Quinta-feira, 19 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

PRIMEIRAS EDIçõES >

A volta triunfal do jornalismo fiteiro

Por lgarcia em 30/12/2003 na edição 257

ENTRA GOVERNO, SAI GOVERNO

Alberto Dines

A gravação da reunião do ministro Antonio Palocci com a bancada do PT na Câmara (ocorrida na sexta-feira, 31/1) não foi autorizada pelos presentes. Foi clandestina. Portanto, foi ilegal a entrega da fita que reproduz a áspera discussão a um jornal e, em seguida, distribuída pela internet.

A gravação foi feita por um deputado interessado em tornar pública a discussão entre as alas mais radicais do partido e o governo. O jornal confiava na fonte, a fonte confiava nele ? negócio limpo, o que não minimiza a infração.

A matéria fez barulho, revelou um racha de razoável tamanho no partido do governo, a direção do PT reagiu impulsivamente mas o saldo desta rentrée do jornalismo fiteiro foi péssimo para a imprensa.

O que aconteceu na tumultuada reunião do PT viria à tona naturalmente sem a necessidade recorrer ao pseudogrampo. Brasília tem um excelente quadro de repórteres políticos que dispensa o uso de recursos desse tipo. E o leitor começa a se cansar do tom de escândalo que envolve nossa vida política inclusive num caso claro de divergência ideológica.

As fitas e grampos que a mídia divulgou com enorme estardalhaço na Era FHC obedeceram aos mesmos procedimentos:

** Interesses contrariados acionam um gravador escondido.

** Veículos interessados em fazer barulho divulgam sem um suporte investigativo.

** A contravenção legitima-se pela repercussão.

Chicanas e golpes de mão fazem parte do jogo político mas o contrato da sociedade com a imprensa pressupõe um distanciamento crítico e, não, o reforço destes métodos.

Leia também



Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem