Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > BANCO NACIONAL NA PRIMEIRA PÁGINA

Todos os 10 indiciados mereciam manchete? E quem revelará o tamanho do "pendura" das empresas jornalísticas?

Por Alberto Dines em 05/09/1996 na edição 5

O décimo nome entre os indiciados nas investigações sobre fraudes no Banco Nacional foi o da nora do presidente da República, Ana Lúcia Magalhães Pinto, filha do fundador do banco. Passaram pelo paredón da imprensa os auditores, operadores financeiros e até o ex-vice-presidente de marketing.

Apenas os primeiros acusados mereceram primeira página. Nas edições do dia 20 de agosto, quando a ex-diretora de promoções culturais do Banco e nora do presidente foi indiciada, o caso subitamente voltou à primeira página dos jornalões. E a Folha brindou-o com a manchete principal. Se não fosse casada com o filho do Presidente, teria merecido o destaque?

Mas a grande questão embutida na quebra do Nacional continua ignorada pela imprensa, passados 10 meses da sua liquidação: qual é o calote das empresas jornalísticas no passivo total da instituição?

O Banco Nacional de Minas Gerais (depois, apenas Banco Nacional) não foi apenas "o banco que está a seu lado". Foi o banco que sustentou a imprensa brasileira – pessoas físicas e jurídicas – desde os anos 60.

A maioria dos jornalistas honraram os seus compromissos, grande número de empresas jornalísticas ficaram penduradas. E para que não fossem executadas judicialmente, seus débitos foram incorporados no prego do fundo perdido.

Se a imprensa reclama do PROER, por que não investiga e divulga o tamanho do buraco causado pela política de boa vizinhança dos bancos em relação à imprensa? Sigilo de banco quebrado não é para valer.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem