.

O 11-S exibiu o quanto a mídia pode ser instrumentada pelo terror. Sem uma gigantesca repercussão, a intimidação terrorista não se completa. Como qualquer refém, sequestrada pelo terrorismo, a imprensa obedece. Mas não pode aderir, compactuar. O responsável pelo massacre do 11-S, Osama Bin Laden, foi punido e eliminado em primeiro de maio deste ano, porém o seu tenebroso projeto está mantido: nestes dez anos seus asseclas perpetraram cinco atentados contra instalações humanitárias das Nações Unidas, o mais recente há duas semanas na Nigéria. Pior: a Al-Qaida converteu a religião em arma de guerra, intoxicando de forma irreversível aqueles que seriam os naturais agentes da paz.

Um dia para entrar na história. Na história de todos: história ao vivo, em cores, em tempo real. Uma mudança que até hoje não foi inteiramente assimilada. Esta edição do Observatório da Imprensa é o observatório do mundo.

 

Programa exibido em 06/09/2011, reapresentado em 24/01/2012

Todos os comentários

Programas Anteriores

1 2 3 4 5 última

1 de 815 programas exibidos

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem