Segunda-feira, 18 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1063
Menu

OPINIãO > Expectativa

Tem alguma coisa estranha no ar. O que será que nos espera?

Por Ricardo Kotscho em 05/11/2019 na edição 1062

(Foto: Isac Nóbrega – PR)

Publicado originalmente no site Balaio do Kotscho

Manhã de domingo. O silêncio só é quebrado quando passa um maluco bêbado gritando no meio da rua: “eu tenho uma nega chamada Teresa”.

Conversei com muita gente neste final de semana e está todo mundo se perguntando o que pode acontecer na próxima, depois destes últimos dias atormentados.

Se alguém souber a resposta, por favor me informe. Tem alguma coisa estranha no ar, mas ninguém sabe o que é.

No noticiário anódino dos jornais de hoje, não há nenhuma pista.

Ficamos sabendo apenas que vai ser anunciado o novo “Pacotão do Guedes”, que propõe “uma reforma profunda ao país”.

De reforma em reforma, vão destruindo o que sobrou do Brasil após dez meses de desgoverno.

Nem li a matéria da manchete da Folha para não me estragar o domingo.

Com seu encantamento pelo modelo econômico ultraliberal do Chile, onde Guedes deu aulas nos tempos de Pinochet, dá para imaginar o que vem por aí.

O Posto Ipiranga só está querendo mudar de assunto, preocupado em “acalmar” os mercados diante das barbaridades faladas e praticadas nos últimos dias pelo clã dos Bolsonaro.

Guedes teme que os desatinos presidenciais prejudiquem o leilão do pré-sal marcado para quarta-feira, em que espera arrecadar R$ 30 bilhões num tesouro submerso avaliado em trilhões.

Na mesma semana, o STF deverá finalmente terminar o julgamento da segunda instância, que pode libertar o ex-presidente Lula.

Enquanto isso, o capitão-presidente corre para apagar todas as provas do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes tramado no condomínio onde ele e um filho têm casas.

Depois de ver seu nome envolvido numa reportagem do Jornal Nacional, ele alucinou, declarou guerra à emissora e resolveu entregar as investigações aos cuidados dos fiéis subordinados Sergio Moro e Augusto Aras, que já o inocentaram previamente.

Entre um passeio e outro na motocicleta nova que comprou e agora desfila por Brasília, o capitão não diz coisa com coisa aos repórteres, mistura reforma trabalhista com geração de empregos e faz ataques à imprensa e às instituições.

Personagens-chave do roteiro macabro, o motorista Fabrício Queiroz e o porteiro sem nome desapareceram do mapa.

Para evitar surpresas, Lauro Jardim informa no Globo deste domingo que Bolsonaro mandou Queiroz sumir com seu celular, mas não entregou ainda o dele às autoridades para acabar com as suspeitas sobre seu papel nesta história. Seria tão simples…

No JN de sábado, a Globo já baixou a bola e deixou Jair Bolsonaro falar à vontade, mas tem gente imaginando que novas revelações podem estar guardadas para o Fantástico.

Vida que segue.

***

Ricardo Kotscho é jornalista.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem