Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

PRIMEIRAS EDIçõES > ***

Bernardo Ajzenberg

Por lgarcia em 02/12/2003 na edição 253

FOLHA DE S. PAULO

"Caixa de surpresas", copyright Folha de S. Paulo, 30/11/03

"Nas últimas duas semanas, notícias importantes de economia pegaram analistas, consultores e jornalistas de surpresa.

A maioria apostava que o Banco Central abaixaria no máximo em um ponto percentual a taxa básica de juros (Selic). Na quarta-feira 19, foi anunciada uma ?ousada? redução de 19% para 17,5%, bem superior à esperada.

Nessa quinta (27), os jornais noticiaram um ?decepcionante? crescimento de apenas 0,4% do PIB (Produto Interno Bruto) no terceiro trimestre, quando a expectativa era de algo até 2,4%.

Surpresas vieram também com dados de desemprego, renda e inflação (veja exemplos ao lado).

Desconte-se a dificuldade natural de toda previsão, ainda mais numa economia cambaleante como a brasileira. Desconte-se, também, o fato de estarmos, em tese, numa fase de transição, sob um novo governo.

O fato é que consultores e analistas erraram, e bastante, em suas projeções, particularmente no caso do PIB, como mostrou reportagem na Folha de quinta.

Tal situação deveria levar a mídia, acredito, a refletir sobre como é gerada a produção de seu noticiário econômico.

Repórteres ?passam apertado? na mão da polícia quando cobrem crimes. Comem da mão de procuradores, frequentemente, ao revelar escândalos políticos. Dependem, excessivamente, de produtores e do mercado de entretenimento se o assunto é arte.

Por que na economia haveria de ser muito diferente?

Com a profissionalização das consultorias nos últimos anos -emitem diariamente boletins, análises e previsões sobre temas variados-, a pauta dos jornais tem, cada vez mais, uma relação de dependência com elas.

Nada contra o seu trabalho. Fazem uma pressão legítima. Tocam seu ofício.

A questão que merece reflexão é como a mídia absorve essa produção e a repassa ao leitor.
Ao abordar a pauta no livro ?Elementos de Jornalismo Econômico?, o jornalista Sidnei Basile comenta que ?uma das formas insidiosas de ceder à burocracia é a de se deixar pautar pelos outros. O impulso de ceder diante disso é muito grande, porque todos os emissores de informação que giram em torno da imprensa econômica estão continuamente agindo para obter a assimilação, pelo jornalista e pelo veículo que ele representa, dos pontos de vista que esses emissores desejam, e não necessariamente a verdade dos fatos?.

Para o editor de Dinheiro da Folha, Marcio Aith, ?mudanças de metodologia e avaliações equivocadas sobre o comportamento de variáveis ou de setores produzem facilmente erros em previsões?, inclusive de instituições oficiais. ?Nesse tema, o jornalismo econômico é, por natureza, vulnerável a erros?, diz.

Sobre o ?oligopólio de fontes?, o editor lembra que, ante o assédio iniciado nos anos 90 pela crescente comunidade de analistas pagos por instituições financeiras ou de consultorias criadas por profissionais egressos do mercado financeiro, o chamado setor produtivo se desarticulou e perdeu a capacidade de expor sua opinião, enquanto o jornalismo econômico não foi suficientemente ágil e pró-ativo para divulgar visões alternativas, levar equilíbrio a suas análises.

Aith pondera que a Folha se esforçou para dar espaço aos pensamentos acadêmico e empresarial, enquanto entidades do setor industrial contrataram analistas e se aparelharam ?para se contrapor à opinião dos bancos?.

O caderno Dinheiro, diz ele, tem ouvido com frequência analistas das entidades industriais e professores universitários. O debate, hoje, na sua opinião, está mais equilibrado.

Apesar disso, segundo o editor, as instituições financeiras ou consultorias ligadas a elas ainda produzem volume de análises muito maior que qualquer outro setor da economia e o debate econômico no Brasil ainda é travado por poucos personagens.

Outro problema apontado por Aith: ao elevar seu poder de influir no debate, a indústria obscurece setores mais desfavorecidos do que ela na economia.

?Sem entidades poderosas, o setor de serviços e a Construção Civil, por exemplo, empregam muito mais, mas foram especialmente prejudicados por alterações tributárias ou modelos de financiamento, voltados às montadoras e às exportações. Debates sobre política industrial ganham manchetes como se indústria fosse o único setor da economia?, conclui Aith.

Os erros lembrados no início da coluna não são, obrigatoriamente, atestado de incompetência para analistas e consultores.

Acredito, no entanto, que, ao lado das distorções apontadas pelo editor, devem servir como sinal amarelo para os jornalistas, inclusive da Folha, no sentido de refletirem se não estão publicando previsões demais, alimentando ?bolsas de apostas? em excesso, com informações interessadas que têm consequências diretas, em termos de decisões práticas, no bolso do leitor.

Não é, como se sabe, uma pequena responsabilidade."

***

"Liberalidade", copyright Folha de S. Paulo, 30/11/03

"Advertido por um leitor, fui atrás de um artigo da ?Veja? do domingo retrasado e outro do ?Estado de S.Paulo? de 7/3. Este se chama ?Eu sou um liberal?; o da revista, ?Você também é liberal?. Seu autor é o jornalista João Mellão Neto (veja abaixo).

Em seu início, o de março resume a evolução da presença das idéias liberais no século passado. Depois, o articulista afirma achar oportuno republicar o ?Credo Liberal?, um texto, ele diz, ?que compilei há muitos anos?, com os ?principais postulados do pensamento liberal?.

Escreve Mellão Neto: ?…se você, leitor, concordar com tudo o que é dito a seguir, é porque você, mesmo sem o saber, é um liberal também. E não há por que se envergonhar disso?.
Metade do artigo, a partir daí, é a tal reunião de idéias, todas começando com ?Ser liberal é…?.

Na revista, o texto também traça as oscilações da presença do liberalismo, repete o ?se você, leitor…? e o ?Credo Liberal?.

O jornalista Mellão Neto, procurado por mim, afirma o seguinte: ?A semelhança entre meus dois artigos está na re-publicação do ?Credo Liberal?. Em momento algum eu afirmei que o ?Credo? era uma publicação original. Eu já o publiquei antes em outras ocasiões?.

É natural que um autor repise seus princípios, mas espaços para artigos na mídia, instituídos para arejar o debate, pressupõem que seus protagonistas, ao apresentar as mesmas e legítimas idéias, procurem ao menos formas diferenciadas de argumentação. Não é o caso aqui.

O texto na ?Veja? não esclarece que se trata de uma re-publicação. Traz o ?Credo? como compilação inédita. Soa, assim, como um auto-plágio, que pouco acrescenta ao debate público."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem