Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

PRIMEIRAS EDIçõES > ***

Bernardo Ajzenberg

Por lgarcia em 12/08/2003 na edição 237

FOLHA DE S. PAULO

"Acertos e erros", copyright Folha de S. Paulo, 10/8/03

"Os jornais costumam manter em arquivo específico material sobre celebridades ou personagens importantes, em especial daquelas que, mesmo gozando de boa saúde, já se encontram em idade avançada, para poder editá-lo rapidamente em caso de morte. A Folha, por exemplo, possui um banco de dados regularmente alimentado para tanto. E assim foi feito no caso de Roberto Marinho.

Apesar disso, na cobertura de sua morte, quarta-feira à noite, o jornal, se soube acertar no atacado, apresentou no varejo traços que exigem reflexão.

Há uma bizarra tradição, no país, de glorificar mortos ilustres, apagar possíveis divergências ou rivalidades, ressaltar os aspectos positivos e camuflar eventuais dados biográficos nem sempre elogiáveis; enfim, beatificá-los.

A Folha, corretamente, não adotou esse procedimento -em boa parte dos casos, hipócrita.
É verdade que, quinta-feira, foi o jornal que mais páginas (três, na edição SP) dedicou ao fato, superando o próprio ?O Globo? (este deu duas e deixou para sexta a edição de um alentado caderno com 28 páginas).

Além disso, chamou para o ocorrido no alto de sua Primeira Página, enquanto o ?Estado de S.Paulo?, quase lacônico, deu apenas uma página interna e destaque bem inferior na capa.

Mas a generosidade da Folha não se refletiu no conteúdo. Ao contrário: o tom do noticiário, nesse primeiro dia, foi ostensivamente crítico, o mais crítico dentre os principais jornais do país. E aqui, acredito, houve até mesmo algum desequilíbrio.

Numa biografia de página inteira com fatos pessoais e histórico empresarial e político de Marinho, por exemplo, o jornal omitiu facetas que costuma aplaudir no caso de outros atores, como a existência da Fundação Roberto Marinho e suas atividades no chamado Terceiro Setor ou as campanhas de ?integração? da Rede Globo.

Em outra página, nenhuma das frases pinçadas do arquivo para ilustrar idéias do empresário tinha caráter positivo; todas, de certa forma, o desabonavam.

Nessa mesma edição, embora houvesse uma reportagem específica (superficial, registre-se) sobre a atual situação econômica das Organizações Globo, o jornal fez questão de incluir, no texto principal sobre a morte, uma frase, ali, destoante, dispensável: ?A morte do empresário ocorre no momento em que as (suas) empresas vivem sua maior crise financeira?.

Como se fosse para ?compensar? esses desvios, incluíram-se o artigo de um colunista com tom elogioso, além das tão inúmeras quanto superficiais e esperadas declarações laudatórias de empresários, políticos etc.

Melhor tudo isso, sem dúvida, do que uma opção editorial militante em favor de um lado ou de outro. Desconfio, no entanto, do resultado desse jogo editorial de compensações. Pois ele, normalmente, embute, na prática, a omissão de dados ou fatos e/ou expõe um esforço, às vezes pueril, de ?marcar posição? a toda hora, a qualquer custo.

Em termos jornalísticos, o ideal seria a busca (mais difícil) de uma imparcialidade orgânica, intrínseca, presente em cada elemento da edição. Ou seja: uma biografia equilibrada; frases ?boas? e frases ?ruins?; a divulgação de pontos de vista menos panegiricais ao lado do ôba-oba oportunista.

Cabem, ainda, outras ressalvas à cobertura da Folha.

Somente no segundo dia (sexta-feira), o jornal publicou um texto aprofundado (com teor crítico) sobre o histórico empresarial de Marinho, mostrando as dimensões, o alcance, o peso e o poder de seu grupo -elementos que só então, aliás, sustentavam o amplo espaço a ele dedicado no dia anterior.

Fizeram falta também, ao menos até a edição de ontem, algumas iniciativas jornalísticas úteis para compreender a personalidade que morreu, sua carga simbólica, sua importância: análise do impacto social e cultural da Rede Globo, notícia de como a morte repercutiu no exterior, depoimentos ou revelações inéditas e exclusivas de caráter pessoal ou público sobre a vida do empresário.

Claro que a cobertura da morte de alguém como Roberto Marinho
não se esgota em um ou dois dias. Desdobra-se. Repercute
na mídia nacional e internacional. Mas os aspectos positivos
e negativos do seu primeiríssimo momento, como procurei destacar
aqui, dizem muito sobre os seus autores."

***

"?Erramos? on-line", copyright Folha de S. Paulo,
10/8/03

"Eis uma boa notícia: desde sexta-feira, a ?Folha Online?,
site noticioso da Folha na internet, instituiu uma página
de ?Erramos?, voltada para expor erros de conteúdo divulgados.

O botão para acessá-la está em lugar de destaque
no alto da tela (o chamado primeiro ?scroll?), logo abaixo das editorias.

Instado por mim a explicar a medida, o diretor-executivo interino
da ?Folha Online?, Ricardo Feltrin, afirmou:

?Concluímos que não bastava mais corrigir eventuais
erros de informação somente dentro das matérias
já publicadas. Isso é muito fácil na internet,
porque você abre o texto no micro, troca o erro pela informação
correta e pronto. Mas, e quem já leu a informação
errada? Como fica? Então, temos obrigação jornalística
de dar aos leitores a total visibilidade dos nossos erros e sua
correção. Nós e nossos leitores só temos
a ganhar com isso e absolutamente nada a perder.?

A conferir.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem