Ajuda ou desserviço? | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Terça-feira, 21 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES > THE WASHINGTON POST

Ajuda ou desserviço?

Por lgarcia em 23/10/2002 na edição 195

THE WASHINGTON POST

Depois dos ataques contra o Pentágono e dos casos de cartas com antraz ainda não resolvidos, é um franco-atirador, que já matou nove pessoas, que amedronta a população de Washington. O ombudsman do Washington Post, Michael Getler [13/10/02], chama atenção para o furo da afiliada local da CBS ? WUSA-TV ou Canal 9 ?, que revelou que o assassino havia deixado uma carta de tarô como pista para a polícia. O Post averiguou a história imediatamente e deu a primeira página para o assunto no dia seguinte.

Charles Moose, chefe de polícia que tem sido o representante das autoridades em muitas das coletivas de imprensa sobre o caso, repreendeu severamente os dois veículos de comunicação, afirmando que atrapalharam as investigações. "Não recebi mensagem dos cidadãos do condado pedindo que o Canal 9, o Post ou outro veículo de comunicação resolvessem esse caso… Se fizerem isso, me avisem. Vamos resolver outros casos de polícia e deixar este com a mídia. Podem resolvê-lo", ironizou.

Leitores escreveram ao jornal concordando com o policial e reclamando que o Post nunca poderia se sobrepor à autoridade do governo. Alguns poucos elogiaram a iniciativa de dar a notícia. Getler acha que a decisão de noticiar a primeira pista deixada por um assassino que aterroriza a cidade foi acertada. Leonard Downie, editor-executivo do jornal, argumenta que não poderia deixar de dar o fato já que tinha passado na TV e seria um assunto muito comentado naquele dia. Ele acredita que pessoas que conhecem o atirador poderiam ser alertadas por esse vestígio. Além disso, destaca Getler, a informação da carta foi dada à imprensa por fontes anônimas da polícia ? tanto para o Canal 9, quanto para o Post, quando este quis confirmar sua veracidade. Em nenhuma vez as autoridades pediram sigilo de informações sobre o caso. Somente uma das fontes alertou que se o dado da carta de tarô vazasse, as investigações poderiam ser prejudicadas, o que saiu no jornal e ajudou nos ataques contra ele.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem