Terça-feira, 24 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº963

PRIMEIRAS EDIçõES > 08/10/2003

Bernardo Ajzenberg

Por lgarcia em 14/10/2003 na edição 246

"Crítica Interna", copyright Folha Online (www.folha.com.br/ombudsman)

"14/10/2003

Todos os jornais destacam em suas capas hoje (sendo três dentre os principais em manchete) a crise político-institucional na Bolívia, que já soma mais de 50 mortes. O que anão dá para entender é o fato de que nenhum deles tenha, até agora, um enviado especial ao país vizinho, cujo histórico de radicalizações é bastante conhecido (ver nota específica). Outros dois destaques do dia são as atuações de Lula e de Palocci como bombeiros nos casos das negociações da Alca e da crise na cúpula da Receita Federal.

Primeira Página

O texto-legenda ?De rodas para o ar?, sobre caminhão que tombou na Anchieta, não informa o que aconteceu com o motorista. Ele se feriu? A origem da omissão pode estar na Panorâmica da pág. C3 sobre o acidente, que tampouco apresenta essa informação.

Dirceu? Fidel?

O décimo parágrafo do texto ?João Paulo critica inspeção da ONU no país? (abre da pág. A6) menciona o nome Dirceu, e a ele atribui afirmação, sem dizer de quem se trata. Faltou capricho no acabamento, certo?

Exatamente o mesmo acontece com Fidel em Panorâmica da pág. B6 (?Chanceler da Argentina faz visita a Cuba e cobra dívida de US$ 1,9 bi?).

Para especialistas

1) A retranca ?Políticos pretendem ?forçar? um aumento de R$ 4,5 bilhões na Saúde? (pág. A6, Brasil) a municípios ?com o menor IDH? sem decifrar a sigla e seu significado;

2) Faltou um ?para entender o caso? em ?Palocci enquadra secretário e corregedor? (pág. A7);

3) Faltou um mapa de Israel e dos territórios palestinos para ajudar o leitor a entender o que se quer dizer na reportagem ?Moderados propõem plano de paz simbólico? (Mundo, pág. A12);

4) O que é e como funciona a tal consulta pública a que se refere a reportagem ?PPP vai a consulta pública hoje? (Dinheiro, pág. B4)? Não há explicação.

Bolívia

A Folha marca um ponto positivo na cobertura de hoje sobre a crise boliviana com o texto de análise apresentado na pág. A10. Ele ajuda a entender a situação. Isso não deve apagar, porém, a evidente falta que fazem relatos capazes de transmitir a chamada ?cor local? dos acontecimentos, o comportamento nas ruas, a atuação da mídia, se há e o que fazem os brasileiros agora ali etc. Falta um enviado especial a um país em ebulição –e com histórico de conflitos políticos e sociais conhecido– nas nossas barbas.

No ar 1

O side ?Depois da guerra? (pág. A12) mostra foto do garoto iraquiano Ali Abbas e, no texto afirma que ele, que perdeu os braços na Guerra do Iraque, recebeu depois, no Reino Unido, membros artificiais. Na imagem, porém, ele está sem braço. A foto, então, é antiga? O crédito, sem menção a datas, dá a entender que não, que ela seria de ontem. Fica no ar uma confusão…

Acabamento

1) A capa de Dinheiro (?Lula decide moderar discurso sobre a Alca?) destaca no alto uma frase do assessor Marco Aurélio Garcia que, no entanto, não aparece em nenhuma das reportagens da edição referentes ao assunto. De onde essa frase veio? Onde e quando foi pronunciada? Não dá para saber;

2) O texto ?Stedile envia apoio à política do Itamaraty? (na pág. B3) chama de G-X o grupo de países criado sob a liderança brasileira em Cancún. Por que o ?X??

No ar 2

Não me parece claro o motivo pelo qual os funcionários da Caixa Econômica Federal decidiram entrar em greve se, conforme o quadro publicado na pág. B4, a CEF já atendeu às suas reivindicações. O texto (?Bancários do BB e da Caixa aprovam greve?) não permite uma conclusão a esse respeito.

Enxertos

Há um visível e louvável esforço em busca de clareza e de didatismo no texto e na arte do abre ?Doença se alastra nos laranjais por infecção? (Agrofolha, pág. B10). Ainda assim, não consegui, leigo que sou no tema, entender ou visualizar como o tronco de uma laranjeira com problemas pode ser substituído por outro, com o uso de um porta-enxerto, mantendo-se aproveitável a copa da árvore. É um detalhe, claro, mas o fato é que a reportagem desperta essa curiosidade e, a meu ver, não consegue satisfazê-la.

Outro lado

Faltou o do Planalto em ?Industrialização do Pantanal opõe novamente Lula e os ambientalistas? (Cotidiano, pág. C 5), que traz afirmação de um dirigente ecologista segundo o qual ?Lula não sabe do que está falando…?.

No ar 3

O abre ?Poétrica? dá ao público controle da cidade? (título um tanto exagerado…), na pág. E 3 (Ilustrada), mostra como devem funcionar os três painéis eletrônicos da cidade nos quais as pessoas poderão expor uma frase durante alguns segundos –trabalho da ?ciberartista? Giselle Beiguelman.

Não dá para entender, porém, um trecho importante do texto: ?…cuja proposta é transformar cada mensagem –de até no máximo 60 caracteres– enviada em um texto escrito com fontes não-fonéticas, o que criaria um novo significado ao texto inicial?. Sinceramente, aqui eu boiei.

Esclarecimento

A editoria de Ciência afirma que saiu na posição correta a foto de uma abelha pousada numa flor publicada na edição de ontem e que eu imaginei, conforme a nota ?Imagem? da crítica diária, pudesse estar de ponta-cabeça.

Agradeço o esclarecimento.

13/10/2003

Michael Schumacher, com a conquista de seu hexacampeonato de F-1, ancorou as capas de hoje. Todos os principais jornais destacaram exatamente a mesma foto (o piloto alemão abraçado a Rubens Barrichello e ao diretor da Ferrari Jean Todt), da agência EFE. Nem mesmo o amistoso da seleção brasileira com a Jamaica obteve essa unanimidade. Bom diferencial na Folha, hoje, é a entrevista ?a quente? com o ex-petista Eduardo Jorge, dissidência de alto valor simbólico.

Gelada

Pareceu-me exagerado o espaço dado na pág. A4 a uma foto literalmente fria (de agosto passado) da Patagônia como ilustração da reportagem ?Kirchner e Lula ?fogem? para geleiras?. Qual é o sentido dela? Não sabemos nem mesmo se se trata de uma vista de Calafate, o paraíso turístico onde os dois presidentes deverão se reunir no dia 17. Um mapa, creio, teria sido bem mais útil para o leitor.

Acabamento

1) Algum detalhe de comando, suponho, fez com que as letras ?NM? aparecessem à frente de todas as respostas do entrevistado Roberto Garretón no pingue-pongue ?Representante da ONU rebate as críticas? (Brasil, pág. A5). O que ocorreu?

2) A sub ?Pressão motiva e une os são-paulinos? (Esporte, pág. D3) cita um tal ?chileno?, inclusive com frase dele entre aspas, sem dizer de quem se trata. Faltou o nome do técnico Rojas, certo?

Tijolaço

Exigia pelo menos um ou dois intertítulos o texto de abre de Mundo (?Novo ataque mata ao menos 6 em Bagdá?, na pág. A8).

Sísifo

1) Faltou informar a idade de Iasser Arafat no texto ?Premiê palestino diz que renuncia no próximo mês? (Mundo, pág. A8), segundo o qual o presidente da ANP apareceu numa reunião ?bem disposto, sem sinais de saúde debilitada, como na semana passada?;

2) O mesmo ocorre no texto-legenda ?Jubileu de prata?, que mostra um João Paulo 2o ?aparentando cansaço? durante evento ontem na praça São Pedro (Vaticano);

3) Faltou informar a idade do historiador Manolo Fiorentino, que desafia idéias de Roberto Schwarz, cuja idade está devidamente registrada, em sub-retranca na capa das Ilustrada.

Bolívia

Não ficam claras, em ?Protestos contra governo boliviano matam 8? (pág. A10), as consequências concretas do plano do governo de exportar gás em estado bruto para os EUA e o México (causa principal das manifestações). O projeto implicará demissões, fechamento de postos de trabalho, por exemplo? Ou, menos contundente, deixará ?apenas? de criar novos empregos? Cabe, creio, esclarecer.

Imagem

Posso estar enganado, mas a impressão que tive, ao ler o jornal, foi de que a foto da abelha, em Ciência (pág. A11), está de ponta-cabeça. A verificar.

Anúncios

1) O anúncio da novela ?Celebridade?, hoje na pág. A11, simula uma coluna social e pode ser facilmente confundido com material jornalístico, especialmente na cabeça de leitores mais desavisados ou inexperientes. Do ponto de vista publicitário, é, por isso mesmo, bastante, digamos, agressivo. Na minha opinião, o aviso ?Informe publicitário?, do tamanho que está e na localização em que está (no alto, à direita), é insuficiente para deixar clara a diferença;

2) O mesmo tipo de confusão aparece na cobertura da vitória de Schumacher, na pág. D5, com um anúncio da Shell. A confusão, ao menos numa primeira olhadela, é inevitável.

Didatismo

1) A arte ?Bancos elevam crescimento esperado para 2004? (Dinheiro, pág. B3) não informa a que se referem as barras dos gráficos. São os crescimentos dos PIBs de cada país? Não é tão óbvio assim…

2) O abre ?Cenário externo vira centro de atenções? (pág. B5) menciona no quinto parágrafo um ?mercado de bonds? sem dizer do que se trata. Não encontrei explicação nem mesmo no anexo econômico do ?Manual?;

3) O texto ?Cruzeiro vence mais uma, e torcida festeja campeonato? (Esporte, pág. D2) menciona a fratura do malar de um jogador, sem explicar o que é isso (algo que uma outra sub, na mesma página, faz, corretamente, no caso de uma fratura na fíbula, ?osso da perna?);

4) Não está claro a que modalidade esportiva se refere o texto-legenda ?No topo?, que mostra a atleta Kim Clijsters à frente de um carro (pág. D8).

E a lei?

O texto ?Reforma sindical começa a sair do papel? (contracapa de Dinheiro) informa que o governo deve autorizar hoje que dois sindicatos nacionais de aposentados e pensionistas (um da CUT e outro da FS) façam desconto da mensalidade de seus associados diretamente da folha de pagamentos da Previdência. Registra, também, que isso não fora autorizado antes com base no argumento de que a Constituição prevê a unicidade sindical (não podehaver senão um sindicato de determinada categoria por base territorial). OK. O que não fica claro, então, é como o governo pode fazer aquela autorização sem que uma reforma na legislação (a tal reforma sindical) e na Constituição seja aprovada. O governo, nesse caso, não estaria cometendo uma irregularidade? O texto não resolve, a meu ver, essa equação.

Sul?

A sub ?Produtores afirmam que formação do lago os empobreceu? (contracapa de Cotidiano), sobre o caso das terras vizinhas ao lago de Itaipu, afirma que o município de Santa Helena fica ao sul do lago. Na arte, porém, o ponto aparece numa região na altura do meio do lago, não ao sul dele. A verificar.

Porro

Não vi na Folha registro da morte do jornalista Alessandro Porro, ocorrida na tarde de sábado, segundo noticia hoje ?O Globo?.

Esclarecimento

Registro, a seguir, esclarecimento, pelo qual agradeço, da Sucursal de Brasília, enviado por intermédio da SR, em referência à nota?Transparência?, da crítica diária de quinta-feira (09/10/03):

?Embora a menção ao ?Globo? estivesse no texto e tenha sido suprimida na redação da sucursal, é necessário o esclarecimento ao ombudsman dos seguintes pontos:

1) O levantamento (em notas taquigráficas, documentos oficiais e arquivos) da Folha, não do Globo, que usou em sua matéria apenas as declarações do Jobim.

2) Está claro no texto que o levantamento da Folha ?partiu? da revelação do Jobim.

3) É correta a afirmação, no texto, de ?quatro outros casos detectados pela Folha?, já que o Globo mostrou, baseado em declarações do Jobim, apenas um.

4) Jobim disse ao Globo que havia dois, mas só citou um. Os outro quatro foram detectados e são levantamento da Folha.

5) Por fim, o leitor do Globo sabia que o Jobim sustentava haver dois artigos (um guardado em mistério) sem votação na Constituição. O da Folha sabe, amparado em documentos oficiais, que pelo menos cinco artigos da Constituição não foram votados.?

09/10/2003

É natural que se destaque nas capas o governador eleito da Califórnia, Arnold Schwarzenegger. O que chama a atenção, hoje, mais uma vez, é a coincidência regional de prioridades entre os diários paulistas (Folha e ?Estado? dão manchete e foto na Primeira Página para a ?euforia? do mercado, além do ator vitorioso); já os fluminenses (?Globo? e ?JB? manchetam a sugestão da relatora da ONU de uma inspeção externa no Judiciário). Registro, na Folha, para um ?bate-cabeças? na cobertura sobre a Alca (ver nota específica).

Caso Benedita

O jornal dedica hoje, corretamente, meia página ao caso da viagem da ministra a Buenos Aires para encontro religioso (Brasil, pág. A6). Há uma informação, porém, que ainda não está contemplada: o custo dessa viagem. Em quanto o Tesouro deverá ser ressarcido, em tese, caso se defina, formalmente, para Benedita, a pena de devolução do montante gasto?

Previdência

Três observações sobre a reportagem ?PEC permite que Estado cobre mais de inativos? (Brasil, pág. A8):

1) O nono parágrafo usa o verbo garantir com sentido positivo, relacionado a declaração do petista Aloizio Mercadante, de modo, a meu ver, não recomendado pelo verbete sobre o tema na pág. 71 do ?Manual?;

2) No décimo parágrafo, afirma-se que os governadores do RS e de SC ?têm salários baixos?. Como assim? Deveria estar claro, pelo menos, que eles são baixos em relação a isso ou àquilo. Baixo é o salário mínimo, certo?

3) A última frase do texto menciona uma tal ?norma impositiva? sem explicar do que se trata essa figura.

Transparência

Concordo que o jornal, uma vez tendo-o feito num primeiro momento, não precisa citar o devido crédito em toda e qualquer reportagem de suíte de um caso originalmente levantado por concorrente. No caso específico do abre ?Cinco artigos da carta nunca foram votados? (pág. A10), porém, o leitor desavisado fica com a falsa impressão de que foi a Folha que levantou o assunto desde o início –quando sabemos que isso foi feito pelo ?Globo? no domingo passado. Pelo menos duas vezes se menciona o ?levantamento da Folha? ou os casos ?detectados pela Folha?, sem nenhuma menção ao fato de que os dois artigos originalmente reportados o foram pelo jornal do Rio.

Sísifo

1) Faltou a idade de Vera Quintella na reportagem ?Auditora federal se entrega no Rio? (pág. A11), segundo a qual a auditora, nas palavras de seu advogado, se apresentou à polícia ?mesmo sem ter condições de saúde?;

2) O mesmo vale para o presidente da ANP, Iasser Arafat, cujos assessores negam, na reportagem ?Comissão no Congresso dos EUA aprova sanções contra a Síria? (Mundo, pág. A14), informação do ?Guardian? de que ele sofreu um ataque cardíaco;

3) No abre ?Universo é uma bola de futebol, diz estudo? (Ciência, pág. A15), faltaram os parênteses com os anos de nascimento e de morte após menção a Albert Einstein; caberia, também, nesse texto, explicitar que a Universidade da Pensilvânia fica nos EUA.

Elementar

Depois de ter enfatizado, ontem, o alto nível de comparecimento dos eleitores às urnas para o ?recall? da Califórnia, o material sobre o assunto hoje (Mundo, págs. A12 e A13) nem toca nessa informação. Não dá para entender.

Judiciário em guerra

Registro para reportagem no ?Estado? segundo a qual o STF decidiu retirar da Câmara um projeto de lei de mais de dez anos –que seria votado até novembro– que abole privilégios de juízes. Assunto mais do que ?quente? dentro do atual embate entre a cúpula do Judiciário e o governo petista.

Filho de Lula

Não vi na Folha notícia, dada pelo ?Globo?, de que seguranças de um filho de Lula sofreram tentativa de assalto em plena Vila Madalena, enquanto aguardavam o seu protegido, que estava no trabalho.

Números

O texto ?Entrada de dólares supera remessa? (Dinheiro, pág. B4) afirma, no pé, que ?as remessas de recursos para fora do país superaram os ingressos em US$ 859 bilhões…?. Essa quantia bate de longe o próprio PIB brasileiro. Posso estar enganado, mas não seriam MIlhões? A verificar.

Bate-cabeça

1) O jornal dedica três abres de página (B5, B6 e B7) à Alca/OMC/política de comércio exterior. Os três textos destacam encontro de ontem de Lula com ministros para discutir o assunto –em especial as desavenças entre o Itamaraty e outros ministérios. Mas as informações são desencontradas. O primeiro texto (B5) afirma que o encontro foi um almoço com quatro pessoas: Lula, Amorim, Furlan e Marco Aurélio Garcia; informa também que Roberto Rodrigues (Agricultura) não foi ao almoço porque estava no exterior. O segundo texto (B6) afirma que Rodrigues estava no almoço e que este contou também com a presença de Palocci. Já o terceiro (B7) fala em reunião –não em almoço– e diz que nela estavam também Dirceu e Jacques Wagner. Informa, ainda, que Rodrigues, ausente, estava no Uruguai. Qual é, afinal, a informação correta?

2) Nesse material, texto de Buenos Aires (na pág. B5) se refere ao grupo de países em desenvolvimento liderado pelo Brasil como G22. O abre da pág. seguinte fala em G20 ou em G20plus. Caberia, ao menos, padronizar;

3) Didatismo: o abre da pág. B5 fala em Port of Spain sem informar onde fica essa cidade (Trinidad Tobago).

Nobel

1) A reportagem ?Modelos estatísticos rendem Prêmio Nobel? (contracapa de Dinheiro) afirma, no nono parágrafo, que, para o premiado Robert Engle, ?a principal contribuição de sua teoria é dar instrumentos para medir e prever o risco de portfólios?. O que são portfólios? O que é, aliás, a ?volatilidade de um ativo?, mencionada em outro trecho? Faltou, creio, mais didatismo;

2) A legenda da foto do premiado dá seu prenome como sendo Roberto e não Robert. Está errada, não?

Isso mesmo?

A sub ?Arma usada no crime era da Polícia Militar? (Cotidiano, pág. C4), sobre o caso do comerciante assassinado por um segurança-policial, afirma que ele era dono de um pet shop havia 15 anos. Considerando que o mesmo tinha 31 anos de idade, conforme o abre, não é, essa, uma informação estranha? Ele seria dono de comércio desde os 16 anos de idade? A verificar.

Marta

1) O texto do abre ?Marta faz mala-direta para divulgar obras? (pág. C8) não menciona o nome da prefeita uma única vez. Fala, sempre, em ação da Prefeitura. Título e texto trazem, assim, abordagens politicamente diferentes, apesar de ser sutil essa diferença;

2) O que são ?pontes estaiadas?, mencionadas no quinto parágrafo? Faltou didatismo;

3) Registrar a relativa e curiosa voracidade da prefeita em relação ao bacalhau fazia sentido, mas não creio que devesse ser esse o eixo da cobertura da visita do rei da Noruega ontem ao Mercado Municipal, como faz o side ?Direto da Noruega?. Houve, aqui, exagero em relação ao comportamento –nem tão exótico assim– da prefeita. Parece-me um tipo de enfoque artificial que bota lenha na fogueira daqueles que acham que a Folha faz qualquer coisa para ?atacar? Marta.

Alckmin

No abre ?Guarapiranga entra em racionamento ?solidário? (pág. C9), faltou registrar que o governador Geraldo Alckmin, ali mencionado, é do PSDB.

Serviço

Registro positivo para o abre de Esporte (sobre o amistoso da seleção brasileira contra a Jamaica), que adianta ao leitor, desde hoje, que o jogo, domingo, será às 11h de Brasília. Para quem quer ver o jogo e precisa planejar o fim de semana, é um belo –e, infelizmente, não muito constante-serviço antecipado.

Aviso

Amanhã não haverá crítica diária.

08/10/2003

O destaque do dia, manchete de pelo menos quatro jornais (Folha, inclusive), é –raridade– uma notícia positiva: o crescimento da produção industrial em agosto, após período de queda (?recessão técnica?). Contraponto, destacado pela Folha: desigualdade piora na AL, com o Brasil na liderança do quesito. Creio que a capa da edição SP ficou excessivamente paulistana, ao dar absoluto destaque, abaixo e acima da dobra, para fotos relativas a eventos de Cotidiano (acidente no Anhangabaú e chuvas na zona norte) da cidade.

Primeira Página

Senti falta de ao menos uma referência, na capa do jornal, para a reportagem que abre a página B6 (Dinheiro): ?Risco-país cai ao menor nível desde 2000?. Embora o indicador já venha em queda, não se trata, este, de um marco qualquer, certo?

Fome Zero

O texto ?Presidente deixa casal real esperando?, na pág. A6 (Brasil), relata doação de cheque do rei da Noruega para o programa Fome Zero, mas não informa o seu valor. Foi mantido em segredo? A dúvida fica no ar.

Contexto

O material sobre o ?recall? da Califórnia, em Mundo -seja nas edições iniciais, seja na mais tardia, que já traz a boca-de-urna com provável vitória de Schwarzenegger–, não informa, em nenhum momento, que o voto, ali, não é obrigatório. Esse aspecto é relevante para o leitor entender o significado do relativamente alto comparecimento às urnas (até cerca de 60%).

E a voz da Turquia?

O abre ?Turquia aprova envio de até 10 mil soldados? (Mundo, pág. A14) registra declarações de representantes dos EUA sobre a decisão, mas não reporta nenhum declaração ou explicação por parte de autoridades (executivas ou legislativas) da própria Turquia. Ficou estranho, já que, como mostram o resultado da votação e a foto de um protesto na mesma página, o assunto é, claramente, polêmico dentro daquele país.

Fiesp em Cuba

Nota no Painel SA (?Na ilha?), à pág. B2, informa que, em atitude inédita, a Fiesp participará oficialmente de uma comitiva enviada a uma feira internacional em Havana, no início de novembro. Eis uma bela pauta, que o jornal, creio, poderia explorar melhor.

Inversão

O lide da reportagem ?Opportunity lesou cotistas, diz Previ? (Dinheiro, pág. B2) só aparece no meio do quarto parágrafo do texto. Este abre, diferentemente, com uma afirmação do presidente do BNDES sobre outro aspecto relacionado ao assunto.

Creio que, em casos assim, quando se evidencia uma divergência entre texto e título quanto àquilo que é prioritário, cabe fazer a alteração (em um ou no outro). Caso contrário, dilui-se, aos olhos do leitor, o princípio editorial da seleção e da hierarquização das notícias.

Acabamento

Creio que deveriam ter sido editadas em conjunto a Panorâmica da pág. B3 que informa sobre novo lote de restituições do IR e a reportagem ?Receita terá dados de despesas com cartões?, na pág. B5 (Dinheiro) -dois assuntos de direto interesse do contribuinte.

Legenda

A foto mostrando alagamento numa favela da zona norte paulistana é boa, mas a legenda é totalmente burocrática. Limita-se a uma descrição fria, dispensável (do tipo ?legenda para cegos?). Faltou capricho.

Sem dados

A reportagem ?Funcionários da PUC podem entrar em greve? (Cotidiano, pág. C7) não informa quantos funcionários há na instituição. Tampouco informa a quantidade de professores, que também farão assembléia hoje, segundo o texto.

Cirurgia em Pelé

Posso estar enganado, mas não me recordo de ter visto registro no jornal sobre a cirurgia a que se teria submetido o empresário e ex-atleta. Chama a atenção, por isso, a ausência de informação mais detalhada sobre o ocorrido no texto-legenda ?Dodói? (Esporte, pág. D2), que mostra o ?rei? com uma proteção no braço direito. O que houve com Pelé?

Obscuro

Não consegui entender o texto-legenda ?Quase lá?, na pág. D3 (Esporte). Ele afirma que a dupla brasileira de vôlei feminino (Ana Paula e Sandra) ?ganhará o título do Circuito Mundial se chegar às oitavas-de-final?. Como assim? Não precisaria passar para as quartas-de-final, semifinais e ir à final? Faltou, creio, alguma explicação -ou, então, há algum equívoco na redação. A verificar."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem