Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

PRIMEIRAS EDIçõES > ***

Bernardo Ajzenberg

Por lgarcia em 31/07/2002 na edição 183

FOLHA DE S.PAULO

"Tapando o sol" copyright Folha de S.Paulo, 28/7/02

"O aquecimento da disputa eleitoral e o comportamento da imprensa em relação a ele durante a semana obrigam a uma retomada do assunto.

O candidato do PT lançou oficialmente seu programa de governo na terça-feira. Na quarta, o presidenciável do PSDB reuniu-se com 15 governadores de Estado. O do PSB acenou com uma inflexão pró-evangélica em sua estratégia de caça aos votos.

O principal fenômeno dos últimos dias, porém, chamou-se Ciro Gomes, do PPS.
Foi em torno de sua ascensão nas pesquisas de intenção de voto -entre outros motivos- que o mercado financeiro se agitou, os chefes de campanha chacoalharam as cabeças, os empresários tiveram aumentada sua curiosidade sobre o candidato e os jornais procuraram, cada um a seu modo, encarar o ?furacão?.

O ?Estado de S.Paulo?, que não esconde sua preferência por José Serra, cunhou em manchete, na sexta-feira, o termo sintético que faltava para expressar a situação: ?Dólar rompe a barreira dos R$ 3 com ajuda do efeito Ciro?.

O ?efeito Ciro? se expressara, segundo o jornal, nos rumores que correram as casas de câmbio e as salas de operadores do mercado sobre a pesquisa Ibope que seria divulgada na noite de quinta-feira no ?Jornal Nacional? com resultado positivo, mais uma vez, para o candidato da Frente Trabalhista.

Nessa mesma sexta, logo abaixo da manchete, o ?Estado? cravava o título ?Ciro vence Lula no segundo turno, mostra Ibope?.

A pesquisa também recebeu um título forte na capa do jornal ?O Globo? (?Ibope: Ciro venceria Lula no segundo turno?) e no ?Jornal do Brasil? (?Ciro vence Lula no 2? turno?).
Esse levantamento, para rememorar, aponta uma continuidade do crescimento de Ciro, um inédito cenário no qual ele bate Lula num eventual 2? turno e uma nova queda de Serra, que o coloca em empate técnico, no terceiro lugar, com Anthony Garotinho.

Pois bem: o único dos chamados grandes jornais do país que não publicou na capa os dados dessa pesquisa foi a Folha, repetindo praticamente a posição adotada na semana retrasada, quando Ciro ultrapassou Serra pela primeira vez -fato que abordei no último domingo.

Mudança

Até as eleições de 2000, o jornal se limitava a publicar as pesquisas de seu instituto, o Datafolha. Desta vez, porém, decidiu noticiar, também, outros levantamentos, com ênfase para os do Ibope e do Vox Populi.

Há pelo menos um motivo simples para a mudança: reduziu-se drasticamente a quantidade de levantamentos do Datafolha. Para dar uma idéia, só em julho de 98 o instituto produzira três pesquisas nacionais; neste ano, a última, já defasada -Serra com 20%, Ciro com 18%-, saiu na Folha dia 7 de julho.

A pergunta é: se o jornal decidiu publicar outras pesquisas -e deve fazê-lo inclusive criticamente, quando for preciso, como ocorreu com a reportagem de terça-feira passada sobre métodos na enquete do Vox Populi-, por que não tratá-las devidamente, com o destaque que merecem?

No caso em pauta (ascensão de Ciro), formulo algumas hipóteses:

a) Acima do interesse do leitor estaria, ainda, o interesse corporativo da empresa, que é dona do Datafolha;

b) Os outros levantamentos não são confiáveis;

c) A subida de Ciro e a queda de Serra não são relevantes a ponto de seus dados figurarem na capa do jornal;

d) A Folha ?encolheu? os resultados por causa de uma suposta opção política anti-Ciro em sua linha editorial.

É fácil descartar os itens ?b? e ?c?: se os outros institutos não tivessem um mínimo de credibilidade, nada sobre seus números deveria ser publicado, e os colunistas da Folha, bem como as reportagens do jornal, não deveriam basear seus textos, como fazem, nesses dados (já que os do Datafolha, infelizmente, estão amanhecidos).

Sobre a relevância noticiosa, basta ver o que ocorre no mercado, nos gabinetes das empresas e nos bastidores das campanhas para detectá-la.

Quanto aos itens ?a? (?defesa? do Datafolha) e ?d? (postura anti-Ciro), sendo curto e grosso: simplesmente não batem com a tradição do jornal; isso, para não dizer que o histórico de credibilidade do Datafolha claramente dispensa tal ?proteção?.

Ou seja, de duas uma: ou a Folha decidiu, nas últimas edições, diante do ?furacão Ciro?, deixar de lado seus princípios de privilégio absoluto para a notícia, o pluralismo e a crítica, ou tomou decisões editoriais ao sabor de impulsos jornalisticamente menores e, nesse sentido, insustentáveis ante seus leitores."

***

"Pratos quentes" copyright Folha de S.Paulo, 28/7/02

"O assunto que mais gerou mensagens ao ombudsman, na semana, foi o episódio do desentendimento ocorrido na sexta 19, em almoço na Folha, entre o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, e o diretor de Redação, Otavio Frias Filho.

Segundo relata o jornal de quinta-feira, Lula resolveu deixar o recinto onde ocorria o evento por se sentir ?irritado? diante de duas perguntas feitas ?com veemência? por Frias Filho (uma sobre o preparo intelectual do candidato, outra sobre a aliança com o PL).
O incidente fora divulgado no início da semana por três colunas políticas (de penetração relativamente restrita).

Na quarta-feira, ?O Globo? publicou reportagem sobre o caso, inclusive com declarações do diretor de Redação.

Até a edição de quinta, a Folha limitara-se a registrar a visita de Lula e o almoço, como de praxe, no Painel (pág. A4) de sábado.

A existência desses encontros, hábito em jornais de grande porte no mundo todo, é legítima.

Faz parte do relacionamento entre a empresa que edita o veículo e as autoridades (políticas, intelectuais, econômicas, culturais, científicas etc.).

Resulta, em última instância, num produto jornalístico mais bem informado para o leitor.
Ao mesmo tempo, não deve surpreender que haja, às vezes, rispidez entre jornalistas e autoridades, anfitriões e convidados, embora seja obviamente lamentável quando isso ?extrapola?.

Mas as consequências práticas disso só seriam nefastas, para o leitor, se os sopapos verbais se traduzissem, depois, em alteração na linha editorial do veículo de comunicação.

Divulgar ou não

Houve leitores indignados com a postura do diretor de Redação, outros com a atitude de Lula, outros com o fato de a Folha não ter divulgado de imediato o entrevero e outros, por fim, lamentando que se tenha feito a revelação, já que se tratou de uma rusga em evento privado cujo conteúdo o jornal se compromete a não divulgar.

Em termos estritamente jornalísticos, porém, o mais relevante, aqui, é discutir se e quando a Folha deveria (ou não) ter dado a seus leitores conhecimento do ocorrido.

Como escrevi em crítica interna na quarta-feira, penso que deve ser preservado o chamado ?off? desses encontros, compromisso assumido pelo jornal com os convidados.
É só desse sigilo inicial que podem surgir, eventualmente, em tais almoços, pautas importantes de interesse do leitor a serem investigadas.

Pareceu-me certa, por isso, a Folha, ao não tornar público o bate-boca privado.
Diante do ?vazamento? da informação, porém, mesmo que por colunas políticas de penetração restrita, tornava-se obrigatório dar satisfação a seus leitores. E isso deveria ter sido feito, penso, já na quarta-feira, sem esperar pela divulgação no ?Globo?.

Apesar do atraso, o texto que apresenta na quinta-feira o ocorrido (precedido, como ele próprio explicita, de convite à assessoria de Lula para que também ali se pronunciasse) foi um sinal de transparência.

Visto não ter ocorrido depois, ao menos até o momento, contestação por parte do PT ao ali descrito, presume-se que revela, sinteticamente, o que de fato aconteceu."

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem