Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

PRIMEIRAS EDIçõES > MARXISMO & VEDETISMO

A esquerda e a batalha da comunicação

Por lgarcia em 05/06/2002 na edição 175

MARXISMO & VEDETISMO

Miguel Urbano Rodrigues (*)

Escritores, pensadores, cientistas sociais, historiadores e jornalistas gastamos pelo mundo afora milhares de horas na crítica e na análise do sistema de perversão midiática hegemonizado pelo imperialismo. Sabemos que essa engrenagem é muito mais do que um instrumento. Transformou-se hoje numa componente decisiva do próprio poder. Sem ela a globalização neoliberal não poderia funcionar e o desenvolvimento da estratégia de dominação mundial dos EUA seria inviável.

Não encontramos o mesmo interesse absorvente quando avaliamos o que faz e não faz a esquerda no mesmo campo. Temos refletido muito pouco sobre o desempenho das forças progressistas nesse terreno de confrontação.

A sua posição é de ostensiva inferioridade. Mas como aproveita ela o seu reduzido espaço de intervenção num sistema midiático rigidamente controlado pelo inimigo?

Mal.

O que se passa na imprensa escrita, na televisão e no rádio é conhecido. Mas porventura utiliza plenamente a esquerda as imensas possibilidades que lhe são abertas pela internet, um terreno onde a sua intervenção não pode ser impedida como nos outros meios, controlados pelos gigantes transnacionais?

A resposta é negativa. Um balan&ccedilccedil;o dessa intervenção insuficiente está por ser feito. Quando nos reunimos em eventos com a dimensão do Fórum Social Mundial ? e em conferências menos ambiciosas como o Fórum de São Paulo ? procedemos a inventários de grandes problemas, elaboramos diagnósticos sobre situações criadas pelo funcionamento da máquina da globalização neoliberal (crises asiática, russa e brasileira, argentina etc) e crimes praticados pelo sistema de poder imperial (Bósnia, Kosovo, Afeganistão, Palestina etc). Debatemos formas de luta contra ameaças tão perigosas como a ALCA .Trocamos idéias sobre a alternativa ao sistema responsável pela desigualdade crescente entre os povos e os homens.

Entretanto, no que se refere à comunicação ficamos na denúncia. Naom Chomsky e Ignacio Ramonet têm realizado um trabalho notável (é um bom exemplo) na iluminação do cenário e no desmascaramento dos métodos utilizados por aqueles que controlam os jornais e os meios audiovisuais.

Mas quase não olhamos para nós. Não submetemos a uma apreciação crítica o positivo e o negativo da presença da esquerda na rede.

Dois exemplos

Neste artigo não me ocuparei daquilo que de positivo (e muito é) tem sido empreendido com fracos recursos e quase sempre a partir de iniciativas modestas de partidos, movimentos sociais e organizações culturais e sindicais e também de esforços individuais.

Limito-me aqui a chamar a atenção para um fenômeno, se assim lhe posso chamar, que tem passado senão despercebido pelo menos sem o comentário que merece. Refiro-me à tendência de alguns intelectuais acadêmicos para aquilo que traduz uma postura arrogante e personalista. Eles acabam por aparecer como mais importantes do que aquilo que comentam analisam.

Em primeiro lugar surgem como enciclopédicos. Sentem a necessidade de se pronunciar sobre qualquer acontecimento relevante ocorrido no mundo. Atuam em todos os azimutes, como dizia o falecido general de Gaulle. Nas áreas da ideologia, da economia, da sociologia, das ciências exatas. Ao escreverem sobre aspectos da crise de civilização que vivemos não conhecem limites. Onde quer que irrompa uma crise que pelo seu significado ocupe as manchetes da televisão e da imprensa logo aparecem a comentá-la. Na internet, na TV, nos jornais. Seja ela na América Latina, na África, na Europa, num remoto país asiático. Os efeitos negativos desse enciclopedismo são agravados com freqüência pela estrutura do texto produzido. Porque ele é simultaneamente analítico, informativo e prospectivo. Os acadêmicos que assim procedem fundem o trabalho do cientista social com o do jornalista. É um fato que a informação se tornou instantânea. Mas, por ótimas que sejam as condições de trabalho dos que assim procedem, a pressa em escrever sobre acontecimentos muito complexos e recentíssimos, marcados por zonas obscuras, impede obviamente que a mensagem transmitida tenha uma elevada qualidade e credibilidade. A profundidade e a lucidez da reflexão, como síntese criadora, é decisivamente prejudicada pela insuficiência da informação e pela tendência do autor a misturar ambas a cada momento num labirinto onde o leitor se perde.

Os acadêmicos que não resistem ao apelo para intervirem de maneira fulminante no debate midiático sobre qualquer acontecimento polarizador da atenção mundial atuam, talvez sem disso tomarem consciência, movidos por um sentimento de vaidade, por uma insopitável fome de presença midiática.

Pierre Bourdieu afirmou há tempos que o cientista social de esquerda tem o dever de comunicar a um público tão amplo quanto possível o conhecimento adquirido no seu esforço laboratorial de muitos anos para compreender e interpretar a realidade que o cerca. Fica implícito que eticamente lhe está vedado transmitir como opinião aparentemente sedimentada aquilo que só conhece superficialmente. Mais graves ainda podem ser as conseqüências da tendência para a especulação dos autores que a ela se entregam a partir de conclusões assentadas em informações duvidosas. O prestígio dos seus nomes, inspirando confiança aos leitores, empresta então credibilidade a exercícios de futurologia que a não merecem.

Citarei hoje apenas dois casos que, a meu ver, tipificam bem essas atitudes O do americano James Petras e o do teuto-mexicano Heinz Dieterich, aliás diferentes.

Petras, professor de sociologia na Universidade do Estado de Nova York, é autor de duas dezenas de livros, alguns dos quais representam uma contribuição válida para o debate de grandes problemas do nosso tempo. Conquistou como escritor marxista o respeito da juventude do seu país e também o de amplos setores da esquerda na Europa e no Terceiro Mundo, nomeadamente na América Latina.

Identifico nele um intelectual a quem a audiência crescente, sobretudo após a revolução informática, prejudicou em vez de funcionar como estímulo positivo.

Escreve e fala num ritmo incompatível com a qualidade. Traz à memória aqueles intelectuais que Arthur Koestler retratou numa sátira famosa, scholars que peregrinam de congresso em congresso, de conferência em conferência para, afinal, escutarem o seu próprio e iluminado discurso sobre o presente e o futuro da humanidade. Nos últimos anos caíram as suas defesas contra a futurologia e entrou progressivamente no terreno movediço da especulação, aventura que, ele sabe, se desenvolve à margem de uma concepção marxista da história. Resiste mal à tentação de responder com exercícios prospectivos à eterna pergunta "que fazer?" ? que nos quadrantes da esquerda nasce, torrencial, da busca da alternativa ao capitalismo globalizado. Petras parece esquecer que o papel do intelectual no combate ao imperialismo não pode alastrar ao terreno das previsões guindadas a complemento rotineiro das análises.

Simultaneamente, ampliou o leque de temas e o compromisso com a atualidade factual, o que o leva com freqüência a subalternizar a análise, privilegiando uma visão jornalística das situações históricas.

Esse estilo de intervenção é acompanhado de uma agressividade antes não identificável nos seus textos. Dela é exemplo a diatribe que visou Perry Anderson, inspirada por um artigo em que o professor britânico propunha uma nova linha para a New Left Review.

Petras não somente deturpou trechos do trabalho de Perry Anderson como emitiu na sua crítica opiniões ofensivas, negando-lhe inclusive capacidade para aplicar o marxismo à realidade histórica. [A revista Herramienta <http://www.herramienta.com.ar/> reproduziu então os dois textos (Herramienta, Buenos Aires, Argentina, fevereiro de 2001)]

Não conheço pessoalmente James Petras, mas a própria projeção que os seus trabalhos alcançaram explica que chame neste artigo a atenção para as conseqüências do seu afastamento da anterior linha de intervenção política, descomprometida com o vedetismo midiático.

Diferente, como referi acima, é o caso de Heinz Dieterich. De comum a ambos existe apenas a tendência para uma intervenção constante sobre temas extremamente diversificados. Mas Dieterich, atualmente professor da Universidade Autônoma do México, é mais onisciente do que Petras e fala e escreve mais.

Sem ter uma obra acadêmica com aceitação comparável à do americano, Dieterich tornou-se nos últimos anos uma presença desejada na América Latina pelos organizadores de encontros internacionais sobre a problemática das idéias e temas econômicos e sociais da atualidade. Múltiplos sítios da internet divulgam artigos seus sobre uma enorme quantidade de temas. [Utilize a ferramenta de busca Google <www.google.com> para localizar textos de Heinz Dieterich e James Petras]

Dieterich é um incansável divulgador de uma teoria ? sistema cuja apologia faz nas conferências internacionais em que participa: o socialismo do século 21. O Novo Projeto Histórico, concebido e formulado pelo sueco Arno Peters, que teria sido o Marx do século 20, abre à humanidade, segundo ele, a porta da democracia participativa. Esta é uma ambição compartilhada por todas as forças progressistas do mundo, mas Dieterich exprime-se como se ela estivesse ao alcance da mão. Ignora a questão crucial do Poder. Não perde tempo a explicar como, na busca da alternativa, será atingido o objetivo prévio à construção do futuro: a derrota do inimigo, a destruição futura do capitalismo.

Em duas ou três conferências que lhe ouvi, Dieterich, para além da apologia de Arno Peters, cultivou um estilo de intervenção polêmico-futurista incompatível com os princípios mais elementares do marxismo.

Recordarei apenas um episodio. Em Março último, no México, ao abrir a Conferência Internacional de Solidariedade com a Colômbia e pela Paz na América Latina, Heinz Dieterich expressou um pessimismo total sobre o futuro da luta das FARC-EP, pouco faltando para convidá-las a depor as armas. Quanto à Venezuela Bolivariana sugeriu a renúncia de Hugo Chávez e o recomeço da luta a partir da base. Não cabe desenrolar aqui o novelo kafkiano exibido na tentativa de justificar as suas sugestões capituladoras, mas é útil registar que a intervenção de Dieterich provocou protestos muito generalizados, quase um sentimento de indignação entre os participantes, ali presentes para aprofundar a solidariedade com a luta dos povos da Colômbia e da Venezuela.

Essa atitude de Dieterich não pode ser negada. As suas palavras foram gravadas como as dos demais oradores.

Entretanto, semanas depois , Heinz Dieterich dizia já e escrevia o contrário, voltando, após o golpe, à apologia de Chávez e à defesa do combate travado pela heróica guerrilha de Marulanda.

A importância da coerência

Dieterich emerge, com o seu vedetismo midiático, como um exemplo da incoerência em política e do confusionismo que ela pode gerar entre os setores da esquerda que são influenciados por discursos como o seu e similares.

Seria uma conclusão falsa inferir do que escrevi que a minha posição é pessimista quanto ao comportamento global dos intelectuais de esquerda na batalha da comunicação.

Admito, pelo contrário, que ela tem melhorado à medida que se aprofunda a consciência de que a estratégia do sistema de poder imperial dos EUA ? na qual a globalização neoliberal cumpre um papel instrumental importantíssimo ? configura uma ameaça à própria sobrevivência da humanidade.

Mas precisamente porque a batalha das idéias me aparece como fundamental no âmbito da batalha global contra o capitalismo imperial, entendo que aqueles que nela intervêm direta ou indiretamente têm o dever de imprimir o máximo de autenticidade à sua reflexão sobre a intervenção dos intelectuais progressistas, sobretudo quando se assumem como revolucionários.

O charlatanismo e o exibicionismo dificultam muito a nossa luta. Já a vaidade é mais fácil de corrigir nos formadores de opinião demasiado sensíveis à sua própria popularidade.

São felizmente muito numerosos os exemplos de acadêmicos e pensadores que na esquerda, antes da era internet , deixaram memória não apenas pela criatividade no campo das idéias mas pela sua capacidade de transmitir o conhecimento acumulado com modéstia permanente. Recordo, entre outros, como inesquecíveis produtores-transmissores de saber os franceses Fernand Braudel, Charles Betelheim e André Gorz, o inglês Eric Hobsbawm e os americanos Paul Sweezy e Leo Huberman e quase todo o grupo dirigente da Monthly Review.

Hoje, quando a internet começa a pesar decisivamente na formação de opinião e, portanto, no rumo da História, sinto a tentação de apontar como exemplar o que nela aparece de criadores-comunicadores com o nível do português José Saramago, do uruguaio Eduardo Galeano, do canadense Michel Chossudovsky e do americano Noam Chomsky. São diferentíssimos uns dos outros. Os que os lêem ou escutam podem não perfilhar muitas vezes opiniões suas. Mas na esquerda inspiram todos um respeito e uma admiração irrestritos. Nas suas mensagens o talento e o saber são fecundados pelo eticismo e pelo humanismo.

Tentemos senão imitá-los, porque não são imitáveis, pelo menos extrair lições da forma como intervêm na grande batalha em que os intelectuais revolucionários se acham envolvidos.

(*) Jornalista e escritor português, membro histórico do Partido Comunista, morou e trabalhou por muitos anos do Brasil e hoje vive em Havana.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem