Bernardo Ajzenberg | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

PRIMEIRAS EDIçõES > ***

Bernardo Ajzenberg

Por lgarcia em 22/07/2003 na edição 234

FOLHA DE S. PAULO

"Terno, boné, jóia, Rolls Royce", copyright Folha de S. Paulo, 20/7/03

"Uma das poucas certezas, quando Lula tomou posse, era de que o advento do ex-metalúrgico ao posto de presidente da República criaria fatos simbólicos inusitados, alteraria o cenário do Planalto, do Alvorada e da Granja do Torto. O desafio era captar os detalhes que configuravam o novo ?espírito? -e isso valia para as figuras do presidente e da primeira-dama.

Destaquem-se a reativação da churrasqueira do Torto, as peladas, a cadela Michele, o apego ao contato direto com a população; lágrimas, suor, barbas no poder.

Na última quarta-feira, porém, o noticiário deu sinais de que, passados 180 dias, esse item da pauta cobra uma revisão.

Naquele dia, todos os jornais publicaram com enorme destaque em suas capas a gafe do cerimonial da Corte espanhola, que fechou a porta do Rolls Royce onde estavam Lula e Marisa logo depois da descida dele e antes de que ela pudesse deixar o veículo também (veja ao lado).

Episódio curioso? Claro. Merecia registro? Sim. Mas é evidente que houve exagero no espaço dado à divulgação de um evento secundário, pelo qual nem o presidente nem sua mulher tiveram responsabilidade.

Da mesma forma, explorou-se à solta que Lula usou terno num jantar de gala no qual a realeza espanhola vestia casaca ? fato que, como informou o colunista Clóvis Rossi na sexta, não só já tivera antecedentes como estava previsto, sem problemas, nos acertos prévios de cerimonial.

Uma coisa é revelar, como fez a Folha semanas atrás, o usufruto, pela primeira-dama, de serviços pessoais gratuitos, de jóias cedidas (depois devolvidas) etc. Isso diz respeito, sim, a uma questão ética -e simbólica- relevante.

O uso do boné do MST pelo presidente da República também não deixou de expressar um titubeio -tanto que Lula, agora, veste um boné atrás do outro justamente para ?diluir? aquele dos sem-terra.

Estamos, até aí, no terreno da crítica legítima, democrática; da apuração jornalística polêmica, mas saudável e necessária.

Já o tratamento dado aos casos do Rolls Royce e da casaca -registre-se que a Folha não fez, aqui, o pior papel- escorrega para um outro terreno: o da gozação, da galhofa ou, para usar o termo de uma leitora indignada, da simples esculhambação.

Passados os seis meses iniciais do governo Lula, seria bom que os jornais atualizassem o modo de tratar aquela primeira questão, a dos símbolos. No mínimo para não verem o que era legítimo jornalisticamente se deformar em instrumento de uma oposição política que, para desgastar e desqualificar a figura presidencial, agarra-se a qualquer pretexto."

***

"Morto é morto", copyright Folha de S. Paulo, 20/7/03

"Cresce a dramaticidade da situação das tropas anglo-americanas no Iraque, que esperavam deixar o país em breve.

Fala-se em ?guerra de guerrilha? por parte de resistentes pró-Saddam Hussein e em permanência das forças de ocupação, agora, por tempo ilimitado.

Toda a imprensa, internacionalmente, fez bastante barulho em torno do fato de que o número de soldados americanos mortos na Guerra do Iraque, contando o período pós-conflitos (oficialmente encerrados em primeiro de maio), já superou o da Guerra do Golfo (1991).

Não é pouca coisa, em especial para as pretensões de reeleição do presidente George W. Bush. Ainda mais se a isso se somam as dificuldades dos EUA e da Grã-Bretanha para demonstrar serem verdadeiros os motivos alegados para invadir o Iraque (armas de destruição em massa, laços de Bagdá com a rede terrorista Al Qaeda).

Um levantamento divulgado em texto do site ?Editor & Publisher?

(editorandpublisher.com), na última quinta-feira, indica, porém, que a situação, é ainda mais grave do que informam as TVs e os grandes jornais norte-americanos.

Estes, como também a Folha, têm publicado, em regra, apenas o número de soldados ?mortos em combate?, nas chamadas ?ações hostis?. Seriam, até a última sexta, cerca de 150.

Citando um outro site, criado para contabilizar as perdas de militares da coalizão com base em diferentes fontes oficiais, a reportagem do ?E&P? informa, no entanto, que, considerado o conjunto das mortes, o total chega a pelo menos 224 americanos, sendo 85 a partir do ?final? da guerra (ante o total de 33 que a mídia publica, como ?mortos em combate?, desde 2 de maio).

O dado é importante não só porque, em síntese, ?morto é morto?, como se diz, mas também porque, segundo o texto, as tais mortes ?fora de combate? ? analisadas uma a uma pelo site- não teriam acontecido tão ?fora de combate? assim.

Assinada por Greg Mitchell, a reportagem argumenta: ?Pode-se afirmar com segurança que quase todas essas pessoas estariam vivas se já tivessem retornado aos Estados Unidos?.

É difícil assegurar que os números analisados ou contabilizados nesses sites sejam, também, totalmente verdadeiros (podem existir, até, outros levantamentos que ignoro). Mas eles devem servir como alerta para que o jornal não se limite às estatísticas parciais divulgadas pelo governo ou pela mídia dos EUA.

Não seria o caso de acoplar aos dados oficiais de ?mortos em combate? alguns números -como esses, por exemplo, dos ?fora de combate?- que permitam oferecer aos leitores uma visão a mais e, portanto, algo mais próximo da realidade?"

***

"Domesticar o ?off?", copyright Folha de S. Paulo, 20/7/03

"O caso de Jayson Blair, aquele repórter-inventor demitido do diário ?The New York Times? em maio, atordoou a mídia no mundo todo e impôs a necessidade de várias revisões de rumo.

Na última quinta, a Folha demonstrou internamente disposição para encarar pelo menos duas delas: a redução do uso de informações em ?off? no jornal e, ligado a isso, um redesenho preventivo e transparente na relação de confiança existente entre repórteres e editores/superiores.

Um comunicado interno aos jornalistas assinado pela editora-executiva, Eleonora de Lucena (de quem obtive autorização para reproduir aqui a íntegra do texto), afirma o seguinte:

?O emprego de informações ?off the record? está banalizado no jornal. É preciso redobrar os cuidados na apuração e os controles na edição de notícias obtidas desse modo. Sempre que solicitados, repórteres devem comunicar a origem dessas informações aos seus superiores hierárquicos. Estes, conhecendo a identidade das fontes que são mantidas no anonimato, devem cuidar da manutenção do sigilo. Como estabelece o ?Manual da Redação? (pág. 46), é necessário checar e cruzar esses dados, assegurando a confiabilidade da notícia e verificando os interesses em questão.?

Em tese, essas observações implicam maior controle, mais rigor do jornal para consigo próprio -como organismo, não como uma reunião de individualidades-, no sentido de tentar reduzir as chances de vir a publicar informações falsas ou de ser manipulado, sem saber, por fontes pouco confiáveis.

Se forem efetivamente aplicadas, será bom para os jornalistas, bom para o jornal e melhor ainda para o leitor."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem