Quinta-feira, 25 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1034
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES >

A força dos plantadores de matérias

Por lgarcia em 20/10/1999 na edição 77

 

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Paulo

Não chegamos a uma conclusão, mas trabalhamos com algumas hipóteses para tentar entender o que se passou com a imprensa escrita na cobertura da paralisação e da manifestação que os servidores das creches diretas fizeram no dia 28 de setembro, em São Paulo.

A julgar pelo que saiu publicado, algumas perguntas vêm à cabeça: será que os jornais ainda carregam o preconceito contra o movimento sindical brasileiro, tão comum nos anos 80? Será que a imprensa escrita, em se tratando (no nosso caso) de funcionalismo, categoria eleita para ser a inimiga pública número um da “modernidade”, comprou a idéia e por isso nos retrata negativamente nas páginas dos jornais? Ou será que falta paciência e disposição para checar as informações?

O fato é que os jornais do dia seguinte à paralisação e à manifestação trouxeram um amontoado de informações erradas, divergentes e visivelmente parciais. O curioso é que pelo menos quatro diretores do sindicato deram entrevistas sobre o assunto, mas somente um foi citado e suas informações levadas em consideração, embora todos tenham dito a mesma coisa.

Ao menos neste caso a diretoria do Sindicato e os servidores públicos municipais de São Paulo podem ter a mais absoluta certeza de uma coisa: se a grande imprensa erra (e os motivos seriam tema para intermináveis debates), a Prefeitura erra mais ainda, ao divulgar informações contraditórias, demonstrando ser incapaz para a administração pública.

A seguir, vejam os motivos pelos quais o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Paulo protesta.

O que saiu na grande imprensa (escrita) sobre a paralisação dos servidores das creches municipais, em 28/9/99, e a manifestação, no mesmo dia, em frente ao prédio da Secretaria Municipal de Administração, na Avenida Paulista:

Agora S. Paulo

O jornal traz, simplesmente, uma foto-legenda que ignora a paralisação e informa que “mais de 500 ADIs [Auxiliar de Desenvolvimento Infantil] protestam na Av. Paulista”. O número é discutível, e nem só ADIs compareceram ao protesto. Por que o jornal não quis saber a versão do Sindicato?

Folha de S. Paulo

Sob o título “Greve deixa 10 mil sem creche”, a Folha trabalhou com os números divulgados pela Prefeitura e não considerou a opinião do Sindicato, apesar de ter entrevistado o diretor João Batista Gomes. Infelizmente, cometeu alguns erros.

Primeiro erro: o texto da Folha afirma que 104 creches pararam no dia 28/9, representando 40% do total das creches municipais. Isso significa que a Prefeitura, ao divulgar esse número à Folha, ignora quantas creches administra. Segundo listagem divulgada pela própria Prefeitura em maio deste ano, há 273 creches municipais, e não 260 como deixou transparecer o texto da Folha. Desse total, 55% das creches pararam totalmente seus trabalhos; as outras, parcialmente. Se a Folha tivesse checado a informação com o Sindicato encontraria com números divergentes. Mas preferiu correr o risco do erro ao divulgar como definitivo e verdadeiro o informe (errado) da Prefeitura.

Segundo erro grosseiro da Prefeitura assumido pela Folha: o texto informa que 1.874 funcionários (“47% do total ligado à administração direta”) paralisaram os trabalhos. Novamente a Prefeitura dá prova de incompetência. Se este número é verdadeiro, a Prefeitura afirma que trabalham nas creches municipais 3.987 servidores. A própria Prefeitura informa que nos respectivos Quadros Profissionais, publicado em Diário Oficial, trabalham nas creches municipais 10.050 ADIs. Considerando os que se aposentam, os que falecem, os que mudam de Quadro, os que saem da Prefeitura, podemos dizer que, devido à rotatividade, existem aproximadamente 7.500 ADIs. O dobro de funcionários, portanto.

Terceiro erro: considerando o número de creches paradas (104) divulgado pela Prefeitura e considerando que a média de funcionários nas creches municipais é de 28 ADIs (segundo informações da Prefeitura), bastaria à Folha fazer uma simples conta para verificar a bagunça que é a Prefeitura e, assim, desconfiar dos números que tinha em mãos. Encontraria 2.912 funcionários parados, e não 1.874.

Quarto erro: a Folha acreditou nos 1.874 funcionários parados divulgados pela Prefeitura, mas tenta justificá-los. Não sabemos se por iniciativa própria ou por informações da Prefeitura, a Folha confunde o leitor afirmando que o número de 7.500 funcionários divulgado pelo diretor João Batista Gomes é, na verdade, a soma de funcionários das creches diretas (municipais) e indiretas (conveniadas). De onde a Folha tirou essa informação? Creche conveniada não tem nada a ver com a Prefeitura, mesmo porque seus funcionários não são servidores públicos, são contratados em regime de CLT e seus problemas com alimentação são resolvidos de acordo com as leis trabalhistas.

Quinto erro: Em outra matéria correlata, a Folha novamente preferiu ficar com os números da PM (sem citá-la) sobre a manifestação ocorrida na Av. Paulista. Segundo a Folha, apenas 200 pessoas foram capazes de fechar a Paulista por quatro horas. Isto que é ter capacidade de persuasão para convencer a PM!!!

A Folha e a Prefeitura erraram feio.

Notícias Populares

Fez edição semelhante ao jornal Agora S. Paulo. Repete o mesmo número de manifestantes presentes na Av. Paulista, cerca de 500. Como jornais da mesma empresa publicam informações tão diferentes (FSP divulgou 200, o Agora e o NP, 500)?

Diário Popular

A matéria caminha bem até entrar nos números da paralisação. Erra o jornal porque preferiu também ficar com as informações da Prefeitura. Diz: “A Secretaria do Bem-Estar Social informou que 10.894 crianças (10% dos usuários de creche) ficaram sem atendimento ontem”. Ou seja, há 108.940 crianças nas creches municipais? Se isso for verdadeiro, quer dizer que em cada uma das 273 creches municipais há 399 crianças? Como podemos acreditar nesses números, se a própria Prefeitura estabelece critério (e até rigoroso) para funcionamento de uma creche municipal, de até 160 crianças? É só verificar o Diário Oficial do Município!!!!

De onde o jornal tirou a informação sobre as “4 mil Auxiliares de Desenvolvimento Infantil” que trabalham nas creches diretas? Da Prefeitura? Se sim, então temos um novo número?

O Diário, ao ficar com os números da paralisação divulgados pela Prefeitura, erra duas vezes. Primeiro porque os números, como já demonstramos, são discutíveis; segundo, o jornal foi alertado de tudo isso que dissemos e provamos. Preferiu nos ignorar?

O Estado de S. Paulo

O jornal simplesmente ignorou o fato. Limitou-se a registrar o enorme congestionamento no trânsito causado por protestos de perueiros e o rompimento de uma adutora. Deixou para o Jornal da Tarde, que parece ter tido o bom senso de desconfiar dos números da Prefeitura, cobrir a manifestação e a paralisação nas creches.

Os servidores novamente pararam suas atividades no dia 5 de outubro e, desta vez, fizeram manifestação em frente à Secretaria de Finanças, seguindo em passeata até a Câmara Municipal, onde estava se realizando um protesto de perueiros [motoristas de van] e condutores de ônibus. Novamente um festival de informações erradas voltou a ocupar os jornais. Uma foto do jornal Agora limitou-se a dizer que a multidão (as três categorias juntas) era formada apenas de perueiros. O Diário Popular insistiu nos números absurdos e contraditórios da Prefeitura e, surpreendentemente, afirmou que não mais de 200 servidores (quando tinha no mínimo 1.000) participaram da passeata.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem