Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

PRIMEIRAS EDIçõES > ***

Bernardo Ajzenberg

Por lgarcia em 01/08/2001 na edição 132

FOLHA DE S. PAULO

"Ares de Gênova", copyright Folha
de S. Paulo
, 29/7/01

"Dois tipos de objeção chegaram ao ombudsman sobre a cobertura da reunião do Grupo dos 8 em Gênova no final da semana passada.

Um grupo de leitores queixou-se das fotos que estampavam na capa da Folha do dia 21 a morte do jovem Carlo Giuliani. O assinante Fernando Andrade, por exemplo, escreveu o seguinte:

?Desautorizo a Folha a entrar em minha residência novamente com fotos de extremo mau gosto como as fotos em destaque de primeira página de hoje (assassinato de um manifestante contra a globalização). O mau gosto atingiu o extremo na foto onde a vítima agoniza ?esguichando? sangue. Onde o jornal quer chegar? Por favor, não repitam isto!?.

Menciono esse e-mail não só por sintetizar os demais mas também por mexer com a relação entre o jornal e seu leitor mais fiel e majoritário: o assinante.

Não se deve discutir em abstrato o uso ou não de uma foto chocante, e sim vinculá-lo ao veículo, suas tradições, seu público.

O assinante paga para ter o jornal em casa por conhecê-lo. Não antevê seu conteúdo, mas sabe entre que margens navega.

Uma foto pode estarrecer certo leitor e ser banal para outro. O difícil, para o editor, ao deparar com imagens ?pesadas?, é justamente definir limites, com base no perfil médio de seu leitorado.

Nesse caso, com a foto do ?close? do rapaz de cabeça sangrando no asfalto, a Folha exagerou.

Não foi um problema isolado, claro. Os leitores do ?Jornal do Brasil?, do Rio, por exemplo, tiveram mais motivos do que os da Folha para se sentir chocados.

Aquele diário praticamente transformou num minipôster, no alto de sua capa, a cabeça ?esguichando sangue? de Giuliani.

?O Globo? e ?O Estado de S.Paulo? não deram a foto em suas capas. O ?Libération?, tablóide francês, ocupou a capa com o corpo, dando ênfase menor à cabeça. ?The New York Times? deu uma sequência de fotos, e só uma trazia o morto, à distância, como o argentino ?La Nacion?.

Cenas chocantes, sempre haverá. O desafio continuará a ser detectar o ponto em que uma foto deixa de ser registro forte e contundente para se transformar, dependendo de como é editada, em ícone apelativo ou sensacionalista.

A segunda queixa se refere a um aspecto de fundo: até que ponto os jornais refletem a realidade do que há por trás das manifestações ?antiglobalização??

Têm sido eficazes na cobertura de dia-a-dia -não apenas nos momentos especiais- das centenas de organizações independentes, não-governamentais, que se expandem internacionalmente?

Comparando-se a cobertura de Gênova com a de Seattle (EUA), em 99, durante encontro da Organização Mundial do Comércio, é inegável que houve avanço.

Conhecem-se melhor alguns grupos ou entidades impulsionadores dessas mobilizações.
Além disso, agora, houve mais artigos de analistas procurando captar o fenômeno e, até, explorar suas divisões internas.

Mas quem acompanha a imprensa, inclusive a Folha, sabe não haver cobertura sistemática dessa multidão crescente de associações, daí a surpresa diante da força de certos eventos.
Pergunto, a título de exemplo: o que deliberaram os encontros paralelos ao dos chefes de Estado do G-8, centralizados pelo chamado Fórum Social de Gênova?

Os jornais, inclusive a Folha, mencionaram pontos que seriam discutidos, e só. Ao final, prevaleceram no noticiário o sangue de Giuliani e as ?grandes decisões? do G-8 formal. São fatos da maior importância -é evidente-, mas não os únicos relevantes."

***

"Mais de 60 leitores procuraram o ombudsman em dois dias para repudiar a tira ?Os pescoçudos? da Ilustrada do dia 26.

Críticas publicáveis: desrespeito, péssimo gosto, falta de humanidade, covardia, insensibilidade, agressão etc.

O Painel do Leitor também recebeu quantia excepcional de textos e publicou alguns na sexta-feira. Ao pé, o jornal inseriu uma Nota da Redação:

?O quadrinista Caco Galhardo concebeu a tira em questão, que fazia parte de uma série, antes de serem divulgadas informações sobre a saúde da apresentadora Ana Maria Braga. Até o fechamento da Ilustrada, essas informações não eram do conhecimento da Redação. Trata-se de infeliz e lamentável coincidência, pela qual a Folha pede desculpas?.

Como escrevi em crítica interna, a NR não responde a uma pergunta básica, para além do ?azar? de Caco -do qual não há por que duvidar:

Por que a Folha, ao noticiar a doença da apresentadora, em Cotidiano, caderno que fecha à noite, bem depois da Ilustrada, não incluiu no texto, ao seu lado ou em qualquer outra parte do jornal, algo sobre a tira que saía no mesmo dia?

Uma satisfação simultânea à própria publicação do quadrinho evitaria desgostos e mostraria que a Folha, ao contrário do que expressou, preocupa-se rigidamente, a todo instante, com certos princípios básicos.

Agir só depois de reclamações, explicar-se só após as queixas dos leitores, foi erro grave, talvez tão lamentável quanto a coincidência descrita na NR."

    
    

            

Mande-nos seu comentário

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem