Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

PRIMEIRAS EDIçõES >

Alcoolismo sem causa?

Por lgarcia em 20/05/1998 na edição 45

M.M.

 

O

Jornal Nacional (13/5/98) mostra estudantes americanos em batalhas com a repressão para reivindicar o direito de encher a cara até cair (mortos, se for o caso). Nada sobre possíveis motivos de inquietação, mal-estar. Parece que os estudantes são, “naturalmente”, animais movidos a selvageria. Vikings (de Hollywood) modernos.

Muita gente douta e talentosa acha mesmo que a humanidade é assim. A Bíblia fornece numerosos testemunhos dessa visão de mundo.

O Jornal Nacional (16/5) mostra um rapaz preso sob acusação de ter matado o pai (dono do Diário do Comércio de Belo Horizonte) e a mãe. Um policial: Dei conselhos para ele não bater nos pais. Um tio: destruído pela droga. No texto lido em off pelo apresentador, nem uma palavra sobre o assunto.

A imagem do drogado diz tudo? Nada.

As coisas simplesmente acontecem. Como fatalidades.

Está encerrado o assunto? Não. A Rede Globo tem uma mágica. Seu papel sociopolítico não se estrutura só no noticiário, claro, ramifica-se capilarmente pela programação. Para o mal e para o bem.

Novela Por Amor, minutos depois da notícia do assassinato a facadas em Belo Horizonte.

Paulo José é alcoólatra, acaba de perder mais uma vez o emprego. Sua mulher condena o alcoolismo. Cena longa, diálogos diretos. O pai diz ser melhor morrer. A filhinha o abraça. Seus olhos azuis choram. Condenação do álcool, que faz perder o emprego e a auto-estima. Nessa cena crucial não se diz por que Orestes bebe.

A mídia – em versão noticiosa ou ficcional – não está hoje à altura de um mundo de exigências morais e novos direitos erguido sobre amargas, pavorosas experiências. Conhecimento não garante nada (o povo alemão era dos mais instruídos quando engendrou a barbárie nazista), mas é requisito indispensável para projetar esperança.

Os publicitários se fazem de desentendidos. Associam bebida a valores irresistíveis. Recusam-se a colaborar na redução de acidentes nas estradas. Na Rodovia dos Bandeirantes, entre São Paulo e Campinas, há um outdoor gigante, monumento de cara-de-pau: “51. Uma boa idéia: usar cinto de segurança”. Para as autoridades rodoviárias, é perfeito.

Voltemos aos estudantes americanos ensandecidos.

Quem sabe a sociedade os assusta? Quem sabe a competição no campus os apavora?

Leiam o que dizem John Burns e John Gatto (ver abaixo remissão para “Perguntas ausentes”).

Leiam Rubem Braga.

Facilito a tarefa. A citação é longa. Mas é Rubem Braga. Música:

“Nascem varões. (….) O que talvez nos perturba um pouco é esse sentimento da continuação do mundo. Esses pequeninos e vagos animais sonolentos que ainda não enxergam, não ouvem, não sabem nada, e quase apenas dormem, cansados do longo trabalho de nascer – ali está o mundo continuando, insistindo na sua peleja e no seu gesto monótono. Nós todos, os homens, lhes daremos nosso recado; eles aprenderão que o céu é azul e as árvores são verdes, que o fogo queima, a água afoga, o automóvel mata, as mulheres são misteriosas e os gaturamos gostam de frutas. Nós lhes ensinaremos muitas coisas, das quais muitas erradas e outras que eles mais tarde verificarão não ter a menor importância. (….) Escondidas nas dobras de bandeiras e flâmulas, nós lhes transmitiremos, discretamente, nossas perplexidades e nosso amor ao vício (….). Muito devagar, e com astúcia, vamos lhes passando todo o peso de nossa longa miséria, todos os volumes inúteis que carregamos sem saber por que, apenas porque nos deram a carregar. Afinal, isto pode ser útil: afinal, isto pode ser verdade; isto deve ser necessário, visto que existe. (….) Agora [os pais] estão com a consciência tranqüila; agora podem começar a nobre tarefa de transmitir ao novo ser o seu vício e a sua malícia, a sua tristeza e o seu desespero, todo o remorso dos pecados que não conseguiram fazer, todo o amargor das renúncias a que foram obrigados. O menino deve ser forte para agüentar a vida – esta vida que lhe deixamos de herança. Deve ser bem forte! Forremos sua alma de chumbo, seu coração de amianto.”

 


M.M.

 

N

o final do texto de Ana Maria Bahiana reproduzido no Entre aspas desta edição lê-se:

“A entrevistadora quer saber se existe algo que [Peter] Hammil lamente em sua vasta carreira – que inclui um dos relatos mais completos do assassinato de Bob Kennedy, um amigo pessoal que Hammil viu ser baleado à distância de meio metro. ‘Ter sido amigo de Bob’, Hammil diz depois de uma longa pausa. ‘Ele era notícia e eu não acredito em jornalistas que são amigos da notícia’.”’

Após a morte de Luís Eduardo Magalhães, jornalistas ostentaram como virtude algo que em tempos idos e vividos era problema, não solução: ligação de amizade com figura da vida pública. No sistema de graduação do universo político brasiliense, conta pontos. Os jornais não disciplinam mais essa esfera de comportamento. E o orgulho corporativo dos jornalistas tornou-se cumplicidade corporativa.

Estamos no capítulo das drogas. O que tem uma coisa a ver com outra?

Ocorre que, quanto mais íntimo de Luís Eduardo o narrador, mais distante passou, por cavalheirismo, de um fator que contribuiu poderosamente para interromper sua vida e sua carreira política: álcool. Falou-se do cigarro, não do álcool. Falou-se de stress, não da maneira como o deputado o enfrentava. Frase do cardiologista Bernardino Tranchesi publicada em IstoÉ (29/4/98): É claro que se ele não tivesse fumado tanto o quadro não teria se agravado. Mas não posso julgá-lo. Ele enfrentou muitos problemas pessoais que levaram a isso.”

Não se explicou direito como o coração de Luís Eduardo sucumbiu. Não se trata de condenação moral. Trata-se de compreender. Ocultar os fatos já é atribuir-lhes conotação negativa. Julgamento feito em petit comité. Como tanta coisa mais que afeta muita gente.

 

LEIA TAMBEM

Perguntas ausentes, entrevista com John Burns

Ana Maria Bahiana, Entre aspas

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem